quinta-feira, 30 de abril de 2009

UEFA: Árbitros no centro das atenções

Árbitros de maior experiência e outros mais jovens vão estar no centro das atenções durante esta semana, na Suíça, onde se realizam dois cursos organizados pela UEFA, um para árbitros de créditos firmados e outro para jovens talentos da arbitragem.
Seminário inaugural
O primeiro seminário para árbitros de Categoria 2 da UEFA já começou e decorrerá até quarta-feira. Conta com as presenças de juízes com provas dadas, que possuem larga experiência, e árbitros recém-chegados à lista de internacionais da FIFA, que vão, gradualmente, ganhando experiência ao dirigir encontros internacionais das principais competições, como, por exemplo, da Taça UEFA.
Agenda preenchida
O curso para árbitros de Categoria 2 inclui um teste físico, análises de situações de jogo através de vídeo, uma revisão sobre as instruções dadas recentemente aos árbitros da UEFA, como lidar com o sucesso e a decepção, e assuntos de ordem administrativa da UEFA. Membros do Comité de Arbitragem da UEFA – todos eles antigos árbitros internacionais – estarão à disposição para ajudar os juízes mais jovens, tal como a habitual equipa técnica dos árbitros, encabeçada pelo belga Werner Helsen, especialista em treino físico.
Ideias-chave
´A segunda categoria para árbitros da UEFA é importante, pois necessitam de passar por ela para chegarem ao nível mais elevado´, lembrou aos árbitros o vice-presidente da UEFA e presidente do Comité de Arbitragem da UEFA, Angel María Villar Llona. ´Vocês têm muita experiência internacional. Precisamos dela e a UEFA quer estar em permanente contacto convosco. Vemo-los no campo, mas queremos também que falem connosco e transmitir-vos as nossas ideias-chave´. Os debates serão realizados em grupos e discussões plenárias.
Instruções e conselhos
O Comité de Arbitragem da UEFA aproveita esta oportunidade para fazer passar instruções, informações e conselhos reunidos a partir de vários cursos de árbitros internacionais levados a cabo nos últimos meses. Entre as instruções transmitidas incluem-se a necessidade da uniformidade nos critérios de decisão, a protecção dos jogadores face a entradas demasiado violentas e a tomada de medidas rigorosas face às simulações.
Talentos e mentores
No final da semana, os jovens árbitros europeus irão até Nyon para o 9º Seminário da UEFA para Talentos e Mentores de Árbitros e Assistentes. Uma das principais iniciativas das actividades de desenvolvimento do programa de arbitragem da UEFA tem sido o sistema de talentos e mentores, onde jovens árbitros promissores são acompanhados e recebem o aconselhamento de antigos juízes internacionais mais experientes. Este programa encontra-se em actividade desde 2001 e já deu frutos, pois, desde então, vários jovens árbitros foram responsáveis por arbitrar jogos europeus ao mais alto nível. Este seminário conta com a realização de uma sessão de treino prático, assim como uma apresentação sobre os elementos mentais do trabalho de equipa, assuntos relacionados com o observador de árbitros e uma revisão das directrizes para os árbitros da UEFA.
In: UEFA

RefereeTip na Revista Futebolista

Entrevista efectuada pela revista "Futebolista" e publicada na edição de Maio, actualmente nas bancas.

Árbitro da Final da Taça de Portugal...já se falam em nomes!

Os árbitros portuenses Paulo Costa e Jorge Sousa são os nomes que se colocam na linha da frente para a final da Taça de Portugal, a disputar entre FC Porto e Paços de Ferreira, dois clubes da associação (Porto) a que pertencem aqueles juízes de campo.
O regulamento apenas não permite que um árbitro apite, na Taça de Portugal, um jogo que envolva um clube da sua associação e outro de uma associação diferente. Por isso, este ano teoricamente todos os árbitros do quadro principal são candidatos a uma desejada presença no Jamor mas o facto de a final ser disputada por dois clubes do Porto pode abrir caminho a um árbitro desta associação.
Paulo Costa está a um ano do fim da sua carreira e a presença na final da Taça de Portugal seria um prémio para um já longo percurso, no qual conta uma final desta competição, na época de 2004/2005, num jogo que o Vitória de Setúbal ganhou ao Benfica.
Quanto a Jorge Sousa, na última época árbitro do ano, nunca apitou qualquer final taceira. Entre os árbitros no ativo, Lucílio Baptista é aquele que mais finais da Taça apitou (3) enquanto Olegário Benquerença soma duas presenças no Jamor. Duarte Gomes, Pedro Proença e Pedro Henriques também já registaram presenças no derradeiro jogo da denominada festa do futebol.

in: Record

Sondagem: Árbitros estrangeiros no campeonato português

RefereeTip apresenta os resultados de uma sondagem que realizou durante o passado mês. Após uma votação que contou com 166 participantes são estes os resultados:


"Concorda com a chamada de árbitros estrangeiros para dirigir jogos da LPFP?"

Não, nunca: 94 votos (56%)

Sim, pontualmente: 36 votos (21%)

Sim, sempre: 36 votos (21%)

Vitor Pereira e Prof. João Dias em conferência no Canadá

O presidente da Comissão de Arbitragem (CA) da Liga, Vítor Pereira, vai participar numa conferência e dirigir dois seminários sobre arbitragem na cidade de Vancouver, no Canadá, entre 01 e 03 de Maio.
Entre os temas a debater na conferência estão métodos e técnicas de treino integrados, gestão de recursos humanos em ambientes de pressão efectiva e consistência técnica e disciplinar ao longo do jogo e da carreira.
A conferência é organizada pela Universidade de Capilano e pela British Columbia Soccer Association, destina-se a árbitros, treinadores, estudantes e conta, ainda, com a participação de João Dias, coordenador dos centros de treino do Gabinete de Aperfeiçoamento Técnico da Comissão de Arbitragem da Liga.
in: O Jogo

Árbitro reconhece erro a favor do United

Perdia o Manchester United por 2-0 com o Tottenham, em Old Trafford, na última ronda da Liga inglesa, quando, ao minuto 57, o árbitro Howard Webb assinalou uma grande penalidade a favor dos red "devils". Falsa, como logo pareceu e depois se confirmou pela repetição das imagens televisivas. O juiz também já as viu e reconhece o lapso.
«Acho que foi um erro, mas tomamos estas decisões de forma honesta», disse, acrescentando nem sempre ser «fácil verificar como a jogada decorre a nível do relvado».
Em declarações à imprensa inglesa, Webb, antigo polícia, explicou de que forma ajuizou o caso: « Pude ver o jogador do Manchester United (Carrick) tocar a bola, e depois vi-o ser derrubado pelo guarda-redes (Gomes), mas não consegui observar o desvio extra que a bola sofreu por ter sido tocada pelas mãos do guarda-redes».
Muito protestado pelos jogadores do Tottenham, o castigo máximo permitiu a Ronaldo reduzir a desvantagem do bicampeão inglês, que daí partiu rumo a uma reviravolta imponente, que acabou numa vitória por 5-2.
Howard Webb afirma-se «desiludido, porque diz buscar «sempre a perfeição», e garantiu que o erro se deveu à condição humana, logo, errante, do homem.
«Nunca quero ter um impacto negativo no jogo, e não tenho qualquer prazer em não alcançar os níveis de qualidade que colocamos a nós mesmos. Mas mostrem-me um homem que nunca errou e eu mostro-vos um homem que nunca fez nada.»
in: Destak

quarta-feira, 29 de abril de 2009

XV Encontro Nacional de Antigos Árbitros

O XV Encontro Nacional de Antigos Árbitros irá realizar-se no próximo dia 14 de Junho no Restaurante D. Nuno, Quinta dos Penedos, Estrada de Minde, 326 - Boleiros – Fátima.Para mais informações deverá contactar a APAF.

segunda-feira, 27 de abril de 2009

No Brasil... mais uma simulação fantástica...

O árbitro internacional brasileiro Carlos Eugénio Simon foi iludido por uma das piores simulações de sempre e teve influência no desfecho da primeira-mão da final do Campeonato Cearense.
O Fortaleza esteve a vencer por 1-0, mas sofreu o golo do empate na conversão da polémica grande penalidade, e acabou mesmo por perder 2-1. O lance chega a ser cómico, dado que o defesa mantém uma boa distância do avançado.
Acontece...

Entrevista de Luís Guilherme à Antena 1

Clique na imagem para ver a entrevista de Luís Guilherme:

Árbitros portugueses iniciam curso UEFA

Os árbitros internacionais portugueses Bruno Paixão (AF Setúbal), Duarte Gomes (AF Lisboa) e Jorge Sousa (AF Porto) iniciam hoje a sua presença no Curso para Árbitros da Categoria 2 - UEFA que se realiza na Suíça, até ao dia 29.

sexta-feira, 24 de abril de 2009

Olegário em jogo decisivo da Champions ou Taça UEFA

O árbitro internacional Olegário Benquerença encontra-se nomeado para dirigir um dos jogos da 2ª mão das meias-finais da Liga dos Campeões ou da Taça UEFA que se realizam entre 5 e 7 de Maio.
O árbitro leiriense far-se-á acompanhar pelos árbitros assistentes José Cardinal e Bertino Miranda, sendo o quarto árbitro, Jorge Sousa.
Arsenal - Manchester United e Chelsea - Barcelona (Liga dos Campeões) e Shakhtar Donetsk - D. Kiev e Hamburgo Werder Bremen (Taça UEFA) são os jogos que poderão ter arbitragem portuguesa.
in: A Bola

quarta-feira, 22 de abril de 2009

Olegário Benquerença na Taça do Qatar

Olegário Benquerença irá viajar na próxima terça-feira para o Qatar, onde arbitrará um jogo relativo às meias-finais da Taça Nacional.
O árbitro leiriense foi nomeado para dirigir o encontro de hoje entre Nacional e Paços de Ferreria, na segunda mão das meias-finais da Taça de Portugal, mas para a 26ª jornada da Liga Sagres não foi nomeado pela Comissão de Arbitragem da LPFP.
Para a partida do Qatar, Olegário Benquerença terá a companhia de José Cardinal (AF Porto) e Bertino Miranda (AF Porto), que irão repetir a experiência de Dezembro passado.

Porto - Manchester United: O árbitro não viu esta agressão...


Nomeações para 26ª jornada da Liga Sagres e Liga Vitalis


Apanha-bolas faz assistência para golo

Um caso polémico está a dar que falar em Israel depois de um apanha-bolas ter feito uma «assistência» para golo da sua equipa. Tudo aconteceu no decorrer de um jogo da segunda divisão israelita entre o Hapoel Haifa e o Bnei Lod.
Com o resultado em branco, a equipa de Haifa ensaiava um ataque pelo flanco esquerdo com uma bola em profundidade, mas o guarda-redes do Bnei Lod antecipou-se e foi até junto da linha lateral cabecear a bola para fora e, assim, anular o lance.
No entanto, assim que a bola saiu, o apanha-bolas, de seu nome Ofek Mizrachi, assistiu o avançado da equipa da casa com uma nova bola, permitindo que o jogador fizesse o lançamento para um companheiro fazer golo, quando o guarda-redes adversário ainda regressava à baliza, convencido que tinha tempo suficiente para recuperar a posição entre os postes.
Um lance legal, mas polémico, que só não deu mais «barulho» porque os visitantes acabaram por virar o jogo e venceram por 2-1, para tristeza do simpático Ofek Mizrachi.

terça-feira, 21 de abril de 2009

Sandra Bastos inicia participação na fase de apuramento do Europeu Feminino Sub-19

A árbitra lusa Sandra Bastos e a árbitra assistente Maria João Freire iniciam amanhã a sua participação nos encontros do Grupo 2 de apuramento para o Campeonato da Europa Feminino Sub-19.
Os jogos deste grupo serão disputados entre as formações da Áustria (país anfitrião da eliminatória), Noruega, Bélgica e Ucrânia, de 22 a 29 de Abril.
Recorde-se que Portugal integra o Grupo 3 desta segunda pré-eliminatória, juntamente com França, Azerbaijão e País de Gales

Pedro Proença nomeado para Europeu de Sub-21

O árbitro internacional português, Pedro Proença, foi nomeado pela UEFA para marcar presença no Campeonato da Europa Sub-21, que terá lugar entre os dias 15 e 29 de Junho, na Suécia.
Aos 38 anos, o juiz da AF Lisboa vive um dos momentos mais altos da sua carreira, depois de já coleccionar vários jogos na Liga dos Campeões e Taça UEFA, bem como na final do Campeonato da Europa Sub-19 de 2004, em que a Espanha venceu a Turquia, por 1-0, em Nyon (Suíça).
A nível nacional, Pedro Proença dirigiu uma final da Taça de Portugal e duas Supertaças Cândido de Oliveira, tendo sido considerado como árbitro do ano em três épocas desportivas.
Os jogos do Europeu Sub-21 decorrerão nas cidades de Gotemburgo, Helsingborg, Malmo e Halmstad. No Grupo A estarão as selecções da Suécia, da Bielorrússia, da Itália e da Sérvia. Espanha, Alemanha, Inglaterra e Finlândia estão no Grupo B.

segunda-feira, 20 de abril de 2009

Argentina: Jogo não se realiza por árbitro estar a dormir...

O clássico entre o Alumni de Villa Maria e o Racing de Córdoba não se jogou, este domingo, mas acabou em paródia à custa de Ariel Montero, o árbitro escolhido para o encontro. Este jogo de futebol da terceira divisão argentina não se realizou porque Montero não apareceu no estádio... já que estava a dormir.
Segundo conta a imprensa argentina, ninguém avisou o juiz que havia sido escolhido para apitar o jogo e à hora da partida Ariel Montero estava sossegado em sua casa, a pôr o sono em dia. «Às nove da manhã, os árbitros assistentes estavam no hotel e não havia sinal de Montero. Começámos a ficar preocupados e ligámos para casa dele. O Montero não sabia de nada, estava a dormir», contou Guillermo Morelatto, presidente do Alumni.
De acordo com os relatos do jornal Clarín, o primeiro erro desta história foi do Conselho Federal da Associação de Futebol Argentina, que nomeou para o jogo Cesar Walker, o árbitro que havia apitado a partida do Alumni de Villa Maria na semana passada. Como um juiz não pode dirigir dois jogos consecutivos da mesma equipa, a AFA decidiu convocar Ariel Montero. Só que ninguém o avisou da decisão...
Com o árbitro a 600 km de distância e os fiscais de linha presentes, o Alumni propôs a inclusão de um outro juiz, que o Racing de Córdoba rejeitou. A polícia também complicou e não se mostrou disponível para adiar a hora do encontro. Os 1000 adeptos do Racing tiveram que voltar a casa sem qualquer compensação e podem agora ver a sua equipa castigada por se ter recusado a jogar com um árbitro suplente.

sábado, 18 de abril de 2009

Jogador expulso por "agredir" apanha-bolas

Foi uma expulsão pouco habitual. Thiago Neves, estrela do Fluminense, viu o cartão vermelho na Taça do Brasil, frente ao Águia Marabá, depois de ter atirado a bola contra o apanha-bolas.
Com o «Flu» a perder por 2-0, Thiago Neves queria ser rápido a marcar um canto, e por isso não gostou da lentidão do apanha-bolas. Quando finalmente recebeu o esférico, decidiu «vingar-se» com uma «bolada» nas costas. Isto a escassos metros do árbitro assistente, que deu indicação ao chefe de equipa para dar ordem de expulsão ao jogador.
Decisão rara... mas correcta da parte do árbitro

Pedro Henriques defendeu novas tecnologias e profissionalização dos árbitros

O árbitro Pedro Henriques afirmou que o futebol tem que acompanhar “o novo paradigma” que está a viver, defendendo as novas tecnologias, a profissionalização dos árbitros e mudanças na lei de jogo.
Durante um debate sobre “A Arbitragem na Evolução do Futebol”, organizado pelo Núcleo de Árbitros do Barreiro, presidido pelo árbitro Luís Reforço, e pela junta de freguesia do Alto Seixalinho, Pedro Henriques explicou que antes o futebol era um jogo para “os milhares que estavam no estádio” e agora “para milhões que vêem na televisão”.
“Defendo três apostas. As mudanças na lei de jogo, como aconteceu com várias modalidades, como o voleibol ou o andebol, e que evoluíram, sou também um defensor das novas tecnologias e não só o olho de falcão e também acho que se tem que apostar na formação de árbitros e isso só tem um caminho, o da profissionalização”, afirmou.
“Não se trata de ganhar mais dinheiro mas os árbitros hoje em dia estudam, correm mas não treinam a arbitragem e tal como as equipas e técnicos é importante recriar as situações de jogo”, acrescentou, considerando o modelo inglês um bom exemplo.
O árbitro lembrou também a final da Taça da Liga como exemplo para a defesa das novas tecnologias, apesar de explicar que as mudanças têm muitas resistências nos principais organismos do futebol.
“As novas tecnologias não implicam uma paragem assim tão grande. Na final da Taça da Liga o jogo esteve parado dois minutos e três segundos e em 15 segundos podia-se ter visto”, referiu.
No debate estiveram também presentes o técnico Dauto Faquirá e o jogador do Belenenses José Pedro, com as diferentes opiniões a serem moderadas pelo jornalista João Rosado.
O técnico, que actualmente está sem clube, explicou que é importante que os árbitros possam ter novas ferramentas que lhes possibilitem errar menos e também considerou a profissionalização como um caminho a seguir.
Dauto Faquira lembrou também o papel pedagógico que os treinadores devem ter.
“A função do treinador deve também ser pedagógica, eu raramente falo de arbitragem. Quando leio alguns jornais com palavras como 'roubo' fico chocado, as pessoas devem ser educadas, ainda para mais se no fim se fizer as contas a coisa fica equilibrada”, disse.
O médio José Pedro explicou que os jogadores também não ajudam os árbitros e defendeu que essa situação do futebol português deve mudar.
“Jornalistas, treinadores, directores e jogadores tem que incutir isso. Penso que temos uma missão e seria importante outros jogadores ouvirem e debaterem estes assuntos”, considerou.
Pedro Henriques, que levantou ideias sobre algumas possíveis alterações, como o facto de o jogador poder ser assistido com o jogo a decorrer, o que na sua opinião levava a que a maioria não necessita-se de assistência, explicou que a tecnologia podia evitar alguns erros.
“Se todos aceitassem o erro, tudo bem, mas existem situações em que a nossa própria vida social e familiar é afectada. As novas tecnologias teriam implicações nas regras, não acabavam com os erros, mas podiam evitar erros em lances decisivos”, disse.
“Importa não esquecer que esta geração de árbitros vive sobre o espectro do Apito Dourado, mas quem não tem nada a ver com isso”, acrescentou.
O árbitro partilhou também uma historia que acorreu no jogo entre o Estrela da Amadora e o Benfica, na época passada, em que um penalti mal assinalado pelo assistente permitiu ao Benfica empatar o jogo já perto do fim e depois vencer no desempate por penaltis.
“O Lima (assistente que marcou o penalti) estava a chorar no balneário no fim do jogo e o técnico do Estrela, o Dauto, entrou e disse ao Lima que acontece e que na próxima semana podia ser ele a errar uma substituição”, contou, deixando elogios à postura de Dauto Faquirá.
A terminar, depois de questionado pela assistência sobre as criticas de alguns ex-árbitros às exibições de antigos colegas, Pedro Henriques respondeu: “São pessoas com muita azia, que pararam no tempo e pensam que são os melhores, não convivem bem com o sucesso dos outros”.
in: O Jogo

quinta-feira, 16 de abril de 2009

Curioso artigo de opinião sobre a arbitragem

Artigo/Proposta sobre a organização da arbitragem portuguesa retirada do blog Costa Rochosa.
Arbitragens, selecção dos árbitros e avaliação dos árbitros
A arbitragem no futebol nacional é um tema que recorrentemente envolve polémica, discussão e exaltação. Debate-se a escolha ou sorteio dos árbitros para os jogos, a avaliação dos árbitros após os jogos, as suas tendências clubísticas, a sua profissionalização, os meios tecnológicos ao serviço da arbitragem, etc. mas o cerne da questão continua por resolver: como se devem escolher os melhores árbitros para os jogos e como se motiva os árbitros para que não cometam erros.
Aqui há uns anos, no seguimento de uma final da Taça de Portugal em que o Benfica participou, houve críticas ao facto de ter havido uma escolha conjunta do árbitro da final. Quando ouvi isso, pensei "Mas isto é o Ovo de Colombo, será que não vêm isso?". Mas, pelos vistos, não viram, ou então eu vi mal. Depois de muito pensar no assunto, mas sem que isso me tivesse tirado o sono :-), cheguei a um método que, baseado no mesmo princípio (o da escolha dos árbitros pelos adversários), permite acomodar outros requisitos, como a avaliação dos árbitros.
Numa primeira análise, o que importa é criar mecanismos de incentivo à qualidade das arbitragens. Ou seja, o mecanismo de selecção dos árbitros para os jogos deverá ser adequado para minimizar os riscos de polémica e os mecanismos de avaliação dos árbitros deverá ser adequado para que os árbitros sintam que apenas cumprindo bem o seu papel conseguem ser promovidos. Por outras palavras, o sistema que regula a arbitragem deverá ter mecanismos de selecção e realimentação tais que premeiem naturalmente os bons árbitros e as boas arbitragens e penalizem, também naturalmente, os maus árbitros e as más arbitragens.
A selecção dos árbitros faz-se normalmente por escolha de uma comissão de especialistas ou por simples sorteio, eventualmente por níveis de qualidade ou experiência dos árbitros. Aqui está o primeiro erro, a selecção deveria ser feita pelas entidades directamente afectadas pela actuação dos árbitros (os clubes) e não por terceiros. É assim que se passa quando, em casos de conflito, se escolhe um tribunal arbitral. É assim também que se passa no universo informático, quando dois intervenientes mutuamente desconfiados escolhem mecanismos de segurança que asseguram, aos dois, um serviço mutuamente satisfatório. Por que razão não pode também ser assim no futebol?
Portanto, o primeiro passo para resolver o problema da arbitragem consistiria em permitir que, em cada jogo, as equipas em confronto pudessem escolher, em conjunto e por comum acordo, os árbitros em que mais confiam para realizar a arbitragem.
A avaliação dos árbitros é feita de uma forma algo oculta, através de uma mistura de relatórios feitos por quartos árbitros, imagens televisivas, comissões de peritos, etc. Mas, em todo esse processo, as entidades directamente afectadas pela actuação dos árbitros, os clubes, não participam. Portanto, o sistema não possui um canal de realimentação ajustado, porque os potenciais lesados não possuem meios (legítimos) ao seu alcance para exercer o controlo de qualidade que o sistema carece. Ou seja, os consumidores finais (os clubes) não têm qualquer capacidade de controlo sobre o serviço (de arbitragem) que lhes é prestado.
Portanto, o segundo passo para resolver o problema da arbitragem consistiria em permitir que, em cada jogo, as equipas em confronto pudessem avaliar, em conjunto, a actuação do árbitro, e que essa avaliação pudesse ter um peso significativo na progressão na carreira dos árbitros.
Feita esta análise, o processo de selecção e avaliação dos árbitros deveria ser o seguinte:
1. Para um dado conjunto de jogos, cada clube envolvido apresentaria uma lista ordenada dos seus árbitros preferidos. Tal lista pode ser vazia, i.e., não conter qualquer nome.
2. Apresentadas as listas, apura-se, para cada jogo, o conjunto de árbitros comuns às listas apresentadas pelos dois clubes envolvidos. Cada um destes conjuntos pode conter vários nomes, apenas um nome, ou nenhum nome.
3. Os conjuntos com pelo menos um nome são ordenados aleatoriamente, e do primeiro para o último é escolhido aleatoriamente um dos seus elementos. Esse elemento é então apurado para o jogo a que o conjunto de que foi retirado está associado e retirado dos demais conjuntos. Este processo é repetido até ao fim da lista ordenada de conjuntos.
4. No final do passo anterior teremos jogos para os quais já existe árbitro (escolhido por mútuo acordo dos clubes envolvidos) e outros para os quais não temos árbitro (porque não existia acordo entre os clubes ou porque os árbitros que a ambos satisfaziam foram escolhidos para outros jogos). Para os jogos para os quais não temos ainda um árbitro seleccionado pode-se usar um qualquer critério de selecção de um árbitro ainda não escolhido (escolha por uma comissão de especialistas, escolha aleatória, etc.), é irrelevante, porque qualquer que seja a escolha ela não irá agradar nunca, simultaneamente, aos dois clubes envolvidos.
5. O processo anterior deverá ser estendido a todos os elementos da equipa de arbitragem: árbitro principal, auxiliares e quarto árbitro.
6. No final de cada jogo a actuação de todos os elementos da equipa de arbitragem deverá ser avaliada pelos clubes envolvidos e os árbitros de campo (principal e auxiliares) deverão ser ainda avaliados pelo quarto árbitro. Assim, cada árbitro de campo terá 3 avaliações e o quarto árbitro 2 avaliações. Estas avaliações deverão ser usadas para calcular uma nota final da prestação dos vários árbitros envolvidos no jogo.
7. As avaliações deverão possuir uma nota de 0 a N que reflicta a sua prestação global, tanto em termos técnicos como disciplinares. As diversas notas são então agregadas de forma a calcular uma nota final, a qual deverá influenciar a progressão na carreira dos respectivos árbitros.
8. A agregação da nota deverá ser feita de tal forma que um árbitro seja fortemente penalizado se prejudicar claramente uma das equipas. Por outras palavras, a nota final só deverá ser alta se o trabalho do árbitro for satisfatório para ambas as equipas em confronto e baixa se prejudicar uma ou ambas as equipas. Um método que tal garante é o cálculo da nota final através de média geométrica.
Falta agora demonstrar que o sistema se auto-regula, ou seja, que haverá uma tendência natural para a escolha dos melhores árbitros para os jogos e haverá uma natural tendência para que as arbitragens sejam boas.Q
uando ao primeiro ponto, cada clube terá tendência para apresentar, para cada jogo, uma lista de árbitros não nula, de modo a aumentar a probabilidade de lhe ser atribuído um árbitro que à partida lhe dá maiores garantias de qualidade. Os clubes que apresentarem listas nulas perdem qualquer capacidade de influência, logo terão tendência a evitar tal prática. Por outro lado, os clubes demasiado exigentes, que apenas apresentem listas com um ou poucos árbitros, perdem igualmente capacidade de influência, porque tais listas têm baixa probabilidade de obter um consenso com o interlocutor, ou, caso o mesmo exista, pode mesmo assim não permitir uma escolha de comum acordo por causa da escolha aleatória indicada no ponto 3. Concluindo, os clubes, para poderem influenciar a escolha dos árbitros que pretendem para os seus jogos, terão uma natural tendência para criar listas de preferências longas, possivelmente incluindo todos os árbitros excepto aqueles aos quais objectivamente não reconhecem qualidade.
Quanto ao segundo ponto, é fácil demonstrar que os árbitros, para terem uma boa nota, apenas têm uma solução: fazerem um bom trabalho. Com efeito, se prejudicarem alguma das equipas, serão penalizados pela outra equipa ou por ambas, logo quaisquer tendências em favor de algum dos clubes serão naturalmente penalizadas. Por outro lado, se a arbitragem for deficiente mas de tal forma que beneficie ambas as equipas, o que não é fácil, a nota atribuída pelo quarto árbitro poderá funcionar como elemento dissuasor dessa prática.Concluindo, este sistema cumpre os propósitos enunciados: permite uma escolha o mais correcta possível dos árbitros adequados para cada jogo e premeia os bons árbitros. O sistema possui uma regulação natural, porque penaliza atitudes demasiado exigentes dos clubes na escolha dos árbitros e penaliza favorecimentos de árbitros a clubes. Finalmente, o sistema de selecção dos árbitros e de progressão na sua carreira permite uma regulação por parte dos seus clientes: os clubes.
O nosso agradecimento ao autor do Blog Costa Rochosa, Rui Costa, a amabilidade de autorizar a reprodução deste texto.

Árbitro assistente salva vida de jogador

Plamen Georgiev é bem capaz de ser o árbitro assistente mais elogiado no mundo. O árbitro assistente búlgaro salvou a vida a Georgi Iliev, jogador do Cherno, da principal divisão daquele país. O futebolista teve um colapso no jogo de segunda-feira e foi o juiz que promoveu os primeiros socorros, evitando que Iliev engolisse a língua.
O internacional búlgaro de 27 anos perdeu a consciência durante o Cherno Varna-Lokomotiv Plovdiv (2-1), após chocar com o defesa Angel Yoshev. Perante o pânico de todos, foi o árbitro assistente, Plamen Georgiev, a oferecer os cuidados essenciais que salvaram a vida ao jogador.
«Atirei a bandeirinha e corri para ajudá-lo. Há que ser muito cuidadoso nestas situações, mas já o tinha feito antes e não hesitei», comentou o juiz auxiliar à imprensa búlgara.

in: MaisFutebol

terça-feira, 14 de abril de 2009

RefereeTip celebrou um ano de actividade

No passado dia 10 de Abril, RefereeTip celebrou o seu primeiro aniversário.
Neste ano de lançamento, em que publicámos 760 posts, pudemos contar cerca de 49.000 visitantes. A estes, queremos agradecer a preferência e prometer todos os esforços por manter a mesma regularidade de actualização de conteúdos, bem como assegurar a mesma linha editorial que nos guiou até aqui.
Aproveitamos para recordar que estamos sempre abertos a sugestões, opiniões e receptivos a conteúdos para publicação.
Mais uma vez... Obrigado!

Luís Guilherme fala pelos árbitros

O presidente da APAF afirma que os árbitros toleram as críticas mas não as ofensas.
"Não podemos tolerar é a crítica que extravasa o campo desportivo e entra no campo pessoal e familiar", afirmou o presidente da Associação Portuguesa dos Árbitros de Futebol.
Para Luís Guilherme, se a situação se mantiver, os casos poderão seguir a vida judicial: "Se estas coisas não tomarem outro caminho, naturalmente que tomaremos as medidas que forem mais apropriadas".
O dirigente da arbitragem afirma que a melhor forma de diminuir os erros das arbitragens não é colocando os árbitros na tão falada "jarra", mas sim dando-lhes mais condições de trabalho: "Só por pôr árbitros na chamada 'jarra' resolve-se algum problema? O problema da arbitragem e dos erros que vão acontecendo, e que nós lutamos contra eles, faz-se com formação, melhores condições de trabalho. Pôr árbitros a descansar não resolve nada".
O presidente da Comissão de Arbitragem, Vítor Pereira, ainda não se pronunciou sobre as várias acusações de que têm sido alvo os árbitros, no entanto Luís Guilherme afirma que continua a confiar neste: "Os árbitros já deram a sua opinião ao presidente da Comissão de Arbitragem, a forma como vai gerir isso é uma competência que a ele diz respeito.

Clique para ouvir as palavras do presidente da APAF:
Luís Guilherme admite a crítica desportiva mas não a ofensa aos árbitros
Para Luís Guilherme colocar os árbitros na "jarra" não resolve nada
Luís Guilherme aguarda uma tomada de posição de Vítor Pereira

In: RTP

Nomeações para 25ª jornada da Liga Sagres e Liga Vitalis

Roménia: Presidente da comissão de árbitros e do FC Arges detidos

O presidente da comissão romena de árbitros de futebol, Gheorghe Constantin, e o "patrão" do clube da primeira divisão FC Arges, Cornel Penescu, acusados de terem recebido e pago um suborno, respectivamente, foram hoje detidos por 29 dias.
De acordo com um comunicado do ministério anti-corrupção (DNA), Penescu pagou 70.000 euros a Constantin para este "designar árbitros agradáveis" para os jogos do FC Arges na época 2008/2009 e promover um árbitro "protegido" pelo líder do clube romeno.
Os inquiridores afirmam também que, entre Outubro e Dezembro de 2008, Cornel Penescu pagou 54.000 dólares (cerca de 40.700 euros) a diversos árbitros da primeira divisão a fim de "beneficiar de arbitragem favoráveis", assim como 3.000 euros a um observador federal.
Uma pessoa próxima do líder do FC Arges, actualmente no 10º lugar da primeira divisão romena, foi igualmente detida no âmbito desde caso.

COMUNICADO DA APAF

Os Árbitros e os Árbitros Assistentes da 1ª Categoria Nacional reunidos com a APAF, no dia passado dia 8 de Abril de 2009 em Leiria, analisaram de forma detalhada o momento actual do futebol português, tendo decidido o seguinte:

1 - Até ao final da presente época, e no sentido de contribuir para que a mesma decorra com serenidade e estabilidade emocional necessárias, os Árbitros e Árbitros Assistentes vão abster-se de qualquer declaração pública sobre qualquer matéria relacionada com o futebol em geral e arbitragem em particular, delegando essa incumbência no Presidente da APAF.

2 - Reafirmam o seu empenho no cumprimento das Leis de Jogo e dos Regulamentos em vigor, dando especial atenção às matérias disciplinares relacionadas com todos os intervenientes no jogo, nomeadamente no que concerne a declarações por estes proferidas antes, durante e após os encontros em que participem.

3 – Condenar veementemente e accionar criminalmente toda e qualquer pessoa ou entidade que efectue declarações que ultrapassem a mera crítica desportiva, ofendendo o seu bom nome ou colocando em causa, directa ou indirectamente, a sua idoneidade e seriedade.

Foi ainda apreciado o processo disciplinar aplicado ao Árbitro Rui Silva, tendo concluído:

a) Manifestar total solidariedade para com o colega Rui Silva, alvo de uma sanção disciplinar aplicada pelo Conselho de Disciplina e confirmada pelo Conselho de Justiça da FPF por esta ser injusta e não ter tido em conta muitos dos quesitos apresentados na sua defesa, os quais não mereceram qualquer resposta por parte daqueles órgãos disciplinares, contribuindo dessa forma para a decisão final.

b) Reservam-se ainda no direito de tomar as medidas que entenderem mais convenientes para demonstrar de forma activa e inequívoca a referida solidariedade junto de quem de direito.

segunda-feira, 13 de abril de 2009

Brasil: técnico empurra jogador e dá soco ao árbitro

Pedro Santilli é um técnico brasileiro com alguma experiência. Foi adjunto de Emerson Leão, trabalhou em clubes como o Palmeiras e o Santos, e até na selecção brasileira, mas num momento de pressão acabou por perder a cabeça.
No jogo que acabaria por decretar a descida da sua equipa, o Comercial, à divisão A3 Paulista, o técnico teve dois gestos reprováveis. Primeiro empurrou um jogador da equipa adversária, o Catadunvende, que se preparava para marcar um lançamento, e logo de seguida deu um soco ao árbitro do encontro.
No final do jogo Pedro Santilli tentou falar com o árbitro, para desculpar-se pelo gesto, mas bateu com o nariz na porta do balneário da equipa de arbitragem, que não quis conversas.



in: Mais Futebol

Suíço Massimo Busacca no FC Porto - Man. United

O árbitro Suíço, Massimo Busacca foi o escolhido para dirigir o decisivo encontro dos quartos de final da Liga dos Campeões entre F.C. Porto e Manchester United, a realizar esta quarta-feira no Estádio do Dragão.
Eis as nomeações para os outros jogos:
Terça-feiraQuarta-feira

APAF: Alterada a data de início do torneio

A tradicional competição/convívio entre os Árbitros de Futebol, terá inicio no próximo dia 22 de Abril e não no dia 16 de Abril, data prevista inicialmente.
Para mais informações contactar a APAF .
Telefones: 218 124 849 ou 218 151 846

quinta-feira, 9 de abril de 2009

Olegário hoje no Hamburgo - Manchester City para Taça UEFA

A equipa de arbitragem chefiada por Olegário Benquerença entra hoje em acção na primeira “mão” dos quartos-de-final da última edição da Taça UEFA.
O Hamburgo, equipa alemã ainda em prova, recebe os ingleses do Manchester City, num confronto inédito que será arbitrado pelo português Olegário Benquerença, auxiliado por José Cardinal e Bertino Miranda.

quarta-feira, 8 de abril de 2009

“Se não quiserem erros, temos que jogar Playstation”

José Luís Vital, presidente do Conselho de Arbitragem da AF de Lisboa, defende Hugo Miguel.
José Luís Vital está ao lado do seu representado, Hugo Miguel, defendendo o árbitro, após a prestação no Estrela da Amadora – Benfica, onde foram contestadas várias decisões relativas a grande penalidades.
O presidente do Conselho de Arbitragem da AF Lisboa sublinha que “todos nós cometemos erros na vida. Os árbitros trabalham para errar cada vez menos”.José Luís Vital vai mais longe afirmando que se “as pessoas não querem erros no jogo, então é melhor jogarmos Playstation”, aludindo aos jogos de consola.Hugo Miguel não está nomeado para a jornada 25, mas tal situação é caracterizada como “normal”, por Luis Vital, preferindo não comentar a gestão de Vítor Pereira.

In: Renascença

Revista "O Árbitro" publicada

A APAF está a fazer chegar aos seus associados o número 130 da revista oficial da associação: "O Árbitro".
RefereeTip aproveita para dar os parabéns à APAF pela publicação da revista e deseja ao Mestre Joaquim Campos a melhor sorte na sua nova função de Director da Revista.
Agradecemos ainda a referência feita ao nosso blog na página 10 d'O Árbitro.

Nomeações para 24ª jornada da Liga Sagres e Liga Vitalis