quinta-feira, 5 de maio de 2011

A polémica e os esclarecimentos em torno do jantar dos árbitros do FC Porto - Villareal

"Estava em serviço da UEFA e não faço comentários", respondeu António Garrido ao i, quando questionado sobre se tinha jantado com Reinaldo Teles e o árbitro do FC Porto-Villarreal. Ontem, o jornal espanhol "Marca" noticiou que o ex-árbitro português e Reinaldo Teles estiveram com o holandês Bjorn Kuipers, durante um jantar após o jogo da primeira mão da meia-final, na Marisqueira de Matosinhos.


O local é ponto de encontro habitual dos dirigentes portistas (e de outros clubes, responsáveis associativos, jornalistas...) e também sugerido aos convidados dos dragões. Não seria de estranhar que elementos da direcção portista estivessem no mesmo restaurante que Bjorn Kuipers e a sua equipa, aliás, dois vice-presidentes portistas (um deles Joaquim Pinheiro, irmão de Reinaldo Teles) são presença habitual nos jantares antes e depois dos jogos com os árbitros dos jogos das competições europeias. Quanto a Reinaldo Teles, o i sabe que não esteve na referida refeição.

Jorge Baptista, delegado da UEFA, explicou ao i que este tipo de encontros é frequente: "Já me aconteceu estar a jantar com os árbitros depois do jogo e aparecerem dirigentes do clube que joga em casa. Acham que alguém vai tentar influenciar alguma coisa com os delegados da UEFA à frente? Grave é se os árbitros furarem as regras e forem almoçar ou jantar sozinhos com dirigentes".

Ilegal O regulamento da UEFA é vago em relação ao tema. "Durante a sua estadia no local do jogo, os árbitros são acompanhados pelo delegado de ligação, que é um representante oficial da federação nacional do clube visitado [neste caso, António Garrido]". Opinião diferente de Jorge Baptista tem um antigo árbitro internacional ouvido pelo i. Este afirma que "apenas o observador e o delegado local podem estar com os árbitros". "Embora muitas vezes os delegados da UEFA se juntem, se algum dirigente estivesse presente num jantar isso seria totalmente fora do normal", acrescentou.
Fonte da FPF confidenciou ao i que o FC Porto pede sempre a nomeação de António Garrido para acompanhante dos árbitros estrangeiros nos jogos da UEFA. E normalmente a nomeação acontece, o que pode parecer algo estranho, já que o antigo juiz é fortemente conotado com os dragões e foi arguido no processo ''Apito Dourado''. Das restantes equipas portuguesas em prova, Carlos Valente costuma ser o delegado aos jogos em casa do Benfica e Paulo Paraty aos do Braga.

Em comunicado, o FC Porto "desmente em absoluto que o seu presidente Jorge Nuno Pinto da Costa, ou o administrador Reinaldo Teles tenham estado presentes no jantar com o árbitro Bjorn Kuipers, após o jogo com o Villarreal". Os dragões informaram ainda que vão processar o jornal "Marca" devido à "falsidade" da notícia.
Muito incomodado Se António Garrido não quis falar sobre o alegado encontro, já o outro Garrido não se fez rogado em comentar. "Se é verdade, incomoda-me muito que dirigentes do Porto tenham jantado com o árbitro. É pouco ético e não deveria acontecer. Somos profissionais e penso que é um pormenor que podiam ter evitado. Isso faz-me lembrar que se marcou um penálti que não existe, que não se mostraram cartões aos jogadores do Porto. Agora, após saber isto, vêm-me à cabeça todas essas jogadas", afirmou ontem Juan Carlos Garrido, treinador do Villarreal.

Fonte: i

Sem comentários: