sábado, 31 de maio de 2008

Árbitros portugueses em conferência de imprensa no Japão

Os árbitros internacionais portugueses Paulo Costa e Bruno Paixão já voltaram do Japão, onde estiveram a convite da Federação Japonesa de Futebol, para participar na Taça Kirin.
Bruno Paizão apitou o jogo que a selecção nipónica venceu por 1-0 frente à Costa do Marfim e Paulo Costa dirigiu o primeiro jogo do torneio, que terminou com um empate a zero bolas entre o Japão e o Paraguai, partida que decorreu em Saytama, arredores de Tóquio.
Os dois árbitros estiveram acompanhados pelos árbitros assistentes João Santos e Tiago Trigo. Os jogos decorreram sem casos e a partida de abertura contou com estádio quase cheio. A selecção japonesa venceu o torneio patrocionado anualmente por uma grande empresa do país do sol nascente.
Paixão e Costa deram ainda uma conferência sobre a arbitragem portuguesa e o nosso futebol, tendo respondido a muitas perguntas e posado para fotografias no final de uma sessão muito concorrida. No único dia livre, os quatro árbitros portugueses visitaram Tóquio e Kyoto.Do que viram e sentiram no Japão, os árbitros lusos retiraram a imagem de um "povo acolhedor, que trabalha seis dias por semana e dos 15 dias de férias que tem dá 10 ao patrão como sinal do seu envolvimento no sucesso da empresa". Tendo como compensação um IVA a 5%, gasolina 40% mais barata que em Portugal e impostos cujas taxas não ultrapassam os 20%.

in: Record

História do futebol (II de III)

Inglaterra - Berço do futebol moderno
Foi na Inglaterra, porém, que o futebol actual tomou forma. Durante muito tempo este desporto foi combatido pelas autoridades devido à sua extrema violência. A Idade Média inglesa está pontilhada de episódios violentos, muitos incluindo mortes ocorridas durante partidas de futebol. Em 1313, uma lei determinou a proibição do jogo da bola em Londres, alegando que este causava grandes transtornos na vida da cidade. Além de violento, o futebol, por ser muito popular entre o povo, poderia desviar a atenção dos soldados ingleses dos desportos mais de acordo com os treinos militares (arco-e-flecha, esgrima, arremesso da lança).
Devido às proibições, o futebol sofreu uma série de modificações na Inglaterra, transformando-se num desporto menos rude, já no séc. XVII. Carlos II foi o primeiro rei inglês a permitir, em 1660, a prática do futebol, autorizando seus soldados a enfrentarem os homens do duque de Albermale, num jogo de futebol.
No início do séc. XIX, Thomas Arnold, encarregado de reformular o ensino superior inglês, introduziu a prática de diversos desportos — entre os quais o futebol — no currículo universitário. A realização de competições desportivas propagou-se a todos os níveis do ensino na Inglaterra. Em 1843, um grupo de estudantes de medicina criou a primeira equipa de futebol fora das universidades, o Guy's Hospital Football Club.
Na primeira década do séc. XIX, muitas escolas inglesas já realizavam disputas de um jogo semelhante ao futebol moderno. Em cada uma dessas escolas, o futebol foi recebendo uma série de regras, que alteravam e desenvolviam o jogo. A mais antiga regulamentação escrita sobre o futebol foi a de Rugby: As leis do futebol baseadas nas regras do jogo como é jogado na escola de Rugby, aprovadas em 1846.
O futebol jogado em Rugby tinha uma característica que o distinguia do praticado nas outras escolas: os jogadores podiam pegar a bola com as mãos e carregá-la por todo o campo, enquanto as outras modalidades de futebol permitiam o uso das mãos apenas para reter uma bola alta, tendo o jogador, assim que a retivesse, que colocá-la no chão e chutá-la, sem poder carregá-la ou impulsioná-la com a mão.
Em outubro de 1848, uma associação de escolas reuniu-se no Trinity College, em Cambridge, e elaborou um conjunto de regras: as catorze regras de Cambridge. Em 1863, os representantes dos clubes de futebol ingleses fundaram a Football Association, a partir de uma reunião realizada na taberna Freemason's, e redigiram um código de leis para o desporto, num total de treze itens. Essas regras sofreram sucessivas alterações até chegarem às dezassete leis que formam hoje as Leis do Jogo.
Nos jogos que antecederam o futebol moderno, a união dos esforços individuais dava-se sem uma táctica colectiva, predominando a improvisação. Antes de 1880, praticamente não havia um sistema de jogo. As equipas eram constituídas por um guarda-redes e dez jogadores que actuavam apenas como atacantes.
Em 1872, a Football Association introduziu a primeira competição internacional, com um jogo entre Escócia e Inglaterra, na cidade de Glasgow. Foi a primeira partida entre selecções nacionais da história do futebol. Nesse mesmo ano, o futebol chegou à França. O futebol profissional começou em 1885 na Inglaterra e, em 1888, doze clubes fundaram a Liga de Futebol da Inglaterra.Imagem do primeiro jogo internacional (Escócia - Inglaterra). Repare-se que a baliza é feita com paus e uma corda, não tendo rede.

sexta-feira, 30 de maio de 2008

Subscreva a newsletter RefereeTip

Receba no seu mail todas as notícias, nomeações e outras informações de interesse do mundo da arbitragem do futebol.
Subscreva a nossa newsletter!

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

Collina em palestra à selecção italiana

Muita atenção às regras do jogo...
O ex-árbitro italiano Pierluigi Collina esteve ontem no centro de estágio da selecção italiana, em Coverciano, onde fez algumas especiais recomendações aos jogadores que vão participar na próxima edição do Campeonato da Europa de Futebol.
Aquele que foi por muitos considerado como o melhor árbitro do mundo de sempre, chamou especialmente a atenção dos atletas para três vertentes fundamentais: entradas duras, simulações e protestos. Para Collina, nada de entradas duras, as simulações devem ser banidas e, sobretudo, o máximo respeito para com o árbitro e suas decisões. E ainda um aviso muito sério: os prevaricadores serão alvo de pesadas sanções por parte da UEFA.
Parece a nossa selecção...

Exames de promoção aos quadros da FPF (II)

O Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol realiza amanhã, sábado os exames de promoção à 3ª Categoria de Árbitros de futebol de onze. No domingo é a vez dos exames de ascenção ao Quadro da 3ª Categoria de Futsal.
A todos os candidatos desejamos felicidades e sucesso na realização destes exames!

Márcia Pejapes dirige final feminina da Taça de Portugal

A Árbitra Internacional Márcia Pejápes arbitra Final da Taça de Portugal de Futebol Feminino. A 4ª Árbitra nomeada foi Berta Tavares, igualmente internacional.
No próximo domingo, dia 1 de Junho, a SU 1º Dezembro e o Clube Albergaria encontrar-se-ão na derradeira partida da Taça de Portugal de Futebol Feminino.
Campeãs Nacionais da I Divisão, a equipa do 1º Dezembro tentará revalidar o título conquistado no ano passado, desta feita frente ao Albergaria, que vem da II Divisão. A formação de Sintra marca presença pelo quarto ano consecutivo na Final da Taça de Portugal e espera poder ´dar um presente a todos os que ajudam o clube a ultrapassar as dificuldades económicas, desde equipa técnica, às jogadoras e dirigentes´, afirma Lena Costa, responsável pela orientação das atletas do clube.
As duas equipas já se defrontaram no ano transacto, em uma das eliminatórias da prova, tendo o 1º Dezembro alcançado a vantagem mínima. A treinadora adimite, por isso, que, ´apesar da grande motivação, da experiência e do espírito lutador das atletas, não será um jogo fácil. O objectivo é, claramente, revalidar o título, mas sempre respeitando as adversárias.
´Contrariando as expectativas, a formação do Albergaria derrotou o Escola FC ( I Divisão) por 2-0 nas meias-finais da Taça de Portugal e marca presença pela primeira vez numa final desta competição.
A ´surpresa da Taça´ espera contribuir para um bom espectáculo, embora com consciência plena das dificuldades que vai encontrar. ´As adversárias vivem um momento e uma realidade diferentes, estão habituadas a ganhar todas as competições em que se envolvem e esta não será diferente. O 1º Dezembro é o vencedor favorito para esta final, mas no fundo o nosso objectivo é impedir que haja uma discrepância tão grande como na do ano passado. O ideal era manter o resultado em aberto até aos 90 minutos ou aos 120, mesmo´, explica Paula Pinho treinadora da equipa feminina do Albergaria.Perante a possibilidade de conquistarem o troféu, a técnica explica que ´seria muito gratificante, muito bonito de se ver´.
A Final da Taça de Portugal de Futebol Feminino joga-se no Estádio Municipal da Nazaré, com início marcado para as 17h00.




in: FPF

quinta-feira, 29 de maio de 2008

Árbitros querem profissionalização bem explicada

Os árbitros portugueses têm tido uma reacção positiva à profissionalização no sector - programada para a próxima época por Vítor Pereira - mas os juízes querem as condições no papel, o que faltou no e-mail de esclarecimento que receberam, como a Antena 1 confirmou com o árbitro Jorge Sousa.
Vítor Pereira, presidente da Comissão de Arbitragem da Liga, tem a intenção de, já na próxima época, avançar com a profissionalização do sector de arbitragem, uma mudança que os árbitros consideram positiva, mas que falta ainda ser esclarecida.
A Antena 1 contactou o árbitro Jorge Sousa, que confirmou ter recebido um e-mail sobre esta nova medida, mas no qual não constam as condições desta profissionalização. O árbitro indica que ainda não deu resposta, «existe a vontade de abraçar este projecto», mas só depois de saber o que está em falta é que a resposta será definitiva.
Quanto á prestação dos árbitros portugueses no Torneio de Toulon, cuja final entre o Chile-Itália será hoje arbitrada por Jorge Sousa, o mesmo indica que é muito positiva a aceitação que os torneios europeus têm tido com os juízes lusos, o que demonstra que o profissionalismo português tem tido reconhecimento internacional.
Para Jorge Sousa, o convite para arbitrar a final « é uma prova de que a arbitragem portuguesa está viva, está sã, e é reconhecida».
Ouça as declarações de Jorge Sousa à Antena 1:
Jorge Sousa: Resposta ao e-mail
Jorge Sousa: Prestaçao dos árbitros portugueses
Jorge Sousa: Sobre apitar a final do torneio de Toulon

in: RTP

História do Futebol (I de III)

O futebol nacional está praticamente de férias, excepção feita a algumas competições da FPF que se prolongam até meados de Junho!!! Vamos aproveitar este período para nos dedicarmos a publicar algumas curiosidades do futebol.
Iniciamos hoje com o primeiro de três capítulos sobre a história do futebol.

Origens
Descobertas arqueológicas revelaram a existência de um jogo de bola praticado com o pé há mais de trinta séculos, no Egipto e na Babilónia. Um jogo similar ao futebol, denominado tsu-chu ("golpe na bola com o pé"), era praticado pelos chineses em 2.600 a.C. Mais ou menos nessa época, praticava-se um desporto semelhante no Japão, o kemari, cujo objectivo principal era não deixar a bola cair no chão, desenvolvendo, assim, a técnica de controlá-la com os pés.

Na Europa, sabe-se que os gregos, por volta do séc. IV a.C., praticavam um desporto que consistia basicamente em conduzir uma bola com os pés, o epyskiros. É provável que os romanos tenham copiado os gregos quando criaram, séculos mais tarde, o harpastum, jogo de características muito semelhantes ao epyskiros. No harpastum, o campo era rectangular, com áreas demarcadas, as quais definiam as posições dos jogadores de ataque e defesa. No seu processo de expansão, os romanos levaram este jogo da bola a outras regiões europeias. Ao que tudo indica, foram eles quem introduziu o "futebol" na Gália e na Bretanha, apesar de alguns historiadores afirmarem a existência, nesta última, de um futebol nativo, de origem meio lendária e meio cívica.

Durante a Idade Média, o jogo da bola era muito disputado na Gália (onde tinha o nome de soule), em Flandres e na Picardia. Na Itália, o futebol surgiu no séc. XVI com o nome de giuoco di calcio, e era jogado uma vez por ano pelos nobres de Florença e Siena. Cada equipa tinha vinte e sete jogadores, divididos em quatro sectores: três defesas recuados, quatro defesas avançados, cinco médios e quinze atacantes. Com apenas a obtenção de um ponto (golo), a partida era dada por encerrada.

Luís Guilherme com "folha limpa"

O nosso amigo Luís Guilherme, antecessor de Vitor Pereira na presidência da Comissão de Arbitragem da LPFP, foi considerado pela Polícia Judíciária como tendo a "folha imaculada" no que toca a comportamentos duvidosos resultantes das escutas de que foi alvo.
Pará nós sempre foi um dado adquirido e para os muitos que vivem na arbitragem também deveria ser óbvio. Infelizmente esta não era a ideia que uma massa imensa de adeptos de diversos clubes de futebol tinham, para quem o Luís estava na Comissão de Arbitragem ao serviço de forças ocultas...
Leia aqui a notícia do jornal Record sobre o assunto.
Aproveitamos para deixar ao Luís Guilherme o nosso desejo de que, a bem da nossa arbitragem, volte rapidamente à vida activa de dirigente.

Sugestão: Blog do Núcleo de Árbitros do Barreiro

O Núcleo de Confraternização de Árbitros de Futebol do Barreiro é o mais recente núcleo a aderir à blogosfera para disponibilizar informações sobre as suas actividades.
Sugerimos hoje, portanto, que adicione o blog do NCAF Barreiro aos seus favoritos e passe a estar ao corrente da vida deste núcleo.

quarta-feira, 28 de maio de 2008

Árbitros da Liga em jogo de convívio com reclusos

O Estabelecimento Prisional de Paços de Ferreira e a Escola no Estabelecimento Prisional de Paços de Ferreira organizam jogo de futebol que se realiza no dia 31 de Maio, pelas 15 horas no Estádio da Mata Real. O jogo será disputado por uma equipa constituída pelos alunos/reclusos do EP contra Árbitros da Liga Portuguesa de Futebol Profissional.
Este evento de solidariedade para com os reclusos, que se repete há já alguns anos, tem tido o apoio da Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol.
Vemos aqui uma foto do Vice-presidente da APAF, Cunha Antunes, a entregar uma lembrança ao capitão da equipa dos reclusos, no jogo/convívio realizado o ano passado.
Aparte das piadas que irão surgir, motivadas pela triste e errada imagem que muitas pessoas têm dos árbitros de futebol, consideramos importante divulgar esta iniciativa, exemplo de solidariedade e de um acto de integração social.

Jorge Sousa apita final de Toulon

O árbitro internacional português, Jorge Sousa (AF Porto), foi nomeado para dirigir o jogo da final do Torneio Internacional de Toulon, que terá lugar na próxima quinta-feira (29 de Maio), no Stade Mayol. A acompanhar o juíz portuense estará outro representante da arbitragem lusa, no caso o assistente, José Ramalho (AF Vila Real).
A final irá disputar-se entre as selecções do Chile e da Itália.

Pedro Proença no particular França - Paraguai

O árbitro internacional Pedro Proença (AF Lisboa) foi nomeado para arbitrar o jogo de cáracter particular entre a França e Paraguai, que se realizará no próximo sábado, dia 31 de Maio.
Neste encontro, actuarão igualmente Bertino Miranda (AF Porto) e Sérgio Pimenta (AF Madeira) como árbitros assistentes.

Duarte Gomes no particular Andorra - Azerbaijão

O árbitro internacional Duarte Gomes (AF Lisboa) lidera a equipa de arbitragem lusa nomeada para o encontro de carácter particular entre as selecções de Andorra e Azerbaijão, que se disputa no próximo dia 4 de Junho.
Serafim Nogueira (AF Porto) e Augusto Braga ( AF Braga) marcarão presença na partida, na qualidade de árbitros assistentes.

terça-feira, 27 de maio de 2008

Árbitros portugueses nos Europeus de Futebol

Recordar é viver... Nessa perspectiva torna-se interessante, para não dizer também justo, recordar os árbitros que construiram a história da nossa arbitragem além fronteiras. Visite aqui o blog do nosso amigo Alberto Helder e fique a conhecer um seu magnífico trabalho onde podemos ficar a saber tudo o que se relaciona com as participações da arbitragem portuguesa nos campeonatos europeus de futebol.

Equipa de arbitragem... sem comentários

Pois... Também não fazemos ideia do que se passa ali...

Já ouviu falar em Núcleos de Árbitros de Futebol?...

Todos os que lidam minimamente com a arbitragem já terão certamente ouvido falar em Núcleos de Árbitros. Um dos nossos visitantes, João Gaspar, "simples adepto do futebol" como se definiu, colocou-nos a seguinte questão: Já ouvi falar em Núcleos de Árbitros de Futebol, o que são e qual o seu papel na arbitragem portuguesa?
Buscámos junto da Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol aquela que seria a melhor resposta para esta questão e assim esperamos elucidar o João Gaspar e outros que tenham as mesmas dúvidas.
Núcleos de Árbitros de Futebol
O objectivo principal da criação de um qualquer Núcleo é uma constante e permanente actualização, desenvolvimento e aperfeiçoamento técnico de todos aqueles árbitros que vierem a assistir às suas sessões, que podem ser técnicas ou de debate com outros agentes ligados à estrutura do futebol.
São grupos já com um bom espírito de funcionamento onde se ensina e aprende e se trocam ensinamentos e experiências. Afinal este trabalho de grupos de árbitros que regra geral não são muitos numerosos, contribui para que se estabeleça um maior e melhor conhecimento e relacionamento entre colegas da arbitragem aglutinando-os em torno de um projecto com dinâmica.
Os Núcleos são pólos de dinamização das actividades de arbitragem e excelentes locais para que os árbitros se desenvolvam tecnicamente. Já não falando nos colegas mais velhos, os Núcleos serão para os árbitros mais jovens locais privilegiados onde se começarão a valorizar após o exame final. Nestas estruturas tomam conhecimento de casos práticos que semanalmente acontecem, debatem problemas e questões que não tiveram oportunidade de ver mencionadas ou discutidas antes.
Em suma, os Núcleos de Árbitros são um excelente suporte para o desenvolvimento da arbitragem e para a sua união e dignificação.

Consulte a listagem de Núcleos de Árbitros existentes.

segunda-feira, 26 de maio de 2008

Homenagem do Núcleo de Árbitros do Barreiro a Luís Salgado

O Núcleo de Confraternização dos Árbitros de Futebol do Barreiro vai encerrar as suas actividades da época 2007/2008 com uma festa onde irá homenagear o nosso amigo Luís Salgado que terminou esta época a sua carreira por limite de idade. É com agrado que, a pedido deste Núcleo, aqui difundimos esta iniciativa:

Academia de Arbitragem em Portugal - Será uma realidade?

Um projecto de criação de uma Academia de Arbitragem Desportiva vai ser apresentado às Federações Desportivas na próxima terça-feira, dia 27, às 17h30, na sede do Comité Olímpico de Portugal.
A iniciativa, de carácter único a nível nacional e internacional, é da Câmara Municipal de Celorico de Basto, onde a futura instituição terá lugar, eventualmente com o nome de Centro Olímpico de Alto Rendimento de Arbitragem Desportiva.
O projecto foi desenvolvido pela Deloitte Consultores e tem por objectivo congregar a formação e a investigação nas áreas do Desporto e da Arbitragem, em três vertentes fundamentais:
- Formação profissional de nível secundário na área do Desporto
- Formação de Árbitros
- Investigação sobre a Arbitragem
Este centro poderá ser frequentado por estudantes do Ensino Secundário com interesse na área do Desporto, bem como por interessados na Arbitragem (aspirantes a árbitros e juízes desportivos, árbitros, observadores de árbitros), professores e investigadores.
Os promotores encontram-se em fase de angariação de parceiros para o projecto, procurando o apoio de entidades com peso institucional como a Secretaria de Estado da Juventude e do Desporto, o Comité Olímpico de Portugal, o Ministério da Educação e, fundamentalmente, as Federações Desportivas.
Na apresentação de terça-feira, na sede do C.O.P., a Câmara Municipal de Celorico de Basto e a Deloitte Consultores irão desenvolver a estratégia para o sucesso desta Academia e especificar o papel das Federações Desportivas.

Plano de Treinos - 26 de Maio a 1 de Junho





Miguel Costa da Figueira da Foz vence Concurso REFEREETIP

O nosso blog lançou um concurso para atribuir uma camisola de árbitro oficial a um dos visitantes do nosso blog. Com algumas dezenas de participações apenas um poderia vencer.
O vencedor foi o jovem Miguel Costa, 19 anos, adepto da Naval 1º de Maio e do Sporting.
Este jovem, sem qualquer ligação à arbitragem, até hoje :-), participou enviando-nos três questões colocadas a um árbitro. Esperamos em breve poder aqui publicar essas perguntas com as respectivas respostas. Também pretendemos ver aqui publicada uma foto do Miguel com a camisola vestida.
Quem sabe não conquistámos mais um adepto para a arbitragem.

Convívio de fim de época da arbitragem da LIGA homenageia Paraty e Salgado

“Sinto que cumpri o meu dever”. As palavras são do árbitro da 1.ª categoria Paulo Paraty, no decorrer da homenagem de que foi alvo, ontem, pela Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) e por colegas de arbitragem.
Ao fim de vinte e sete épocas, o juiz terminou a carreira devido ao limite de idade. Mas confessa que guarda boas recordações de todo “o caminho percorrido” e faz um balanço “claramente positivo”.
“Ao longo destes anos, sempre me empenhei mais do que me pediram e tive sempre grande sentido de autocrítica. E considero que os acertos foram bem superiores aos erros”, refere. O presidente do Conselho de Arbitragem da LPFP, Vítor Pereira, lembra que “Paulo Paraty deu um grande contributo para a classe”.
A homenagem decorreu durante o convívio de final de época, organizado por Alexandre Freitas, árbitro assistente da Associação de Futebol do Porto, e pela LPFP. Do programa fizeram parte jogos entre as selecções dos árbitros do Norte e do Sul e delegados e observadores da Liga, após os quais se jogou uma final, que foi vencida pela equipa capitaneada (selecção do Norte) por Paulo Paraty.
O convívio encerrou com um jantar-homenagem ao árbitro portuense e também ao assistente Luís Salgado, da AF Setúbal, no qual marcou presença Hermínio Loureiro, presidente da Liga, e vários árbitroe e dirigentes, entre os quais se encontravam o ex-presidente do Conselho de Arbitragem, Luís Guilherme, o Presidente da APAF, António Sérgio (na foto), entre outros.
in: Record

sábado, 24 de maio de 2008

"O único que não pode errar!"

O nosso amigo e mestre Joaquim Campos escreveu em 1957 o seguinte texto sobre a arbitragem e a (des)honestidade do erro:

O único que não pode errar!!






por Joaquim Campos

Os árbitros são considerados hoje por essa plêiade de indivíduos verdadeiros obreiros das derrotas das suas equipas, homens sem escrúpulos, olhados com desdém e ameaçados a cada passo que dão na rua, enxovalhados e criticados infimamente por pessoas sem um mínimo de cultura só porque vêem nele o culpado de todo o estendal de insucessos do clube com o qual sonham e pelo qual são capazes de tudo.
Comentam o labor do árbitro, indivíduos que nunca se deram ao trabalho de abrir uma única vez o Regulamento pelo qual se rege o futebol, que se indignam e ameaçam o juiz de campo só porque os espectadores que estão sentados à sua volta vociferam e clamam contra a acção do director da partida.
Não vale a pena perguntar-lhes porque protestam pois a desilusão seria total. Dizem que há um horror de tempo que aquele senhor anda na arbitragem só para prejudicar o seu clube, que leva a tabela da classificação no bolso do seu casaco de árbitro, inventam coisas a seu respeito só com o fito de os difamarem, argumentam mil e um motivos para os colocarem em plano de descrença e desconfiança.
Às exclamações de desespero por um golo mal perdidos sucedem-se imediatamente a absolvição do jogador que falhou o remate só porque este ficou a olhar para a bota como que a considera-la culpada, foi infeliz porque acertou mal na bola, porque a relva estava ali mais levantada ou um ressalto caprichoso roubou-lhe a possibilidade de êxito no disparo. Deitam as mão à cabeça quando o guarda redes consentiu um golo facilmente evitável mas saltam em sua defesa, e até dão uma salva de palmas quando colega lhe passa a mão pelas costas para o confortar, afirmando que ele não poderia ter visto partir o remate porque estava encoberto, que escorregou quando se preparava para defender, que o pontapé levava efeito, etc. Enfim, que houve infelicidade no lance.
Porém, se o árbitro falha na marcação de uma grande penalidade, se assinala um fora de jogo que não existiu, se considera legal um golo falso ou anula um que a todos parece válido, então já não é infeliz, mas sim desonesto. Estão na moda as claques mimosearem o juiz de campo com tão pouco dignificante piropo e com a sem cerimónia que o fariam a apoiar a sua equipa. Para eles o árbitro é a única pessoa que não pode errar.
A perfilhar a doutrina de tais senhores, uma vez que não há ninguém que não erre, teríamos um Mundo formado por desonestos. Desonesto seria o empregado que se serve da borracha para apagar uma conta mal feita porque a fez errada; desonesto seria o comerciante que falha uma transacção quando a imaginava de fins lucrativos e ela deu prejuízo; desonesto seria o técnico que introduziu uma táctica errada na sua equipa que a levou à derrota.
Nunca se soube nem nunca se quis por em equação que se o avançado não falha um golo certo de maneira propositada ou o guarda redes deixa entrar um golo infantil só pelo prazer de ver a bola colada ás malhas, também o árbitro não se considerará lisonjeado por falhara nas suas decisões que não só afectarão o seu prestigio como também enfraquecerão o seu conceito.

É incrivel como um artigo de opinião escrito há quase 50 anos pode ser tão actual!

Recolha do texto por José Guerra (Diário do Sul)

Avaliação pela TV e novos testes físicos

Os árbitros internacionais querem alterar algumas das regras que regem o regulamento de arbitragem e vão enviar um e-mail à Comissão de Arbitragem da Liga dando conta do que pretendem ver rectificado.
Uma das mudanças que os juízes vão propor à CA é que a sua avaliação seja feita através da televisão, num sistema experimental que pode arrancar já na próxima temporada.Os árbitros consideram que os moldes da avaliação actual não é justa, pois nem todos fazem jogos televisionados. Assim, sugerem que se crie um sistema onde todas as partidas da Liga principal e da Liga Vitalis sejam filmadas. Inicialmente, esta nova avaliação deverá ser diminuta na nota final, isto é, em termos quantitativos, num universo de 100 por cento [jogos, testes escritos e testes físicos], a televisão poderá valer 20 por cento.
Outras das alterações defendidas pelos árbitros refere-se aos testes físicos. Os testes realizados em Portugal obrigam a que os árbitros façam 15 voltas à pista, enquanto as provas realizadas pela FIFA exigem um mínimo de 10 voltas. or outro lado, nos testes escritos um resultado de 98 pontos tem o mesmo peso que um jogo de futebol, em termos de avaliação. Os juízes defendem que os jogos devem valer mais, pois é aí o seu “teste decisivo” e que nas provas escritas basta ter 70 pontos para ser aprovado nessa vertente.
Todas estas alterações terão de ser votadas na assembleia geral da Liga e só após aprovação é que entram em vigor.
in: Record

sexta-feira, 23 de maio de 2008

Comunicado da FPF - Uso dos equipamentos de árbitro

A Federação Portuguesa de Futebol emitiu, em 21 de Maio, o Comunicado Oficial N.º 393, sobre a utilização por parte dos árbitros dos equipamentos de jogo fornecidos pela FPF:

Para conhecimento dos árbitros, árbitros assistentes e demais interessados, comunica-se que aos árbitros e árbitros assistentes só é permitido o uso dos equipamentos oficiais fornecidos pela FPF em jogos particulares, quando estes sejam nomeados pelo Conselho de Arbitragem da FPF ou pelo Conselho de Arbitragem da Associação onde estejam filiados.
O incumprimento desta determinação ficará sujeito a procedimento disciplinar.

in: fpf.pt

Bom exemplo vindo de Espanha

Juvenil espanhol bate no árbitro e leva três anos de suspensão
A Associação de Futebol de Ceuta decidiu suspender por três anos um jogador da equipa de juvenis do Puerto Riduan que agrediu o árbitro do jogo com o San Agustín. O jogador em causa, expulso no decurso encontro, foi ter com o árbitro, de 18 anos, no final da partida à zona dos balneários e agrediu-o com um pontapé no peito. O juiz da partida teve de ser assistido no hospital e o jogador vai agora ficar três anos afastado dos relvados. O Puerto Riduan terá ainda de pagar uma multa de 864 euros.

in: O Jogo

Exames de promoção aos quadros da FPF

O Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol realiza amanhã, sábado os exames de promoção ao Quadro Nacional Feminino e à 2ª Categoria de Árbitros Assistentes.
No domingo é a vez dos exames de ascenção aos Quadros de Observadores de Futebol de Onze e Futsal.
A todos os candidatos desejamos felicidades e sucesso na realização destes exames!

quarta-feira, 21 de maio de 2008

Árbitro israelita no Portugal - Geórgia

O árbitro israelita Levi Meir foi o escolhido para dirigir, no dia 31, o jogo que encerra o estágio, diante da Geórgia, numa partida que significará o adeus a Viseu antes da partida para a Suíça, que acontecerá no dia seguinte.
Meir terá como assistentes Davidi Nissan e Hatuka Eyal, sendo quarto árbitro o português Paulo Baptista. O início do jogo está marcado para as 18h15, no Fontelo.

UEFA altera regra dos amarelos para a Fase Final do Euro

Até agora, um jogador fosse advertido na fase de grupos do europeu, via o seu "cadastro" limpo no momento em que a sua selecção se apurasse para os quartos de final da competição. Neste europeu, que terá lugar no próximo mês na Áustria e Suíça, a UEFA alterou as regras e os jogadores apenas verão o seu "cadastro" de amarelos limpo, após o jogo dos quartos de final.
Luz verde
A proposta foi aceite pelo Comité Executivo da UEFA na sua reunião de segunda e terça-feira em Moscovo. Consequentemente, não é agora possível um jogador receber um segundo cartão amarelo na fase a eliminar, neste caso nas meias-finais, e ficar suspenso de jogar a final.
Solução
A UEFA sente que esta é a solução para um problema do futebol discutido há já algum tempo. "Há vários anos que defendo esta solução e o Comité Executivo aprovou-a de forma unânime", afirmou o Presidente da UEFA, Michel Platini. "É uma óptima decisão para os amantes do futebol e para os telespectadores, que poderão ver os melhores jogadores na final, desde que não sejam expulsos na meia-final".

Árbitros portugueses no Japão

aqui tinhamos noticiado que os árbitros internacionais Paulo Costa (AF Porto), Bruno Paixão (AF Setúbal) e os árbitros assistentes, também internacionais, João Santos (AF Porto) e Tiago Trigo (AF Lisboa) integrarão a equipa de arbitragem do Kirin Cup Soccer2008, prova que terá lugar no Japão, de 22 a 28 de Maio.
Uma vez que partem amanha para o outro lado do mundo, aproveitamos para lhes desejar a melhor das sortes na representação da nossa arbitragem.

terça-feira, 20 de maio de 2008

Exames de Promoção da FPF

A Federação Portuguesa de Futebol, através do seu Conselho de Arbitragem, vai realizar os habituais exames de promoção de árbitros, árbitros assistentes e observadores aos quadros do nacional.
O Comunicado Oficial n.º289, publicado em 5 de Março, divulgou as datas destes exames que agora se aproximam:

Errar não é crime. É uma faceta do ser humano...




por: Valter F. Mariano*

A sociedade futebolística tem por obrigação compreender que o árbitro é um ser humano e como tal cometerá erros durante as partidas.
O árbitro por sua vez deve assimilar os erros e ao reconhecê-los, deve respirar e ter calma, analisar e procurar não cometê-los mais. Nunca compensar uma equipa prejudicada com uma inversão ou criar uma situação favorável. Se o fizer, estará duplicando o seu erro e diminuindo sua autoridade e credibilidade.
Tomada uma decisão, o árbitro não deve voltar atrás se certo de sua justiça. Se perceber que a sua decisão não está correcta ou se for avisado por um membro da equipa de arbitragem que está cometendo um erro, tendo a partida não sido ainda reiniciada, poderá voltar atrás na sua decisão inicial. Se assim fizer, não é desmoralizante esta sua atitude mas sim um acto de humildade e justiça.
O árbitro deve estar plenamente focado na partida para que a margem de erros seja mínima. Errar uma vez e voltar atrás, normal. Errar pela segunda vez e voltar atrás, ainda pode ser considerado normal. Agora, errar pela terceira vez e voltar atrás, passar a imagem de um árbitro frágil e sem personalidade, os jogadores irão perceber esta fragilidade e irão tirar proveito fazendo do árbitro um fantoche, os treinadores também vão aproveitar para reclamar das decisões quando não favoráveis, sem contar a torcida que irá exercer uma forte pressão sobre a arbitragem para pender em favor da sua equipa.
O árbitro deve ser compreensivo e inteligente para assumir e assimilar o erro, fazer dele uma lição, e em onutra situação semelhante não o cometer novamente. Afinal, quem nunca errou?

* Valter Ferreira Mariano, 40 anos, residente na cidade de Campinas/SP - Brasil. Árbitro Assistente da Federação Paulista de Futebol
Formado pela Escola de Arbitragem jornalista Flávio Iazzetti da Federação Paulista de Futebol em 1996/1997 e pela Escola Arbitragem Marco Antônio Ribeiro, entidade ligada a Associação Campineira dos Árbitros de Futebol – ACAF, em 1996.
Colunista de arbitragem, onde escreve sobre a dinâmica de arbitrar uma partida, seus conceitos e ética, suas leis e principalmente do espírito deste esporte chamado futebol.


Nota: Para o amigo Valter um abraço e uma palavra de agradecimento!

segunda-feira, 19 de maio de 2008

Sexo é muito bom... ou o futebol é muito mau!

Um estudo recente conclui que a maioria dos adeptos de futebol em Portugal prefere uma noite de sexo, a um jogo de futebol, o que coloca os portugueses à frente como os mais activos da Europa.
O estudo foi realizado pelo Social Issues Research Centre (Centro de Pesquisa de Assuntos Sociais) em 17 países europeus, e Portugal acabou por ganhar a posição de líder nos europeus mais activos.
No fim da lista estão os adeptos espanhóis, que são avaliados como os sexualmente menos activos da Europa, já que sempre que a alternativa é assistir a um encontro de futebol, 72 por cento prefere ver a equipa a jogar, do que trocar caricías com a companheira.
Estes resultados levam uma questão importante: Em Portugal o sexo é muito bom e atractivo ou... será o nosso futebol mau e sem interesse?!!! Ainda se esta equipa jogasse no nosso campeonato...

Lubos Michel dirige final da Champions League

O eslovaco Ľuboš Micheľ vai arbitrar a final da UEFA Champions League entre Manchester United FC e Chelsea FC, na quarta-feira, no Estádio Luzhniki, em Moscovo.
Prenda de aniversário
Micheľ, que festejou o seu 40º aniversário na passada sexta-feira, será auxiliado pelos compatriotas Roman Slysko (34 anos) e Martin Balko (36), enquanto o quarto-árbitro será outro eslovaco, Vladimir Hrinak. Natural de Stropkov, Micheľ estreou-se como árbitro num encontro de uma liga inferior entre o FK Duplin e o FK Strocin, em 1987. Subiu à primeira categoria da arbitragem eslovaca em 1993 e, em Novembro desse mesmo ano, estreou-se a nível internacional ao dirigir o encontro de qualificação para o Campeonato da Europa de Sub-21 entre Inglaterra e San Marino.
Muitas nomeações importantes
Esteve presente nos Jogos Olímpicos de 2000, em Sydney, e apitou a final da Taça das Confederações de 2005, disputada entre o Brasil e a Argentina, onde o avançado Carlos Tévez, do United, marcou presença, entrando em campo aos 72 minutos. Foi o primeiro árbitro eslovaco, desde a separação da Checoslováquia, a arbitrar um encontro da fase final de um Campeonato do Mundo, dirigindo o jogo entre o Paraguai e a África do Sul. Esteve, igualmente, no Mundial de 2006, onde apitou o encontro entre Portugal e o México, no qual participaram Paulo Ferreira e Ricardo Carvalho, do Chelsea, e Cristiano Ronaldo, do United, ficou no banco de suplentes. Dirigiu igualmente a partida entre o Brasil e o Gana, onde o médio Michael Essien, do Chelsea, foi suplente não utilizado e o jogo entre Argentina e Alemanha, que contou com a participação de Michael Ballack, do Chelsea, e Tévez.
Final da Taça UEFA
Micheľ foi o árbitro da final da Taça UEFA de 2003, entre o FC Porto e o Celtic FC e dirigiu o Grécia-Espanha, o Suíça-França e o Suécia-Holanda no UEFA EURO 2004™. Estreou-se na UEFA Champions League em 1998 e é o mais bem posicionado, entre os árbitros no activo, para se tornar no segundo homem, depois do dinamarquês Kim Milton Nielsen, a atingir a marca de 50 jogos na principal competição de clubes do futebol europeu. Arbitrou ainda a meia-final da prova entre o Liverpool FC e o Chelsea, em 2005.

in: UEFA.com

Plano de Treinos - 19 a 25 de Maio



domingo, 18 de maio de 2008

Arbitragem com reforço de peso...

José Mourinho passou, este domingo, uma manhã diferente. Perante alguns milhares de conterrâneos, o «special one» voltou a ser o Zé Mário de Setúbal e arbitrou um jogo de solidariedade entre velhas glórias do Benfica e do clube do Sado.
Duas mil pessoas encheram a bancada central do Estádio do Bonfim para verem José Mourinho em funções muito diferentes das que costuma ocupar nos relvados: no centro, de apito em punho. Apesar de estar em casa, Mourinho não se livrou de uns assobios quando decidiu a favor dos «encarnados».
Com o jogo empatado a um golo, um intervalo mais prolongado serviu para recordar velhas histórias. Pela primeira vez, o banco do Setúbal concentrou mais atenções do que o banco do Benfica. Para dar uma ilusão de imparcialidade o senhor árbitro José Mourinho, de Setúbal, também foi cumprimentar os adversários dos sadinos.
Apesar de tudo, foi na sequência de um livre assinalado por Mourinho que o Benfica marcou o golo da vitória por 2-1.
As receitas do encontro vão ser empregues em obras de remodelação do Fórum Luísa Todi, em Setúbal.
A viver aqueles que devem ser os últimos dias da pausa na carreira de treinador, nem sobre a experiência na arbitragem José Mourinho quis falar aos jornalistas.
in: tvi.iol.pt

Sugestão - Livro "O Árbitro - Esse Desconhecido"

Até ao momento as nossas sugestões tinham-se concentrado no mundo virtual dos blogs e websites. Mas porque os livros são sempre insubstituíveis, a nossa sugestão de hoje vai para um livro intitulado O Árbitro - Esse Desconhecido, publicado em 2005, mas cujos temas se mantêm actuais.

Sinopse
"O Árbitro - Esse Desconhecido" é uma abordagem ao lado mais humano do árbitro. Trata-se de um trabalho da jornalista Andreia Alexandre, a convite da editora Sete Caminhos, com lançamento para breve nas livrarias. Um projecto que aceitou pela grandeza do desafio e cujo principal objectivo é desvendar para os leitores a envolvência emocional e o perfil dos juízes antes do trabalho dentro das quatro linhas. Numa altura em que a arbitragem vive um período mais conturbado, com a suspeição materializada no foro criminal, nomeadamente com o curso do processo judicial "Apito Dourado", a autora considerou interessante conhecer as várias perspectivas da arbitragem e os seus protagonistas. No livro a autora pretende mostrar que os árbitros não têm qualquer intenção de prejudicar ou beneficiar quem quer que seja, pois é o seu nome que está em causa, trazendo assim uma perspectiva nova e certamente pouco consensual. Será, pelo menos, um contributo para o benefício da dúvida.

Gostaria de adquirir um exemplar? Clique aqui.

Final da Taça de Portugal vai começar!

Olegário, Valter, Luís e Hugo... BOA SORTE!

sábado, 17 de maio de 2008

Definição de um bom árbitro!

Eis a definição do que é um bom árbitro para um comum adepto de uma qualquer equipa:

1 - Deve ser justo
2 - Deve demosntrar consistência
3 - Deve ter capacidade de julgamento
4 - Deve ter auto-confiança
5 - Deve assinalar dois pontapés de grande penalidade à minha equipa e expulsar dois jogadores adversários!

Luís Salgado termina carreira no Jamor

Mais um amante da arbitragem vai terminar a sua carreira esta época. Vai ser no Estádio Nacional, numa final da Taça de Portugal, que Luís Salgado vai chegar ao final da sua carreira como árbitro assistente.
Certamente que não será o dia do adeus à arbitragem, no entanto será um momento marcante para o Luís. Desejamos-lhe por isso boa sorte para o jogo e, principlamente, para a nova etapa da sua vida sem bandeirola na mão!

sexta-feira, 16 de maio de 2008

Formação Prática de Árbitros Assistentes

Desenvolvemos um trabalho que tem por objectivo disponibilizar, de uma forma simples, exemplo do treino de árbitros assistentes na técnica de transportar e manusear a bandeirola enquanto correm ao longo da linha lateral. Este programa de treino destina-se, em primeiro lugar, a instrutores/monitores que administrem treino aos árbitros, podendo, no entanto, ser utilizado por qualquer indivíduo. Subdivide-se em três secções: Sinalética com a bandeirola; Preparação do Treino; e 20 Dicas sobre a utilização da bandeirola. Clique aqui para aceder ao trabalho.