sábado, 18 de fevereiro de 2012

Renovação da arbitragem para o Mundial 2014 será grande


Carlos Alárcon, mais antigo membro da comissão de arbitragem da Fifa, revela que seleção para o Mundial do Brasil será rigorosa

Valdir Bicudo

Mais antigo membro da comissão de árbitros da Fifa, Carlos Alarcón tem uma folha de serviços prestados à instituição digna de louvores. Ele assumiu a função após o Mundial de 1990.  A partir de 1991, participou de três mundiais: 1994, 1998 e 2002. No  início de 2003, deixou a comissão, substituído por Carlos Maciel,  que ficou desde 2003 até ao Mundial de 2006.  Em 2007, retornou à comissão de arbitragem da Fifa.
Quanto à Conmebol, ocupa a presidência da comissão de arbitragem da entidade desde junho de 1986. Sua permanência longeva em tão espinhosa missão é explicada pelas qualidades acima elencadas e, sobretudo, por ser um dos maiores descobridores de árbitros do futebol mundial.
Alarcón é Instrutor Fifa, mas esclarece que as coisas estão mudando.  “Antes, ser membro da comissão de árbitros da entidade era ser automaticamente instrutor. Havia uma lista de instrutores de cada país nomeado pela Fifa. Durante os anos em que não fazia parte da comissão da Fifa, fui nomeado instrutor  e continuei exercendo essa função”, diz.
Para o processo do Mundial de 2010, a Fifa descartou a lista de instrutores de todos os países e contratou um grupo remunerado para está função. Estes instrutores estão ensinando em cursos RAP pelo mundo todo e também trabalham com os árbitros selecionados para os campeonatos mundiais. Por e-mail, do seu gabinete na Confederação Sul-Americana de Futebol, Carlos Alarcón falou sobre sua trajetória na arbitragem e as perspectivas futuras para os homens mais importantes numa partida de futebol, que são os árbitros. Confira  abaixo a entrevista:

O que podemos esperar de novidades, em termos de arbitragem, para a Copa das Confederações, que acontece no Brasil, em 2013?
Carlos Alarcón -  Acho que ainda é cedo para falar sobre isso, tudo dependerá da próxima reunião do IFAB (Internatinal  Board) que se realizará na Inglaterra em março.

A Copa do Mundo de 2014 é encarada com um divisor de águas para o futebol brasileiro. A partir dela, teremos estádios e a expectativa de clubes mais fortes. Pode-se esperar que a arbitragem brasileira também dê um salto de qualidade?
Alarcón -  A Copa do Mundo de 2014 no Brasil será um evento  que deixará muitas coisas positivas para o futebol e para a arbitragem de todo o mundo e especialmente no nosso continente.  Acredito que a arbitragem no Brasil estará altura dos aconbtecimentos.

Por falar em qualidade, a profissionalização da arbitragem é algo que está próximo ou ainda distante?
Alarcón - Há muitos anos fala-se sobre a profissionalização da arbitragem.  Acho que  está se avançando nesse sentido, com várias medidas sem queimar etapas, pois não é só dizer que se profissionalizem os arbitros e se termina o assunto. Há muitas coisas no contexto que devem ser resolvidas para  se chegar à profissionalização e termos a  certeza de que será benéfico à  arbitragem e ao futebol no seu todo.

No Mundial de 2014 será mantida a mesma regra usada no Mundial 2010 para a escolha de árbitros e assistentes (trios do mesmo país) ou pode-se esperar algo diferente?
Alárcon - Não. Os árbitros já deram uma lista de 4 (quatro) que eles preferem trabalhar neste projeto, mas será o Comitê de Arbitragem, que irá  aprovar ou não definitivamente os candidatos eleitos, segundo experiência levantada sobre o assunto. Árbitros Assistentes também  deverão ser escolhidos de outros paises, desde que nao sejam dos paises do árbitro.

Neste caso, o Brasil, apesar de país-sede, terá um só trio de  árbitros ou dois?
Alárcon - Isso dependerá de vários fatores, pois nao se tem histórico na América do Sul nesse sentido,  o Brasil pode e tem árbitros que preencham os requisitos e quota correspondente a Conmebol (Confederação Sul-Americana de Futebol)

Héber Roberto Lopes, Leandro Pedro Vuaden, Wilson Luiz Seneme e Paulo Cesar de Oliveira são os árbitros brasileiros mais cotados para atuar no Mundial de 2014?
Alárcon - A seleção não é fixa, irá mudar, se necessário. Ao mundial do Brasil,  irão os melhores naquele momento.

Por quais etapas os árbitros pré-selecionados para a Copa 2014 ainda terão de passar até que se faça a escolha?
Alárcon - Existe uma equipe da Fifa de acompanhamento para avaliar as atuações em seus países, nas eliminatórias da Conmebol, nos torneios continentais da Conmebol, bem como nos torneios Fifa, que antecedem o mundial de 2014.

No caso dos árbitros europeus, a Euro 2012 já será um teste importante para que eles se credenciem para o Mundial de 2014?
Alárcon - Não tenho conhecimento dos planos da UEFA quanto à seleção dos candidatos.

Em relação ao Mundial de 2010, a expectativa é que haja uma renovação grande na arbitragem para o Mundial de 2014?
Alarcón -  Essa é a ideia.

Qual o perfil do árbitro ideal, em termos de idade, profissão e campeonatos em que atua?
Alarcón -  Cumprir com as Regras do Jogo de Futebol, seguir as instruções dadas nos cursos e as instruções existentes nas mesmas regras do jogo.

A bola com Chip, resolverá se a bola ultrapassou totalmente a linha de baliza ou não?
Alarcón -  Sobre isso ainda não existe decisão, está em estudo.

A  propósito: qual é a sua opnião sobre a tecnologia para auxiliar a arbitragem dirimir lances que fujam do campo visual do árbitro?
Alarcón -  A tecnologia é  importante, mas para isso deve atender aos requisitos estabelecidos pela IFAB, nem toda tecnologia é aplicável ao futebol.

O senhor é Instrutor e membro da Comissão de Árbitros da Fifa. Nas suas peregrinações pelo América do Sul algum árbitro tem lhe chamado a atenção?
Alarcón -  Viajamos pelo continente e observamos todos os jogos possíveis para encontrarmos árbitros de qualidade e ajudar a desenvolver os que existem.

Quem é o melhor árbitro Sul-americano?
Alarcón -  Eu nunca respondi a essa questão, porque os árbitros têm seus momentos e nunca será um assunto definido.

Sem comentários: