domingo, 19 de fevereiro de 2012

Vitor Pereira - "Estamos preparados para colocar em marcha o plano que temos definido para a arbitragem do futuro."


Com o principal objectivo de reorganizar o funcionamento da arbitragem nacional, o Fórum contou com a presença inicial do Presidente da FPF, Fernando Gomes (clique aqui para saber mais) e com a participação dos elementos do Conselho de Arbitragem da FPF, do Presidente da Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF), Gustavo Sousa, e de 19 Presidentes dos Conselhos de Arbitragem das Associações de Futebol Distritais – faltaram apenas os representantes dos Conselhos de Arbitragem das Associações de Futebol de Angra do Heroísmo, Horta e Madeira.

Pontapé-de-saída do plano para a arbitragem do futuro
No final do Fórum o Presidente do Conselho de Arbitragem da FPF, Vítor Pereira, mostrou-se satisfeito com a forma como decorreram os trabalhos onde foi aprovado o regulamento do Fórum da Arbitragem, foi apresentado o projecto de Convenção da UEFA, foram validadas as conclusões do Fórum de Rio Maior e o questionário aplicado em 2008. No Fórum foram igualmente recolhidas as expectativas dos vários Conselhos de Arbitragem e foi obtido um documento final sobre os vários assuntos debatidos e constituídos grupos de trabalho com os vários representantes dos Conselhos de Arbitragem.
Vítor Pereira explicou que “vai realizar-se, pelo menos, mais um Fórum que visa discutir várias matérias da arbitragem, preparar as alterações regulamentares, uniformizar a formação.”

Das conclusões, o dirigente destacou o facto de este ter sido o pontapé-de-saída de uma iniciativa que contou com a participação maciça dos Conselhos de Arbitragem. “Foi o primeiro Fórum e estiveram presentes 19 dos 22 Conselhos de Arbitragem Distritais existentes. Houve uma participação fantástica e uma discussão profícua que abrangeu vários temas. Estamos preparados para colocar em marcha o plano que temos definido para a arbitragem do futuro.”

Referindo-se aos elementos que constituíram o quórum da acção, Vítor Pereira lembrou que “estes são os colegas que, no dia-a-dia e nos locais onde actuam, enfrentam mais dificuldades e menos recursos têm ao seu dispor. É na partilha dessas experiências que nós procuraremos encontrar soluções conjuntas. O Conselho de Arbitragem da Federação irá coordenar todo o desenvolvimento da arbitragem nacional e esta partilha de experiências é muito importante. Foi a isso que assistimos aqui hoje. Todos manifestaram vontade de nos ajudar a fazer uma arbitragem diferente, que relance a qualidade e que permita continuar-se a criar condições para que a arbitragem portuguesa tenha qualidade e acompanhe o desenvolvimento do nosso Futebol que está no “top ten” mundial, no que diz respeito à nossa Selecção. Queremos que a arbitragem continue no mesmo passo.”

Grande remodelação e em várias dimensões 
Vítor Pereira adiantou que “pretendemos uma grande remodelação e em várias dimensões” e apontou algumas mudanças e medidas a serem tomadas. “Ao nível da formação onde temos três níveis: inicial, nacional e profissional; ao nível da observação, com dois níveis para o modelo de avaliação. Sentimos a necessidade de dar alguma autonomia financeira aos Conselhos de Arbitragem Distritais, para que possam ter um plano de actividades previamente concebido e efectuem a sua gestão em conformidade. Temos a necessidade premente de ter um órgão centralizador que pode ser uma academia de arbitragem inserida na academia do futebol que está a ser concebida pela Direcção da FPF. Há um vasto conjunto de matérias que estão em jogo e que nós vamos ter oportunidade de tratar”, revelou.

Aumentar quantidade para ter mais qualidade
O Presidente do Conselho de Arbitragem da FPF apontou a formação como uma das principais prioridades. “Preocupamo-nos com a detecção de talentos para a arbitragem e os aspectos ligados ao recrutamento e à retenção continuam a ser factores fundamentais. Temos que aumentar o lote de árbitros, para que da quantidade possa nascer mais qualidade. Queremos desenvolver processos de detecção de talentos que se iniciem ao nível distrital e possam ser acompanhados em todas as fases da carreira, pois esses são factores determinantes de sucesso. O progresso da base ao topo, de forma consistente e integrada com sinergias entre o Conselho Nacional e os Conselhos Distritais, pode levar a uma arbitragem melhor. A formação é um instrumento indispensável para que consigamos ter essa melhor arbitragem”, garantiu,

O responsável da Arbitragem agradeceu ao Presidente da FPF e à restante Direcção a abertura demonstrada e o empenhamento para que este Fórum se realizasse.

O próximo Fórum da Arbitragem está agendado para o dia 14 de Abril, em local a definir.

Fonte: FPF

Sem comentários: