sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Olegário: «Fábio e Tiago juntos não têm 10 jogos na primeira categoria»

Fábio Veríssimo e Tiago Martins, os novos árbitros internacionais português, receberam as insígnias da FIFA nesta quinta-feira, em cerimónia realizada na sede da Federação Portuguesa de Futebol, tal como outros 29 árbitros (Marco Ferreira e Jorge Sousa não puderam comparecer). Uma das vagas para os estreantes foi concedida por Olegário Benquerença, que atingiu o limite de idade (a outra era de Pedro Proença, que retirou-se), e que no discurso de despedida deixou algumas recomendações. 

«O Tiago Martins e o Fábio Veríssimo representam o melhor de uma geração bem preparada, mas, por outro lado, também representam o pior daquilo que foram anos e anos de falta de planeamento e preparação do futuro. Hoje temos dois árbitros internacionais, consagrados enquanto tal, que juntos não têm 10 jogos de primeira categoria», sublinhou o árbitro, não se escusando de apontar o dedo aos responsáveis. 

«Isto não é culpa deles [Fábio Verissimo e Tiago Martins], mas de todo um modelo que num passado criou obstáculos a um rejuvenescimento. Agora peço, em nome deles, que tenham, para com eles, uma compreensão diferente da que têm para com os restantes porque vão ter que fazer o seu tirocínio arbitrado. Encarem-nos não ainda como internacionais, mas como estagiários internacionais», solicitou. 

O antigo árbitro internacional reforçou, ainda, que há muito trabalho pela frente, mas compreende que, dadas às especificidades do futebol português, não se possa atacar todas as batalhas em simultâneo. 

«O que está a falhar não é agora. O que terá falhado é todo um trabalho que devia ter sido feito há anos, inclusivamente com alguns dirigentes deste conselho. Isto deveria ter sido planificado de outra forma. Também reconheço que não é fácil atacar tantos fogos em simultâneo. Numa estrutura que ainda é semi-amadora não é fácil exigir que tudo se faça da mesma forma. Eventualmente esta terá sido uma preocupação menor», rematou.


Fonte: Mais Futebol

Benquerença: “Entidades devem punir pirómanos do nosso futebol”


Olegário Benquerença esteve presente, esta quinta-feira, na cerimónia de entrega das insígnias FIFA aos árbitros, na sede da Federação Portuguesa de Futebol.
O ex-juiz que anunciou recentemente a sua retirada do futebol profissional deixou uma mensagem bastante assertiva onde lamentou que se continue a “assistir a ataques cobardes e campanhas intimidatórias, comandadas e encomendas por pessoas que pensam atingir os seus objetivos com manobras criminosas e atentatórias”.
O ex-árbitro da AF de Leiria aconselhou a combater esta situação de forma inequívoca, uma vez que esta começa a alargar-se a vários clubes de futebol.
“Não é um problema do clube A ou B. A história tem mostrado que tais comportamentos se têm generalizado, sem que as entidades a quem compete punir severamente os pirómanos do nosso futebol tomem atitudes firmes e implacáveis na defesa da sua imagem”.
Para Benquerença a resolução do assunto está nas mãos das instâncias responsáveis pela arbitragem portuguesa.
“Urge tomar medidas ainda mais severas e dissuasoras destes comportamentos, sob pena de virmos a assistir, num futuro próximo, a alguma tragédia irreparável. Todos somos responsáveis. Contudo, a responsabilidade moral está nas mãos de quem, tendo o poder legislativo, se demite das suas obrigações e pactua por inação com o que temos vindo a assistir”.
Fonte: Sapo Desporto

Insígnias da FIFA para 33 árbitros portugueses

Portugal nunca teve tantos árbitros internacionais. Tiago Martins, de Lisboa, e Fábio Veríssimo, de Leiria, substituem Pedro Proença e Olegário Benquerença, retirados

Trinta e três árbitros de futebol portugueses receberam hoje as insígnias da FIFA 2015, o que constitui número recorde. Entre eles contam-se Tiago Martins e Fábio Veríssimo, que ocuparam as vagas de Olegário Benquerença e Pedro Proença.

Os jovens Tiago Martins, de 34 anos, de Lisboa, e Fábio Veríssimo, de 32, de Leiria, ascenderam assim à categoria de internacionais, juntando-se aos sete que já gozavam desse estatuto, Artur Soares Dias, Carlos Xistra, Duarte Gomes, Hugo Miguel, João Capela, Jorge Sousa e Marco Ferreira, e que receberam as insígnias do ano 2015.

A cerimónia decorreu na sede da FPF e o seu presidente, Fernando Gomes, sublinhou o facto de as insígnias da FIFA serem "sinónimo de qualidade, competência e isenção" dos árbitros de elite nacionais, aos quais lembrou a "responsabilidade de representarem o país e contribuírem para a melhoria do setor".

"Da parte da FPF e de mim próprio continuaremos a lutar por melhores condições para os árbitros e na defesa da arbitragem. A nível de formação investimos na Academia, cuja qualidade é internacionalmente reconhecida, e na profissionalização, à qual muitos já abraçaram", lembrou Fernando Gomes, que destacou o recorde de insígnias entregues aos árbitros portugueses.

O líder federativo realçou a ascensão a internacionais de Tiago Martins e Fábio Veríssimo, em quem disse "depositar grandes esperanças", a estreia da árbitro Ana Aguiar como internacional e a subida ao grupo de elite da árbitro Sandra Bastos.

Fonte: O Jogo

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Penálti do tamanho do Big Ben custa 33 mil euros a Mourinho

O português fez os comentários que lhe valeram a multa da federação inglesa depois do jogo contra o Southampton.

O treinador do Chelsea, o português José Mourinho, foi condenado a pagar uma multa de 25 mil libras (33 mil euros) por ter dito que havia uma "campanha" para influenciar as decisões dos árbitros contra a sua equipa.
O português fez os comentários que lhe valeram a multa da federação inglesa depois do jogo contra o Southampton, que terminou empatado, a 28 de dezembro. Mourinho reclamava a propósito de uma grande penalidade que não foi assinalada.
Mourinho contestou a multa, mas a comissão independente da federação considerou os comentários "impróprios", embora tenha reconhecido que o treinador não disse que havia parcialidade por parte dos árbitros.

Fonte: DN Desporto

Portugal tem trinta e três árbitros internacionais

A arbitragem portuguesa bateu mais um recorde. Este ano são 32 os árbitros portugueses com as insígnias FIFA, mais dois do que no ano passado. Ainda assim, no que aos árbitros principais de futebol masculino diz respeito, há menos um nome, mas há duas alterações. 
Pedro Proença, que terminou recentemente a carreira, e Olegário Benquerença, que atingiu a idade de árbitro internacional, saíram desta lista para a qual entrou Tiago Martins. 
A cerimónia de entrega das insígnias, pelas mãos dos elementos do Conselho de Arbitragem, vai ter lugar no auditório Manuel Quaresma da sede da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), na próxima quinta-feira, às 18h00. 

Lista dos árbitros internacionais

Futebol masculino:
 
Artur Soares Dias 
Carlos Xistra 
Duarte Gomes 
Hugo Miguel 
João Capela 
Jorge Sousa 
Marco Ferreira 
Tiago Martins 

Fábio VeríssimoÁlvaro Mesquita (assistente) 
António Godinho (assistente) 
Bertino Miranda (assistente) 
Luís Campos (assistente) 
Nélson Moniz (assistente) 
Nuno Pereira (assistente) 
Paulo Soares (assistente) 
Ricardo Santos (assistente) 
Rui Licínio (assistente) 
Tiago Trigo (assistente) 
  

Futsal:
Eduardo Coelho
Miguel Castilho
Nuno Borralho
Rúben Guerreiro

Futebol feminino:
Ana Aguiar
Sandra Bastos
Sílvia Domingos
Ana Teixeira (assistente)
Maria João Freire (assistente)
Olga Almeida (assistente)
Vanessa Gomes (assistente)

Futebol de Praia:
António Almeida
José Fontelas Gomes
Sérgio Soares

Fonte: Mais Futebol

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Olegário Benquerença: "Críticas à arbitragem? Se conseguem fazer melhor, experimentem"

O árbitro Olegário Benquerença esteve na 9ª Gala Desportiva da Mealhada e não poupou nas críticas a todos aqueles que defendem que a arbitragem portuguesa tem pouca qualidade.
"Se acham que são capazes de fazer melhor, há espaço, a arbitragem portuguesa é deficitária, podem experimentar. Podemos estar a perder futuros 'Pedros Proenças'", referiu.
Benquerença comentou ainda os acontecimentos do último fim de semana: "Não tenho prazer nenhum em ser criticado e andar a ser alvo, como sucedeu este fim de semana com árbitros, de ameaças de morte à família. Quem aqui é pai ou mãe que imagine a sensação de saber que, junto da vossa casa, estão energúmenos a pressionar a vossa família, a ameaçar de morte os vossos filhos".
Fonte: Sapo Desporto

UEFA não avança para a tecnologia da linha de golo

A UEFA não tenciona utilizar a tencologia da linha de golo nos próximos anos, segundo anunciou esta segunda-feira Gianni Infantino, secretário geral do organismo que rege o futebol europeu.

"A UEFA quer ajudar os árbitros, mas essa tecnologia apenas é usada em Inglaterra e, na próxima temporada, em Itália. Preferimos usar os recursos que seriam necessários noutras coisas", referiu Infantino após a reunião do Comité Executivo.

Ao contrário, Infantino preferiu realçar a aposta nos árbitros de baliza: "34 federações recorreram aos cinco árbitros, como já existem nas provas da UEFA. Os estudos mostram que, com a presença dos árbitros de baliza, os juizes principais cometem menos erros".

Fonte: Record

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Vídeo: Jogador ucraniano atende telemóvel a meio de um jogo

É surreal, mas é verdade. Oleh Makarov, defesa do Enerhiya Nova Kakhovka, da segunda divisão ucraniana, atendeu o telemóvel durante o jogo amigável frente ao Olimpik Donetsk. 

Além disso, durante o encontro, que a sua equipa acabou por perder (1-2), Makarov foi consultando frequentemente o telemóvel.

Veja:



Fonte: Mais Futebol

AF Setúbal lança o Cartão Branco / FairPlay

As fases finais de seis campeonatos distritais da Associação de Futebol de Setúbal, nos escalões de benjamins e infantis, vão marcar o arranque da instituição, a nível nacional, do Cartão Branco/Fairplay. 
A Associação de Futebol de Setúbal em parceria com o PNED - Plano Nacional de Ética no Desporto/IPDJ, a CAJAP - Confederação das Associações de Juízes e Árbitros de Portugal, a APAF – Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol, e com o apoio da Coca-Cola, irão no próximo mês de março lançar o projecto piloto do Cartão Branco/Fairplay e os prémios Fairplay. 

O cartão será aplicado nos jogos das fases finais dos campeonatos distritais dos escalões mais jovens de futebol de 7 e futsal.

Este cartão pedagógico, que visa enaltecer condutas eticamente corretas, será mostrado pelos árbitros aos atletas, dirigentes e demais agentes desportivos bem como aos espetadores. 

O Cartão Fairplay será igualmente testado durante este ano pelas Federações do Patinagem e de Andebol em torneios juvenis.

Fonte: AF Setúbal

Presidente da APAF: "Reflitam sobre o que estão a fazer ao futebol"

João Fontelas Gomes espera que as ameaças de adeptos do FC Porto a João Capela, na Madeira, e os atos de vandalismo verificados no muro da residência de Cosme Machado tenham sido situações "pontuais". O dirigente da APAF reconheceu, porém, que a proteção das forças de segurança "tem sido exemplar".
As ameaças levadas a cabo por adeptos do FC Porto ao árbitro João Capela, enquanto este jantava no sábado à noite num restaurante da Ribeira Brava, na Madeira, e os atos de vandalismo que se verificaram no muro da residência do árbitro Cosme Machado, onde foram escritas frases insultuosas, deixaram o presidente da Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF) preocupado. Em entrevista à Antena 1, José Fontelas Gomes fez votos para que tenham sido situações "pontuais". "É importante que as pessoas voltem àquilo que tem sido a postura dos últimos meses", propôs.

O líder da APAF garantiu ainda que nenhuma dessas "situações" irá influenciar o trabalho dos árbitros. "Não vão condicionar os árbitros. Espero que reflitam sobre o que estão a fazer ao futebol", referiu, lamentando ao mesmo tempo que algumas provocações atinjam a vida privada dos agentes da arbitragem. "Estamos atentos a estas situações e em total sintonia com as forças de segurança pública", comentou. José Fontelas Gomes reconheceu, porém, que a proteção das forças de segurança "tem sido exemplar".

Fonte: O Jogo

Golo-fantasma agita Itália

A jornada em Itália ficou marcada por um golo fantasma no Sampdoria-Palermo. Ou, dito de outra forma, por uma bola que ultrapassou a linha de baliza mas não foi considerada golo. 

Tudo aconteceu aos 55 minutos, quando um remate de Morganella bateu Viviano, guarda-redes da Sampadoria. O lance foi rápido, o auxiliar estava bem colocado, mas o árbitro decidiu mandar jogar, apesar do espanto dos jogadores do Palermo. O jogo acabou 1-1, mas é evidente que o resultado deveria ter sido outro. 


No final da partida até o treinador da Sampdoria, o temperamental Sinisa Mihajlovic, foi claro. «É evidente que foi golo», afirmou, para acrescentar a seguir que «a tecnologia na linha de baliza é urgente, como forma de ajudar os árbitros». O discurso do treinador do Palermo, Giuseppe Iachini, foi no mesmo sentido: «Ter mais árbitros ajuda, mas nestas situações só a tecnologia poderia auxiliar», disse. 

Já o presidente do Palermo, Mauricio Zamparini, prefeiru fazer algumas contas: «Ter árbitros de baliza custa 1,3 milhões de euros por época, o que significa que em três anos teríamos o dinheiro suficiente para equipar os clubes da Serie A com tecnologia de linha de golo», afirmou.


Fonte: Mais Futebol

Residência de árbitro Cosme Machado vandalizada


Cosme Machado, árbitro que dirigiu na quarta-feira o jogo da Taça da Liga entre Sporting de Braga e FC Porto, que terminou 1-1, viu o muro da sua residência ser vandalizado durante este fim de semana.

Segundo o Conselho de Arbitragem da FPF, o “muro da residência do árbitro da Associação de Futebol de Braga Cosme Machado foi vandalizado com a inscrição de frases insultuosas”. 

Recorde-se que também no fim de semana o árbitro João Capela terá sido ameaçado no Funchal. “As autoridades policiais estão a acompanhar as ocorrências. O CA da FPF repudia estes atos e manifesta total confiança nos árbitros”, sublinha o Conselho de Arbitragem.


Fonte: Relvado

APAF condena ameaças ao árbitro João Capela no Funchal

A Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF) condenou hoje as ameaças ao árbitro lisboeta João Capela por adeptos do FC Porto, no sábado, no Funchal.
“A APAF vem, por este meio e uma vez mais, repudiar todo e qualquer ato de violência ou intimidação contra qualquer agente desportivo. Este tipo de situações, infelizmente recorrentes, em nada se coaduna com os valores do futebol, devendo ser denunciadas e banidas definitivamente do panorama futebolístico nacional”, pode ler-se numa nota publicada na página oficial do Facebook da entidade.
O Conselho de Arbitragem (CA) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) confirmou hoje à Lusa que o árbitro lisboeta João Capela foi alvo de ameaças por adeptos do FC Porto, no sábado, no Funchal.
Questionada pela agência Lusa, na sequência de uma notícia na edição 'online' do Diário de Notícias, uma fonte do CA da FPF confirmou que João Capela “foi alvo no sábado de ameaças à integridade física por parte de adeptos do FC Porto, quando jantava com a sua equipa num restaurante do Funchal”, onde o árbitro dirigiu hoje o encontro entre Marítimo e FC Porto, que terminou com a vitória da formação madeirense, por 1-0.
Além da ocorrência registada na Madeira, a fonte do CA da FPF deu ainda conta à Lusa de que, este fim-de-semana, o “muro da residência do árbitro da Associação de Futebol de Braga Cosme Machado foi vandalizado com a inscrição de frases insultuosas”.
O árbitro bracarense dirigiu na quarta-feira o jogo da Taça da Liga entre Sporting de Braga e FC Porto, que terminou 1-1.
“A bem do futebol e do desporto, é imperativo que todos, jogadores, técnicos, dirigentes e árbitros, reforcem a postura que imperou nos últimos meses, de correção, fair play e desportivismo a fim de, todos juntos, contribuirmos para um futebol melhor”, concluiu a nota da APAF.
Fonte: DN

domingo, 25 de janeiro de 2015

João Capela ameaçado no Funchal por adeptos do FC Porto

João Capela foi ontem alvo da fúria de um grupo de adeptos do FC Porto que interpelou o árbitro lisboeta num restaurante no Funchal com críticas e ameças ao trabalho da sua equipa de arbitragem.
Segundo escreve o Diário de Notícias, João Capela e os seus auxiliares Ricardo Santos e Tiago Rocha, bem como o quarto árbitro Ricardo Baixinho, estavam a jantar num restaurante situado numa das zonas mais turísticas do Funchal quando um grupo de adeptos afetos ao FC Porto terá interpelado os árbitros com críticas às prestação da equipa de arbitragem nos jogos com o Benfica. O clima de ameças terá aumentado o que levou à intervenção da polícia no local onde foi identificado um adepto mais exaltado do grupo.
De acordo com o referido jornal, os árbitros foram abordados no final do jantar por um grupo de 20 adeptos do FC Porto que jantavam na mesa ao lado. A troca de palavras acesas e o clima de ameaça iminente obrigaram mesmo à intervenção da polícia que acabou por identificar um dos adeptos no local. João Capela foi recordado do jogo da 14ª jornada entre Benfica e Gil Vicente que terminou com a vitória dos encarnados com um golo irregular de Nico Gaitán. Os adeptos do FC Porto demonstraram desagrado pelas prestações da equipa de João Capela que esta temporada já apitou dois jogos do Benfica.
Recorde-se que João Capela foi nomeado para o jogo desta noite entre Marítimo e FC Porto.
Fonte: Sapo Desporto

sábado, 24 de janeiro de 2015

Árbitros C2 reunidos Ação Intermédia em Tomar


A 2ª Ação Regulamentar de atualização e avaliação para árbitros C2 realizou-se hoje, em Tomar.
No período da manhã, os árbitros C2 cumpriram exemplarmente as provas físicas e, logo depois do almoço, efetuaram um teste escrito.
Seguiu-se, no programa, uma intervenção da secção de classificações do CA e a sessão técnica “Árbitros C2 em Movimento”, onde os árbitros tiveram a oportunidade de analisar jogos em que participaram.Também teve lugar uma intervenção da secção não-profissional do Conselho de Arbitragem. 
No encerramento, que também contou com a presença do Presidente da APAF, o diretor do Curso, Paulo Costa, agradeceu a todos os participantes o empenho e o comportamento exemplar que adotaram no decurso da ação.
Já Vítor Pereira, Presidente do Conselho de Arbitragem da FPF,  felicitou os árbitros pelos resultados que alcançaram nas provas realizadas. O dirigente enalteceu, ainda, os bons desempenhos que os árbitros têm vindo a fazer nos jogos e desejou felicidades a todos os participantes.

Fonte: FPF

Pedro Proença: o adeus de um árbitro diferente

Naquela noite de finais dos anos 80 eram cerca de 30 os alunos que iam ser avaliados pelos monitores do curso de árbitros da Associação de Futebol de Lisboa. 

Em grupos de três, iam arbitrar um jogo de treino dos juniores do Atlético, no campo de treinos do clube de Alcântara, em Lisboa. Um deles, o mais novo de todos, era Pedro Proença. 

«É extraordinário, temos árbitro. É raro aparecer um tipo como este», comentavam os monitores do banco de suplentes, impressionados com a segurança de árbitro batido daquele rapaz de 17 anos. 


Pedro Proença fotografado no dia do primeiro jogo como árbitro, em 1988 

Proença, que na altura jogava andebol no Benfica (antes tinha passado pelo Sporting), distinguia-se dos colegas de curso também pela condição física. 

«Era um grande atleta, com condições físicas extraordinárias, mas também era muito inteligente. Às vezes, no curso, punham-nos problemas do arco-da-velha. A bola que furava a caminho da baliza, por exemplo. Ele conseguia sempre encontrar uma lei que se enquadrasse na jogada. Era muito rápido a analisar as situações e a decidir. E decidia bem», recorda à MF TOTAL o jornalista João Matias, que tirou o curso de arbitragem com Pedro Proença. 

O ex-árbitro Pedro Henriques destaca a sua competitividade. «Somos mais ou menos da mesma geração e fizemos alguns cursos juntos. Éramos os árbitros mais rápidos e competíamos entre nós nas provas de 50, 100 e 200 metros. Os tempos? Seis segundos aos 50, 11 e tal aos 100 e 24 segundos aos 200 metros. 

Pedro Henriques conta que Proença não só tinha jeito para o apito, mas também para jogar futebol. «Costumávamos organizar algumas peladinhas e ele era muito bom jogador. E não gostava nada de perder. Era muito competitivo.» 

«Metódico, rigoroso e ambicioso», são alguns traços de personalidade que lhe identificam quem o conhece. 

Características que o ajudaram a subir na carreira. 



Antonino Silva foi um dos primeiros árbitros a trabalhar com Proença. «Foi meu assistente de 1989/90 a 90/91, quando eu estava na terceira categoria», conta à MF TOTAL o agora vice-presidente do Conselho de Arbitragem da FPF. «Sempre foi muito rigoroso. Não falhava um treino e, já na altura, estava bem referenciado.» 

Antonino Silva fala ainda de alguém estudioso e com uma «vontade imensa de aprender». «Quando íamos para os jogos, ele levava sempre um dossiê com as leis do jogo. Quando não era ele a conduzir, ia constantemente a massacrar-nos com isso durante viagens que chegavam a durar três horas. Tinha uma vontade imensa de aprender.» 

Árbitro desde 1988, Proença chegou à primeira categoria dez anos depois. Antes, porém, cumpriu a trajetória obrigatória a todos os árbitros: desde o primeiro jogo, no pelado do Damaiense (ver primeira foto do artigo), até ao último, a 20 de dezembro, no jogo de atribuição do terceiro e quarto lugares no Mundial de Clubes, em Marrocos. 
  
Momentos de tensão de um árbitro benfiquista assumido 

Durante mais de 20 anos, Proença passou pelo melhor – foi o primeiro árbitro a dirigir no mesmo ano (2012) as finais da Liga dos Campeões e do Campeonato da Europa – mas também pelo pior. Em agosto de 2011, foi agredido no Centro Comercial Colombo por um adepto do Benfica. Ficou sem dois dentes. «Podemos cair e ir ao tapete, mas nunca nos vencerão», reagiu o árbitro na sua página do Facebook

Alguns meses depois, em março de 2012, esteve no centro da polémica num Benfica-FC Porto, ao não assinalar um fora de jogo a Maicon no lance que deu aos portistas a vitória por 3-2 e a liderança isolada do campeonato à 21ª jornada do campeonato. «O senhor Proença que deixe de arbitrar jogos do Benfica, se ele se sente condicionado. Era um favor que prestava a todos os benfiquistas e ao futebol», reagiu Luís Filipe Vieira. 

O presidente dos encarnados referia-se ao facto de ser público que o árbitro era adepto do Benfica, situação que, entendia o dirigente, podia condicioná-lo. 

Em novembro, em entrevista ao jornal Record, teceu duras críticas ao Conselho de Arbitragem (CA). «Está instalado o caos», disse, acrescentando que a saída de Vítor Pereira da presidência do organismo seria «quase inevitável». «Essa situação foi ultrapassada. Ficou tudo esclarecido e já faz parte do passado. A arbitragem portuguesa ficou, a partir de hoje, muito mais pobre», diz o vice-presidente do CA, Antonino Silva. 

Em dezembro passado, Proença ficou de fora da final do Mundial de Clubes, entre Real Madrid e San Lorenzo, alegadamente por pressões do presidente do clube argentino. «É o momento de dar o lugar aos outro», desabafou na chegado ao aeroporto de Lisboa. 



«Vai fazer falta à arbitragem», comenta Quim em conversa com a MF TOTAL. O veterano guarda-redes, campeão nacional pelo Benfica em 2005 e em 2010, foi, talvez, um dos jogadores que mais horas passou com o antigo árbitro dentro de campo. Recorda Proença como um árbitro «diferente». «Há árbitros que não aceitam sequer um diálogo, mas o Pedro aceitava e, se fosse preciso, até justificava as situações. Tratava-nos com respeito, ao ponto de chamar ‘querido’ a toda a gente», diz entre risos. 
  
O adeus e o futuro 

Pedro Proença colocou esta quinta-feira, 22 de janeiro, um ponto final na carreira, exactamente uma semana após ter sido eleito o árbitro do século na Gala Quinas de Ouro, organizada no âmbito do centenário da Federação Portuguesa de Futebol. 



«Deixo uma imagem de profissionalismo, competência e credibilidade perante todos os agentes desportivos com os quais me cruzei ao longo de todo este tempo. Mesmo reconhecendo que possa ter errado em decisões dentro do campo e sofrendo com esses mesmos erros, estou consciente que tudo fiz no sentido de aperfeiçoar as minhas capacidades e o meu desempenho, num espírito sempre de superação a cada jogo, tentando deste modo contrariar a inevitabilidade do erro humano. (...) Fui um privilegiado», disse numa conferência de imprensa à qual marcaram presença nomes como Luís Filipe Vieira, Bruno de Carvalho, Fernando Gomes e Luís Duque. 

Diretor financeiro de uma empresa de resíduos com sede em Leiria, Proença acrescentou que é a isso (e à docência académica) que vai dedicar-se, não enjeitando, porém, a possibilidade de integrar projetos ligados à arbitragem. «Darei o meu contributo à arbitragem sempre que for solicitado.» 

Certo é que oportunidades não lhe faltam. A nível nacional, mas também internacional. Recentemente, na Conferência Football Talks, organizada no Estoril, Pierluigi Collina afirmou que o ex-árbitro português tem as portas abertas na UEFA. «Em março vai haver a nomeação dos novos membros do Comité da UEFA. Acredito que o futuro dele pode passar por aí. Se não for, penso que vai continuar ligado ao futebol. Ele não vai aguentar estar muito tempo afastado do futebol», preconiza Pedro Henriques. 

Até já, senhor árbitro.


Fonte: Mais Futebol

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Vídeo: árbitro parte nariz a jogador

O árbitro do jogo entre o Barendrecht e o Scheveningen, dois clubes amadores holandeses, atingiu acidentalmente um jogador partindo-lhe o nariz. A situação insólita entre o juiz da partida e Mitchell van Gastel, do Barendrecht, ficou registada no seguinte vídeo:



Fonte: Mais Futebol

Vídeo: Pedro Proença "Acho-me com capacidade para abrir alguns horizontes"

Pedro Proença anuncia hoje o fim da carreira como árbitro de futebol. O juiz de Lisboa falou com a SIC sobre a decisão de abandonar e da vontade de ajudar na remodelação do futebol português e para isso estaria disposto a assumir o papel de dirigente, seja na área da arbitragem ou mesmo noutra área do futebol. Uma entrevista para ver na íntegra, hoje no Jornal da Meia-Noite da SIC Notícias.


Veja AQUI o vídeo.

Fonte: SIC

Pedro Proença anuncia hoje o fim da carreira


Pedro Proença, o mais mediático e reconhecido árbitro português e que já foi considerado o melhor do Mundo pela Federação Internacional de História e Estatísticas do Futebol, vai anunciar hoje o fim da carreira.

O anúncio será feito às 14.30, em conferência de imprensa, a realizar na sede da Federação Portuguesa de Futebol, em Lisboa.

O árbitro já tinha manifestado a vontade de abandonar os relvados no último Campeonato do Mundo, no Brasil, voltando a abordar o tema antes do Mundial de Clubes, realizado em Marrocos no final de 2014, onde participou.

Pedro Proença nasceu em Lisboa (a 3 de Novembro de 1970) e passou parte da infância na Pontinha, com os pais e os dois irmãos. No Liceu Camões destacava-se pelo empenho nas actividades físicas, fosse futebol, atletismo ou andebol.

Aos 18 anos, quando jogava andebol no Sporting, decidiu abandonar a carreira desportiva e candidatou-se à Universidade. E foi quando frequentava a licenciatura em Gestão de Empresas que um amigo o levou a experimentar a arbitragem em 1988/89.

Esteve vários anos na III divisão e como não conseguia subir pensou em desistir, mas não o fez e em 2000/01 é promovido à I categoria, chegando a árbitro internacional em 2003/04.

O futuro de Pedro Proença, que foi eleito o melhor árbitro do século na gala Quinas de Ouro da FPF, poderá agora passar pela UEFA. O árbitro português pode ocupar um dos 12 lugares no Comité de Arbitragem da organização, que terá novos membros a partir de Março.

O tema foi abordado entre o actual presidente do comité de arbitragem da UEFA, Pierluigi Collina, e Pedro Proença durante a Gala Quinas de Ouro.

O antigo árbitro italiano, fez saber a Pedro Proença que conta com ele no próximo comité de arbitragem da UEFA, o que constitui um apoio importante tendo em conta que Collina vai continuar a ser o responsável máximo pela arbitragem europeia após o acto eleitoral.

Pontos altos da carreira

Apitou a final do Euro de Sub-19 (2004), a final do Euro2012 e a final da Liga dos Campeões do mesmo ano, no qual foi considerado o melhor árbitro do mundo (IFFHS). Participou na Taça das Confederações (2013), no Mundial do Brasil e no Mundial de Clubes (2014) e recebeu o galardão de árbitro do século da FPF.

Fonte: Sábado

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Pedro Proença eleito árbitro do século da FPF

O árbitro lisboeta concorria ao troféu de melhor árbitro do século com António Garrido e Vítor Pereira.
Pedro Proença foi considerado esta quarta-feira o melhor árbitro do século da Federação Portuguesa de Futebol que em 2014 celebrou o seu centenário.
Na entrega do prémio no Casino Estoril, o árbitro de 43 anos recebeu o prémio das mãos do italiano Colina.
"É obviamente uma honra receber o prémio, mas não posso esquecer o António Garrido e o Vítor Pereira. É uma geração que teve de cortar com muitos estigmas e este prémio é dedicado a todos os árbiros. Este prémio é ainda dedicado ao Colina pois foi muito importante na arbitragem", afirmou Pedro Proença.
Fonte: Sapo Desporto