sexta-feira, 28 de abril de 2017

Suspenso para sempre por beijar, morder e... apalpar o rabo do árbitro

Moncef Khemakhem, presidente dos tunisinos do Club Sfaxien, foi suspenso pela Federação do seu país (FTF) para sempre, devido ao seu comportamento para com um dos árbitros assistentes do duelo com o Etoile du Sahel, no qual a sua equipa venceu por 3-2. Em causa estão os 'miminhos' de Khemakhem feitos ao juiz, com direito a dois beijos, uma mordidela na orelha e, aparentemente, ainda duas palmadinhas no rabo! Tudo sucedeu porque, na sua ótica, o árbitro em causa concedeu uma prenda ao marcar um penálti inexistente a favor da sua equipa...

Fonte: Record



quinta-feira, 27 de abril de 2017

Duarte Gomes escreve sobre as leis do jogo. Lei 11

A interpretação da Lei 11 pode ser bem complexa. Lembrem-se, por exemplo, dos lances que já aconteceram esta época, no nosso campeonato profissional. Conhecer a letra da lei é uma coisa, mas perceber o seu espírito e aplicá-la na prática pode ser algo bem diferente


O prometido é devido.

Mergulhamos hoje numa das mais complexas regras das Leis de Jogo. Não porque seja de leitura complicada, mas apenas porque é importante no decurso dos jogos e até na definição de resultados.
O problema é que a letra daquilo que enuncia dá, nalguns casos, lugar a várias leituras.
Vamos a isso?

LEI 11 - FORA DE JOGO

A mera posição de fora de jogo não é, só por si, uma infração. Fácil, esta.

Quando é que um jogador está fora de jogo?
Quando qualquer parte da sua cabeça, corpo ou pés estiver no meio campo adversário (e isso exclui estar sobre a linha de meio campo) e mais perto da linha de baliza adversária do que a bola e o penúltimo adversário (penúltimo porque, regra geral, o último é o GR).
Isso pressupõe que a avaliação dessa posição (feita, em campo, pelo árbitro assistente), seja feita no momento do passe/toque do seu colega.
As mãos/braços de todos os jogadores não são considerados.

Quando é que um jogador não está fora de jogo?
Quando estiver em linha com o penúltimo adversário ou em linha com os dois últimos (por exemplo, com o último defesa e com o GR).
Neste momento, já percebemos quando está e quando não está fora de jogo.
Agora vamos dar um passo adiante e procurar perceber quando é e quando não é punido.

Preparados?

Um jogador que esteja em posição de fora de jogo no momento do passe/toque do seu colega só deve ser penalizado se tomar parte ativa no jogo.
Isso acontece em duas situações:
A) Quando interfere com o jogo (esta é a mais fácil de todas e raramente dá azo a discussões: é quando joga ou toca na bola);
B) Quando interfere com o adversário (esta, sim, é complexa: aqui o jogador em posição irregular não toca nem joga a bola, mas é punido se tentar afetar o defensor).

Então, vamos por partes.

Quando é que um avançado, que não jogue/toque na bola e que esteja em posição de fora de jogo, é punido por influenciar a ação dos defesas?

Quando:
O impedir de jogar/poder jogar a bola, obstruindo claramente a sua linha de visão (por ex: estar mesmo à frente da linha de visão do GR);
Disputar a bola com ele (por ex: está fora de jogo e sem tocar na bola, disputa-a diretamente com um defesa);
Tentar claramente jogar a bola que se encontra junto a si, tenho essa ação impacto nos defensores (por exemplo: tenta jogar a bola e não a toca mas nesse momento, afeta, interfere, atrasa ou inibe a ação de algum defesa);
Tomar uma ação óbvia que tenha impacto claro na capacidade dele jogar a bola (por exemplo: estando fora de jogo, grita ou distrai um defensor, perturbando-o ao ponto de afetar a forma como ele jogaria a bola).

Ou...
Ganhar vantagem dessa posição, jogando a bola ou interferindo com o adversário, quando a bola tenha ressaltado ou desviado no poste, na barra ou no próprio adversário (por exemplo: no momento de um remate à baliza feito pelo seu colega, estava fora de jogo e depois vai aproveitar a bola que veio da barra ou do poste em sua direção);
Tenha sido deliberadamente defendida pelo adversário (por exemplo: estando "plantado" em posição de fora de jogo, receba a bola vinda de uma defesa do GR adversário).

Mais.
Se um jogador receber a bola deliberadamente de um adversário, não é punido por fora de jogo (esta é clara: quando a bola vem de um atraso ostensivo de um defesa, segue jogo).

Agora vamos às exceções ao fora de jogo: quando é que está e nunca é punido?
Quando receber a bola diretamente de um pontapé de baliza, de canto ou de um lançamento lateral.
Infrações / sanções
A) Quando um jogador punido por fora de jogo, o árbitro concede à equipa adversária um pontapé livre indireto no local onde ele cometeu a infração (onde tomou parte ativa). Isso significa que pode até já ser no seu próprio meio-campo
B) Se um defensor sair do terreno de jogo sem autorização, é como se estivesse sobre a linha de baliza (ou lateral) pela qual saiu, isso para efeitos de fora de jogo e até à primeira interrupção (ou até ao momento em que a equipa defensora jogue a bola na direção do meio campo e a bola esteja fora da área). Se ele abandonou o terreno deliberadamente (para colocar o adversário em fora de jogo), deve ser advertido na interrupção seguinte.
C) O jogador atacante pode sair do terreno para não estar envolvido no jogo ativo (para não ser punido por fora de jogo). Caso ele regresse pela linha de baliza antes da interrupção seguinte ou a equipa defensora tiver jogado a bola na direção do meio campi (e a bola estiver fora da área), considera-se - para efeitos de fora de jogo - que ele continua a estar posicionado sobre a linha de baliza.

Ou seja, como quis participar de uma jogada que tinha antes procurado evitar, é como se estivesse na linha de baliza adversária e, em princípio, será punido por fora de jogo ao tomar parte ativa na jogada.

Claro que se ele abandonou o terreno deliberadamente, regressou sem autorização, não for punido por fora de jogo e tire ou tente tirar vantagem dessa ação, é advertido (seria malandrice a mais).

Por fim, caso um jogador esteja imóvel, dentro da baliza do adversário (por exemplo, colado às redes lá no fundo), o golo da sua equipa será válido (a menos que ele interfira na ação dos defensores ou cometa nenhuma falta punida na Lei 12).

Eu avisei.

A interpretação da Lei 11 pode ser bem complexa. Lembrem-se, por exemplo, dos lances que já aconteceram esta época, no nosso campeonato profissional.
Conhecer a letra da lei é uma coisa, mas perceber o seu espírito e aplicá-la na prática pode ser algo bem diferente, sobretudo quando a punição ou não depende, tantas vezes, de conceitos tão dúbios como "inteferir, influenciar ou ter impacto".

Não se esqueçam: os árbitros não fazem as leis. Apenas estão obrigados a cumpri-la.
Para a semana, regressamos com a mais extensa e, porventura, mais importante de todas.

Até lá...

Se quiser ler sobre as outras leis poderá fazê-lo aqui:


Fonte: Expresso


Artur Soares Dias na Taça das Confederações

O árbitro luso irá participar na competição de seleções como vídeo-árbitro. Artur Soares Dias e o presidente do Conselho de Arbitragem, José Fontelas Gomes, satisfeitos com a nomeação. 

                                                                           
O árbitro português Artur Soares Dias foi nomeado pela FIFA para vídeo-árbitro da Taça das Confederações, que será disputada entre os dias 17 de junho e 2 de julho de 2017, na Rússia.

Artur Soares Dias recebeu a notícia com alegria, destacando que este é o fruto de um trabalho conjunto, sublinhando o papel dos presidentes da Federação Portuguesa de Futebol e do Conselho de Arbitragem.


“A arbitragem portuguesa e a Federação Portuguesa de Futebol foram pioneiras… e isso é uma mais-valia para nós podermos estar na vanguarda do futebol. Esta nomeação não seria possível se a equipa da Federação não tivesse percorrido este caminho.
O presidente do Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol, José Fontelas Gomes, fala de uma excelente notícia para o sector, lembrando que a FPF esteve envolvida neste projeto desde o seu início.

“Esta notícia da nomeação de Artur Soares Dias como vídeo-árbitro na Taça das Confederações é excelente para a arbitragem portuguesa e para o futebol português. É o fruto do trabalho que tem vindo a ser desenvolvido pela Federação Portuguesa de Futebol neste projeto do vídeo-árbitro”, destacou, lembrando que “desde a primeira hora que a FPF está envolvida, tendo efetuado vários testes off-line e semi-live, conseguido autorização para um teste live na final da Taça de Portugal, a 28 de maio.”

Fonte: FPF

segunda-feira, 17 de abril de 2017

O aquecimento das equipas de arbitragem

Não estamos acostumados a acompanhar o aquecimento da equipa de arbitragem, até porque o árbitro não era visto como um atleta até há poucos anos. E se agora é uma imagem comum, não era habitual até há uns anos os árbitros fazerem aquecimento.

O Referee Tip deixa aqui alguns exemplos de aquecimento dos árbitros.

Fonte: Arbitro Diez


Árbitra Assistente Nadine Schramm despede-se dos relvados

A árbitra assistente Nadine Schramm despediu.se da carreira com um momento muito bonito num particular entre a seleção do Brasil e a da Bolívia.

Podemos ver o momento no vídeo a partir do minuto 8:47.

quarta-feira, 12 de abril de 2017

Como é apitar um jogo do Canelas? "Eles dão-te no focinho e depois não me peças ajuda"

É um retrato, na primeira pessoa, de um árbitro que já apitou vários jogos do Canelas 2010 e que relata o clima de intimidação que se vive em muitos dos jogos daquela equipa dos distritais da Associação de Futebol do Porto (AFP).
Marco “Orelhas” Gonçalves, agressor do árbitro José Rodrigues, é qualificado por este juiz de campo que aceitou falar com o PÚBLICO com a expressão… “é do pior”. Mas há vários elementos que dominam a equipa de futebol do Canelas que merecem qualificativos semelhantes – um defesa lateral chamado Isaac, o guarda-redes Chibante e, claro, Fernando Madureira, capitão de equipa, líder da claque SuperDragões do FC Porto e conhecido no mundo do futebol com a alcunha de “macaco”. “Havia outro, Bruno Ribeiro, conhecido por ‘Aranha’, mas foi detido recentemente por causa do caso de viciação de resultados com jogos do Oriental, Penafiel e Académico de Viseu”, na Operação Jogo Duplo.

Este árbitro que falou ao PÚBLICO viu as imagens televisivas da agressão ao seu colega e identificou aquilo que designa por “forma de actuação recorrente” por parte dos homens-forte da equipa do Canelas 2010. “Se reparar, o Marco começa por agredir um adversário. Face a essa agressão clara, o árbitro dirige-se para o atleta de forma a exibir-lhe o cartão vermelho e é logo abordado não pelo ‘orelhas’ mas pelo ‘macaco’. É sempre assim. É sempre ele que vem primeiro e começa com as ameaças – ‘olha que eu não seguro isto, olha que eu não aguento esta merda. Eles dão-te no focinho e depois não me venhas pedir ajuda. É melhor não expulsares’”.

Na boca deste árbitro, situações deste tipo são recorrentes. E aproveita para alertar para outro detalhe que é possível constatar nas imagens televisivas da agressão a José Rodrigues. “Se reparar, o agressor não foi logo agarrado. Mesmo com a polícia ali, a própria polícia tem consciência de que as coisas podem complicar-se. Nos jogos em casa do Canelas 2010 podem até vir pessoas das bancadas, entrarem em campo…”

Fonte: Público

terça-feira, 11 de abril de 2017

Fábio Veríssimo e Vanessa Gomes nomeados para competições internancionais

O árbitro português foi nomeado para a fase final do Euro 2017 de sub-17, que se disputará na Croácia. Vanessa Gomes, árbitra assistente, vai estar no Europeu feminino de sub-17. 

                                                                          
O árbitro português Fábio Veríssimo foi nomeado pela UEFA para apitar na fase final do Campeonato da Europa de sub-17, que se realizará na Croácia, de 3 e 19 de maio.
Em declarações ao fpf.pt, Fábio Veríssimo não escondeu o orgulho por esta nomeação e deixou claro que a meta é claramente continuar a dar uma boa imagem da arbitragem lusa: "É um momento de orgulho, mas também de responsabilidade. Trata-se de uma fase final de um Campeonato da Europa, ainda que de camadas jovens, e o objetivo principal é privilegiar a arbitragem portuguesa", referiu.
O internacional considera que esta nomeação é fruto da recente evolução na arbitragem portuguesa e deixa elogios à melhoria das condições de trabalho encontradas: "As condições melhoraram, temos todo o apoio da Federação Portuguesa de Futebol. Há evolução quase diária. O Conselho de Arbitragem, temos de referir, tem um projeto e as coisas têm vindo a melhorar. Esta nomeação acaba por ser uma vitória coletiva de toda a arbitragem portuguesa", adiantou.
O juiz confidenciou ainda o momento em que soube da sua nomeação internacional: "Foi antes do encontro entre GD Chaves e Vitória SC. O presidente do CA da FPF, José Fontelas Gomes, ligou-me para discutir aspetos técnicos sobre os critérios de desempate. Depois, de surpresa, contou-me a nomeação. Foi uma motivação extra para o jogo que penso foi um grande espetáculo", contou.
Fábio Veríssimo sublinhou ainda que esta notícia é o reconhecimento do valor da arbitragem nacional: "Somos mais valorizados lá fora do que dentro de portas. Acho que isso é uma constatação óbvia face aos últimos acontecimentos", finalizou.
Por sua vez, Vanessa Gomes, árbitra assistente, marcará presença no Europeu feminino de sub-17, que terá lugar na República Checa, que se disputará entre 2 e 17 de maio. A auxiliar, que pertence à AF de Lisboa, mostrou-se radiante por esta nomeação que diz ser a concretização de um sonho: "Fiquei muito contente e orgulhosa com esta notícia. É uma nomeação importante, pois todas nós queremos estar presentes numa fase final de um Campeonato da Europa, e posso dizer que é um sonho tornado realidade", salientou.
Para finalizar, Vanessa Gomes destaca a evolução que a arbitragem feminina tem sentido nos últimos tempos: "Há uma clara melhoria na arbitragem feminina, isso tem sido notório com nomeações de outras colegas internacionais. Acho que vem no seguimento desse bom trabalho e da imagem positiva que temos passado, quer em termos nacionais, quer internacionais. Nos últimos tempos temos vindo a ter melhores condições e isso tem sido importante para estarmos mais bem preparadas a todos os níveis. Por outro lado, esta nomeação também deve ser encarada como o resultado da aposta que foi feita nas próprias competições nacionais. A criação da Liga Allianz deu-nos maior visibilidade.", concluiu, em declarações à fpf.pt.

Fonte:FPF

domingo, 2 de abril de 2017

Árbitro José Rodrigues (AF Porto) agredido! (com vídeo)

O Sport Rio Tinto-Canelas 2010, da 3ª jornada da fase de subida da Divisão de Elite da Associação de Futebol do Porto, durou apenas alguns minutos. Recorde-se que a equipa da casa fez parte do boicote ao adversário na fase regular.
Neste domingo, em Rio Tinto, as duas equipas encontraram-se para um duelo que terminou da pior forma. Num dos primeiros lances do encontro, um jogador do Canelas (Marco Gonçalves) desentendeu-se com um adversário e recebeu ordem de expulsão.
O árbitro foi de imediato rodeado e foi agredido pelo mesmo jogador, Marco Gonçalves, caíndo no relvado. A partir daí não houve condições para o jogo continuar. Aliás, o árbitro teve de receber posterior tratamento hospitalar, já que fraturou o nariz.
A polícia entrou em campo para serenar os ânimos e acompanhou Marco Gonçalves na saída do retângulo de jogo.

Fonte: MaisFutebol