sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Igualdade de regras - Massimo Bussaca

Massimo Bussaca o chefe da arbitragem da Fifa informou as conclusões alcançadassobre arbitragem assim que finalizou a reunião do grupo de trabalho inter disciplinar da entidade, que visa estabelecer propostas para a melhoria do futebol.





Temas fundamentais
O ex-árbitro  suíço começou falando sobre os assuntos acordados. "Foram abordados dois pontos essenciais. De um lado, a interpretação do impedimento, que hoje em dia cria muitos problemas. Por outro lado, a punição tripla para a qual desejamos chegar a um acordo" - vamos revisar algumas leis e no próximo ano a Internacional Board vaidecidir sobre as alterações propostas.

Intercâmbio de idéias
Claro que nós, árbitros, podemos desenvolver as nossas próprias ideias, mas trocar ideias com ex-árbitros, jogadores e técnicos é sumamente importante caso queiramos entender exatamente o que eles pensam. Posso muito bem ter a minha opinião, mas os atletas que estão no futebol todos os dias podem ter uma visão diferente. Talvez haja certas coisas que possamos melhorar no futuro para aperfeiçoar o futebol. É muito importante que discutamos as coisas com os jogadores e técnicos, para que cheguemos a uma espécie de consenso no fim, argumentou o mandatário da arbitragem mundial.

Jogo limpo
Sobre o pedido para a pratica do jogo limpo (Fair play),  Bussaca explicou:  “Um árbitro não pode fazer tudo por conta própria — ele precisa da ajuda de técnicos e jogadores. Podemos estar 200% preparados, mas se não houver desportividade, ficaremos sozinhos em campo". Se os jogadores respeitassem isso as coisas seriam mais fáceis para a arbitragem. Quando lembro dos grandes jogos que apitei, era muito mais fácil garantir respeito e fair play durante a partida quando eu tinha o apoio dos jogadores. Para obtermos sucesso no fair play  é necessário a participação de  todos os envolvidos numa partida de futebol.

Unificar critérios
Sobre o principal objetivo segundo o ponto de vista dos árbitros e a unificação dos seus critérios para aplicação correta das regraso ex-árbitro internacional, afirmou:  “Queremos uniformidade. É impossível eliminar os problemas, mas uma determinada rodada não pode ter decisões de arbitragem divergentes num mesmo campeonato. A arbitragem está se tornando cada vez mais profissional, mas não podemos descartar a possibilidade de continuar havendo erros ocasionais,” finalizou.

Fonte: De Olho no Apito / Revista Árbitros
Nota: Texto escrito em Português do Brasil

1 comentário:

Tiago Nogueira disse...

http://footinmyheart.blogspot.com/

Henrique Caixeta, terá ele um lugar já reservado na Europa?

Um abraço,

Tiago Nogueira