segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Árbitros para primeira mão das meias-finais da Taça


O Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol divulgou, esta segunda-feira, os árbitros nomeados para a primeira mão das meias-finais da Taça de Portugal Millennium.
 
FC Porto - Benfica (02-02-2011, 20h30)
Árbitro: Paulo Baptista (AF Portalegre)
Assistentes: José Miguel Braga (AF Portalegre) e Luís Tavares (AF Portalegre)
4º Árbitro: João Roque (AF Portalegre)
Observador: Carlos Alberto Pereira Oliveira

 
Vitória de Guimarães - Académica (03-02-2011, 21h00)
Árbitro: Jorge Sousa (AF Porto)
Assistentes: José Luís Melo (AF Porto) e José Ramalho (AF Porto)
4º Árbitro: João Santos (AF Porto)
Observador: Joaquim Barbosa Dantas

Fonte: FPF

Plano de Treinos para o mês de Fevereiro





Já se encontra disponível o manual de treinos da FPF referente ao mês de Fevereiro. A planificação destes treinos é elaborada com base nos Planos de Treino de Árbitros da UEFA.


Fonte: FPF

FIFA está a analisar o impasse federativo português


Fonte do organismo confirmou que o caso "está a ser analisado e será enviado à próxima reunião do Comité de Associações", agendada para 1 de março. 


Caso o mesmo comité entenda que a medida se justifique, o processo poderá ser avaliado posteriormente pelo Comité Executivo, que pode avançar com sanções à FPF, filiada que continua sem adequar os estatutos ao novo regime jurídico, ao contrário do que a própria FIFA já aconselhou.

No sábado passado, a proposta de revisão dos estatutos da FPF foi chumbada na generalidade por "insuficiência de maioria qualificada" pelos sócios ordinários do organismo, em Assembleia-Geral extraordinária, realizada na sede do organismo, em Lisboa.

Dos 500 votos, o total do quórum da reunião magna, 353 foram a favor, o que corresponde a 70,6 por cento, quando eram necessários 75,0 por cento, mais um, e 147 contra (29,4 por cento).  


Fonte: RTP

Um verdadeiro hino ao fair-play


O vídeo que lhe apresentamos abaixo é verdadeiramente um hino ao fair-play. Na partida entre Boreham Wood FC e Boreham Wood (do 6.º escalão do futebol britânico), disputada na semana passada, houve mais do que desejo de vitória a falar mais alto. Com o Havant a vencer por 1-0 e pouco mais de 9 minutos para terminar o jogo, Mario Noto ia devolver a bola à equipa da casa após uma paragem e o seu "passe" saiu demasiado bom e a bola terminou no fundo da baliza. Para "recompensar", o Havant deixou a equipa da casa marcou e voltar à diferença original (por um golo). Veja toda a sequência de imagens e desfrute daquilo que é o verdadeiro fair-play.

domingo, 30 de janeiro de 2011

Teste Intermédio - Árbitros 3ª Categoria Nacional (Zona Norte)

Em baixo apresentamos o teste intermédio realizado pelos árbitros de 3ª Categoria Nacional no dia 29 de Janeiro de 2011.



PERGUNTAS

1.      Quais os logótipos autorizados na bola de futebol para um jogo do Campeonato Nacional da 3º Divisão?

2.      Na execução de um pontapé de saída, pode o executante ser punido com um pontapé-livre indirecto.
Que tipo de Infracção poderá cometer que conduza àquela punição?

3.      Ao fazer um lançamento de bola ao solo, esta bate nas pernas de um dos jogadores que se encontrava perto do árbitro e só depois atinge o solo.
Como deverá proceder o árbitro?

4.      Existem três motivos que podem levar o árbitro a advertir um jogador suplente.
Refira-os.

5.      Uma equipa tem só sete jogadores, quando se dá um ataque prometedor da equipa adversária.
Nesse momento, um jogador da equipa em inferioridade numérica abandona intencionalmente o terreno de jogo.
Como deverá agir o árbitro?

6.      As faltas praticadas à distância sobre adversários, estando o jogo a decorrer, podem originar os seguintes recomeços:

a)      Pontapé-livre directo;
b)      Pontapé de grande penalidade;
c)      Pontapé-livre indirecto;
d)     Bola ao solo;
Descreva um lance que dê origem à punição prevista na alínea d)

7.      Colocado dentro da sua área de grande penalidade, um jogador agride com um soco um adversário que se encontrava fora dessa área.
O que decidir nesta situação?

8.      Para um árbitro punir um jogador que se encontra infringindo a Lei 11, quais são as três condições dele participar activamente no jogo e ser por isso possível de castigo?

9.      Um árbitro assistente levanta a bandeira ao alto e corre para o centro do terreno cerca de 20 a 30 metros.
Que indicação pretende dar ao árbitro com aquela sinalética?

10.  Ao intervalo, sem disso darem conhecimento ao árbitro, um jogador troca de lugar com o guarda-redes.
O anterior guarda-redes, a jogar agora com a camisola nº2, toca a bola com a mão dentro da sua área de grande penalidade, em lance que não oferecia qualquer perigo. Com deveria proceder o árbitro?

11.  Um jogador arremessa de dentro do campo um objecto (bota por exemplo) a um adversário que acidentalmente se encontrava fora do terreno a receber assistência e atinge-o com gravidade.
A bola nesse momento estava a ser jogada na grande área do jogador atingido. Como deveria proceder o árbitro?

12.  Um defesa, sobre a linha de golo, mete as mãos à bola para evitar que ela entre na baliza. A bola ressalta e o mesmo avançado que chutara à baliza faz rapidamente recarga, introduzindo a bola na baliza.
Como deve proceder o árbitro?

13.  Quando um avançado é impedido de caminhar com a bola em direcção da baliza adversária, diga duas condições que possam levar a sua expulsão.

14.  Na marcação de um pontapé-livre directo a favor da equipa que defende, dentro da área de grande penalidade, o marcador passou a bola directamente ao seu guarda-redes e o árbitro, correctamente, deixou prosseguir o jogo.
Em que condições será possível esta decisão?

15.  Em que circunstâncias especiais se reveste a execução de um pontapé-livre indirecto concedido dentro da área de baliza a favor da equipa defensora?

16.  Que equipa deverá executar o primeiro pontapé de grande penalidade no caso do vencedor do jogo se decidir por pontapés a partir da marca de grande penalidade?

17.  Um colega do executante de uma grande penalidade, colocado fora da área de grande penalidade, junto de uma das linhas perpendiculares à linha de baliza, avança para a frente da linha da bola antes de esta partir.
O árbitro verifica o movimento do jogador mas mesmo assim permite que o pontapé seja efectuado.
A bola foi defendida pelo guarda-redes a soco para a frente.
Com deve agir o árbitro?

18.  Que procedimento técnico e disciplinar deverá tomar árbitro quando um jogador não executa o lançamento pela linha lateral no local onde a bola tinha saído?

19.  Um jogador executa um lançamento de bola pela linha lateral, na direcção da sua própria baliza.
Como deverá proceder o árbitro se a bola foi recebida pelo guarda-redes, que veio fora da área controlá-la com os pés, levando-a de seguida para dentro daquela área, onde então a agarrou com as mãos e lançou para jogo?

20.  Do relatório do árbitro consta a seguinte advertência:
“Aos 25m da 1ª parte foi advertido o jogador nº 12 da equipa B por infringir com persistência as Leis do jogo"
            Acha correcta esta descrição? Justifique a sua resposta.

Podem fazer o download do documento aqui

sábado, 29 de janeiro de 2011

Hoje é o dia D dos estatutos da Federação Portuguesa de Futebol




Muita pressão e poucas certezas assinalam os instantes que antecedem uma assembleia geral decisiva, que irá marcar o futuro do futebol português.
Contavam-se ontem as últimas "espingardas" e ninguém avançava prognósticos. Faziam-se as últimas pressões e as mais diversas contabilidades. Mas será sem certezas antecipadas que irá decorrer hoje, em Lisboa, a assembleia geral da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) para votar os novos estatutos. Tudo debaixo de um clima de dramatismo e crispação, com posições extremadas nos últimos dias. Como pano de fundo está a luta pelo poder no organismo que tutela o futebol nacional. De um lado, os favoráveis ao novo enquadramento jurídico, encabeçados pela Liga Portuguesa de Futebol Profissional; do outro, os seus detractores, liderados por parte significativa das associações distritais e regionais (ver caixas).

E qual é a importância desta "batalha" para o futebol português? Para já, porque pesa sobre a modalidade a ameaça de uma "bomba atómica" do Governo, caso a FPF persista em manter-se à margem da legalidade: ou seja, a aprovação de estatutos decorrentes do novo Regime Jurídico das Federações Desportivas (RJFD), aprovado pelo executivo no final de 2008. Se persistir o ilícito (que é refutado por grande parte do movimento associativo), restará à Secretaria de Estado da Juventude e do Desporto a derradeira arma: retirar totalmente o estatuto de utilidade pública ao organismo presidido por Gilberto Madaíl.

Consequências? No limite, a suspensão de toda a actividade desportiva da FPF, impossibilitando apoios financeiros aos clubes, ligas ou associações nos respectivos quadros competitivos, a perda de todos os benefícios fiscais, assim como o não- reconhecimento dos campeonatos, impedindo a participação nas competições europeias.

Uma "arma de destruição maciça" que não está, de momento, nas equações do Governo, até pelas consequências políticas que poderia acarretar. Para já, as punições impostas por Laurentino Dias visam as associações, em particular, e não a FPF no seu todo. Primeiro, em Abril de 2010, suspendeu os contratos-programa com o movimento associativo, para agravar as sanções financeiras no princípio deste ano.

Posições extremadas

Medidas, estas, que não assustaram as associações contestatárias, lideradas por Lourenço Pinto, presidente da Associação de Futebol do Porto, a maior do país (inicialmente as associações constituíram um bloco uno, mas algumas acabaram por ceder às posições dos seus clubes associados, que foram, por sua vez, pressionados pela LPFP). E também não ficaram particularmente preocupadas com as ameaças do presidente da FPF de uma intervenção punitiva da FIFA ao futebol nacional, suspendendo eventualmente os clubes e as selecções das competições internacionais.

Pelo contrário, as derradeiras intervenções do Governo e de Gilberto Madaíl serviram apenas para radicalizar as suas posições. As associações antiestatutos recuperaram mesmo aliados que, entretanto, se tinham manifestado disponíveis para encontrar uma solução, como foi o caso da Associação de Futebol de Braga. Mas também do outro lado da barricada surgiram novos potenciais apoios. O mais inesperado poderá ser o de Horácio Antunes, presidente da Associação de Futebol de Coimbra, que era, até esta quinta-feira, um dos indefectíveis de Lourenço Pinto.

Para aprovar os novos estatutos serão necessários 75 por cento dos votos da AG (375 dos 500), que tem início previsto para o final da manhã. E tudo pode acontecer até ao momento preciso da votação.

Argumentos pró-estatutos

- Um modelo mais democrático e participado, por não atribuir a qualquer associado da FPF uma representação esmagadora na assembleia geral, ao contrário do que acontece actualmente, com os votos das associações distritais e regionais a formarem, no seu conjunto, um bloco de 55 por cento dos votos.

- Reforço das competências do presidente da FPF, que passa a poder nomear e destituir livremente os órgãos federativos que não devam ser eleitos: direcção, conselho de disciplina e, parcialmente, conselho de arbitragem. Actualmente está condicionado, nesta matéria, a uma prévia aprovação da assembleia geral.

- Limitação dos mandatos: os dirigentes federativos só podem candidatar-se a três mandatos consecutivos, à semelhança do que já acontece nas autarquias.

- Renovação do estatuto de utilidade pública atribuído pelo Governo a cada ciclo de quatro anos.

Argumentos contra estatutos

- Redução do peso do futebol associativo (formadores de árbitros, jogadores, fisioterapeutas, funcionários e treinadores) e reforço do profissional na FPF. As associações consideram-se representativas da esmagadora maioria dos jogadores federados amadores: 136 mil, contra 1530 profissionais.

- O perigo de "gestão ditatorial" do(s) próximo(s) presidente(s) face ao reforço do seu poder executivo, nomeadamente para nomear e destituir membros dos vários órgãos sociais.

- Aumento ilegítimo do poder das associações de classe na assembleia geral (AG), com o Sindicato dos Jogadores, por exemplo, a alcançar 15 por cento dos votos, mas representando apenas 1,14 por cento do total dos atletas.

- A atribuição de 10 por cento dos votos da AG à Liga de Futebol Não-Profissional, que não organiza competições.



Fonte: Publico

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Cursos no Chipre preparam Árbitros Internacionais

Os principais árbitros europeus e estreantes na lista dos juízes internacionais vão acelerar os seus preparativos para o um ano cheio de acção, que agora começou, quando participarem, na próxima semana, nos cursos de Inverno da UEFA, que decorrerão em Limassol, Chipre.


O 19º Curso Avançado Para Árbitros de Elite e Primeira Categoria da UEFA conta com 45 juízes de elite e internacionais, enquanto o 20º Curso Introdutório para Árbitros Internacionais envolve 30 novos juízes internacionais de toda a Europa.

Os cursos, que decorrerão entre 30 de Janeiro e 4 de Fevereiro, não analisarão apenas o início da época, mas também constituirão um importante aviso para os compromissos que os árbitros terão na UEFA Champions League, UEFA Europa League e nos jogos das selecções nacionais.

Foi organizado um horário exigente para os acontecimentos da próxima semana, que terão como anfitriã a Federação Cipriota de Futebol (KOP/CFA) e que também incluirá uma reunião do Comité de Árbitros da UEFA.

O curso introdutório obrigatório visa ajudar os novos 34 árbitros internacionais, seleccionados pela FIFA e provenientes de 24 países, a preparem-se para dirigir encontros europeus – começando nos mini-torneios das competições para selecções mais jovens e das pré-eliminatórias da UEFA Champions League e UEFA Europa League e, também, a evoluírem nas suas carreiras.

Os novos árbitros da UEFA farão o teste físico completo da UEFA, assim como outros exercícios de avaliação física, e também verão testados os seus conhecimentos de língua inglesa, agora a língua franca de arbitragem. A parte teórica do curso introdutório verá membros do Comité de Arbitragem da UEFA e os instrutores darem conselhos de posicionamento e tomada de decisões, com o recurso a imagens de jogos recentes de provas organizadas pela UEFA, assim como de sessões práticas.

Finalmente, os novos árbitros serão instruídos sobre as tarefas que terão de desempenhar relativamente a procedimentos administrativos junto da UEFA. Esse curso realizar-se-á de domingo a quarta-feira.

O curso avançado juntará árbitros experientes: 24 de Elite e 21 de Primeira Categoria e Primeira Categoria de Desenvolvimento. Tal como acontece com os seus homólogos menos experientes, o programa inclui sessões físicas (com incidência para o teste físico da FIFA), teóricas e práticas. O curso avançado foi prolongado em mais um dia, quando comparado com anos anteriores, pelo que os participantes chegarão na segunda-feira e regressarão aos respectivos países na quinta-feira.

Outra novidade, explicada pelo secretário-geral da UEFA, Gianni Infantino, numa mensagem de boas-vindas aos delegados, é que "este ano, efectuar-se-á um exame à visão de cada árbitro, assim como as habituais sessões de medições e 'check-ups' médicos, ilustrando que o Comité de Arbitragem da UEFA está preocupado, não apenas com a boa forma física dos árbitros, mas também com a sua saúde."

O curso também ganhará com o "know-how" proporcionado por vários árbitros que marcaram presença no último Campeonato do Mundo, "uma competição que mostrou o nível do futebol europeu e da sua arbitragem", conforme disse Gianni Infantino. Também analisará a experiência adquirida com a medida experimental com os árbitros-assistentes adicionais, que esta época foi alargada à UEFA Champions League, para além da UEFA Europa League.

"Serão partilhadas durante o curso as experiências da primeira parte da época da UEFA", acrescentou o secretário-geral da UEFA. "Desejo a todos os participantes, prelectores e pessoal de apoio no Chipre, uma estadia agradável."

Fonte: UEFA.COM

Criado Núcleo de Árbitros de Anadia

O Núcleo de Árbitros de Anadia (NAA) foi criado há cerca de dois meses e tem como principais objectivos reunir os árbitros do concelho de Anadia e dos concelhos limítrofes, bem como antigos árbitros e amigos da arbitragem.


Rui Tiago Patrício - Presidente do NAA
Segundo o seu presidente, Rui Tiago Patrício, a criação do Núcleo “era muito importante”, pois “vai permitir criar as condições para que possa ser dada a devida formação a fim de alcançar um nível de exigência e qualidade maiores”. Por outro lado, “com um núcleo mais próximo, os árbitros de Anadia irão sentir-se mais apoiados”.

De recordar que antes da criação do NAA, os árbitros realizavam, pontualmente actividades, mas a partir de agora a situação muda substancialmente, permitindo desenvolver outro tipo de iniciativas.

O Núcleo reúne árbitros de futebol, futsal e, eventualmente poderá acolher árbitros de outras modalidades.

Neste momento, o NAA ainda não tem uma sede própria, contudo, os responsáveis já reuniram com o presidente da Câmara de Anadia que se mostrou receptivo para apoiar o núcleo.

Rui Tiago refere que “apenas necessitamos de uma sala, para nos podermos juntar, dar formação e também conviver”.

As actividades que pretendem desenvolver passam por dar formação a novos árbitros, bem como formação contínua aos árbitros que se encontram em actividade. O espaço vai permitir ainda a projecção de vídeos com o objectivo de analisar os jogos, em termos de arbitragem, designadamente alguns dos lances mais polémicos.

De referir que esta semana tem início em Anadia, um curso de formação de novos árbitros.

Os responsáveis do NAA pretendem fazer a apresentação pública do NAA a curto prazo, contudo, ainda não há uma data prevista. “Queremos que esta acção seja mais do que uma mera apresentação. O nosso objectivo é que seja um momento de debate onde possa abordar a importância dos núcleos, bem como alguns dos problemas da arbitragem”, explicou o presidente do NAA, frisando que para tal “estamos já a envidar esforços para que estejam presentes algumas das mais altas individualidades da arbitragem nacional, como sejam Vítor Pereira, presidente do Conselho de Arbitragem da Liga Profissional de Futebol, Luís Guilherme, presidente da Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol e o árbitro internacional Olegário Benquerença, entre outros”.

De referir que os árbitros de Anadia estão com uma boa perfomance. Actualmente, há quatro árbitros no escalão Nacional (Rui Tiago, Carlos Taveira, António Ferreira e Ana Amorim).

À semelhança do que existe com as equipas de futebol que treinam várias vezes ao longo da semana, os árbitros também realizam os seus treinos, onde trabalham os aspectos físico e técnico. No caso de Anadia, os árbitros realizam os seus treinos no Centro de Estágios do Luso à terça e quinta-feiras, pelas 19h00.

Segundo Rui Tiago, um dos problemas da arbitragem, ao nível distrital, é o da fiscalidade que afecta, essencialmente os árbitros mais novos, os que se encontram no primeiro emprego, com bolsas de estudo e os desempregados. “Esta situação está a fazer com que muitos jovens não queiram continuar na arbitragem”, afirmou.

Para terminar, o presidente do NAA apela para que todos os amantes da arbitragem desta região de Anadia, árbitros e não árbitros, se tornem sócios desta associação para assim a tornarem mais forte, uma das mais fortes do país, se possível.

Fonte: Região Bairradina 

10 Questões a... João Capela



O site de arbitragem RefereeTip.com e o site institucional da APAF - Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol possuem uma parceria online intitulada “10 Questões a…”.
Nesta rubrica, comum aos dois websites, convidamos semanalmente uma personalidade a responder a 10 questões relacionadas com a arbitragem.

Como convidado desta semana temos o novo árbitro internacional de futebol, João Capela
João Capela é um árbitro considerado por muitos como “uma das caras de uma nova geração de árbitros portugueses”. Nesta entrevista ele explica como conseguiu atingir os seus objectivos, e quais os novos objectivos traçados. É mais uma entrevista de enorme qualidade que dá a conhecer o novo árbitro internacional Português


JOÃO CAPELA

1.      O que te fez entrar para a arbitragem?

R. A paixão pelo futebol. Pratiquei desde os 12 até aos 23 e quando abandonei, senti a necessidade de manter o vínculo a este fabuloso desporto.

2.      Quais os momentos mais marcantes, pela positiva e pela negativa, que já viveste como árbitro?

R. Os mais positivos foram sem dúvida as grandes amizades que a arbitragem me proporcionou e todos aqueles (jogos e épocas) em que senti a satisfação de o dever cumprido e do objectivo alcançado. Os menos positivos e que mais me marcaram foram as despromoções ou épocas falhadas dos meus amigos. Nesta carreira nunca temos a satisfação plena, porque mesmo tendo sucesso, é garantido que uns dos nossos não o teve, e isso é sempre difícil de gerir emocionalmente.

3.      Que entendimento fazes da expressão “João Capela é uma das caras de uma nova geração de árbitros portugueses”?

R. O meu entendimento é que toda a estrutura tem a noção que houve uma evolução positiva na arbitragem e que todos os meus colegas têm contribuindo para que assim seja, pois o nosso grande compromisso é garantir a imparcialidade e a valorização do futebol.


4.      Quando é que soubeste que ias ser indicado como árbitro FIFA?E qual a tua reacção a essa notícia?

R. No final da época passada, e pela classificação das anteriores, tinha a noção que poderia ser indicado, mas só após o plenário da FPF é que fui notificado que isso era uma realidade, mas que estaria dependente de aprovação da FIFA, pois havia a possibilidade de redução do quadro de internacionais. Por esse motivo, foi uma sensação agridoce, por um lado enorme satisfação e por outro alguma apreensão. O mais engraçado desta história é que tenho a confirmação (não oficial) que sou internacional no aeroporto de Lisboa, quando fui fazer um jogo a Valência como AAA (final de Novembro), e que ao “navegar” pela plataforma da UEFA (Fame), que tem os registos de todos os Árbitros, Assistentes, AAA`s e 4º Árbitros, cliquei no meu nome e vinha a indicação que a partir de 2011 era internacional. Nesse momento senti uma enorme alegria, satisfação e orgulho.

5.      Foste já nomeado para o jogo Espanha - Dinamarca (Sub-21), a realizar no próximo dia 8 de Fevereiro. Qual a sensação de receber esta nomeação e quais as expectativas para esta partida?

R. Foi com enorme satisfação que recebi esta primeira nomeação, mas também com enorme sentido de responsabilidade, pois irei representar a arbitragem nacional e por isso as minhas expectativas são muito altas. Tenho a noção que devido á minha idade, todos os jogos serão uma final e é já neste que começo a trilhar um novo caminho.

6.      Qualquer percurso é feito de definição de objectivos. Depois de chegar a árbitro internacional, que objectivos tens traçados para a tua carreira?

R. A minha carreira tem de ser feita em duas frentes, nacional e internacional. A nível nacional, e agora que alcancei este estatuto, tenho ainda mais responsabilidades e por isso tenho de continuar, com a colaboração dos meus colegas de equipa, a procurar o caminho para a excelência, pelo que a médio, longo prazo tenho o objectivo de ser um dos três melhores árbitros portugueses. A nível internacional, e como já referi, os objectivos imediatos são pensar jogo a jogo e tudo fazer para que no final de cada um, a minha equipa seja a melhor em campo. A curto prazo tenho como objectivo ser promovido ao grupo 3 e depois de alcançar essa meta, definirei outra.

7.      A Profissionalização da Arbitragem é uma das grandes questões actualmente em debate. Na tua opinião, em que moldes é possível avançar-se para a profissionalização dos árbitros? Quais os benefícios dessa mudança?

R. Os benefícios são todos e mais alguns. Sobre a forma em que seria possível avançar, penso que o modelo do projecto-piloto em que tive a felicidade de estar inserido, será o caminho, mas também penso que qualquer passo a dar em frente nesta matéria, terá que ser sempre suportado pelo enquadramento legal e pela garantia da continuidade da carreira após os 45 anos, sem nunca esquecer a formação, pois é necessário que exista um plano integrado de formação a nível nacional, para garantir a qualidade dos árbitros que cheguem a profissionais.

8.      Quem são/foram as tuas referências na arbitragem?

R. Ao longo da minha carreira tive várias referências que passaram por árbitros distritais, nacionais e internacionais, pelo que não irei destacar nenhum porque todos eles foram importantes para a minha construção enquanto árbitro e principalmente como homem.

9.      Se tivesses de convencer um jovem a entrar para a arbitragem, que argumentos usarias? E que conselhos darias para o ajudar a alcançar o sucesso?

R. Começaria por fazer ver o compromisso social que a arbitragem tem, o espírito de camaradagem em que vivemos e a importância que a arbitragem teve na minha construção como homem. Os principais conselhos que lhe daria eram que mantivesse o equilíbrio entre a arbitragem e a vida pessoal (família e amigos) e que numa primeira fase da carreira, tentasse retirar o melhor de todos os colegas, dos bons e dos menos bons, pois destes últimos, é sempre possível aprender o que se pode fazer de diferente.

10.  Que questão nunca te colocaram mas à qual gostarias de responder? (faz uma pergunta e responde)

Qual a importância da família na tua carreira de árbitro?
R. Têm sido os pilares da minha carreira, com um destaque especial para a minha mulher que tem conseguido equilibrar e compensar a minha ausência, quer junto dela, quer junto da minha filha, sem nunca esquecer a minha mãe que sempre me apoiou nesta jornada que começou em Março de 1997.

O RefereeTip agradece a disponibilidade demonstrada pelo João em cooperar com esta rubrica semanal.

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Final do AFC Asian Cup Qatar 2011™ dirigida por Ravshan Irmatov



Nomeado como o melhor árbitro da Ásia, Ravshan Irmatov do Uzbequistão, foi o árbitro indicado para dirigir a final do AFC Asian Cup Qatar 2011™ entre as equipas da Australia e Japão. O jogo será realizado no dia 29 de Janeiro no recinto Khalifa Stadium.

A equipa de arbitragem é constituída pelos seguintes elementos:
Árbitro: Ravshan Irmatov (UZB)
Árbitros Assistentes: Rasulov Abdukhamidullo (UZB), Ilyasov Rafael (UZB)
4º e 5º elemento: Subkhiddin Mohd Salleh (MAS), Mu Yuxin (CHN)


Para o encontro onde se decide o 3º e 4º classificado foi nomeado o árbitro Abdul Malik Bin Abdul Bashi de Singapura. O encontro será realizado no dia 28 no recinto Al Sad Stadium entre as equipas do Uzbequistão e da Coreia do Sul.

A equipa de arbitragem é constituída pelos seguintes elementos:
Árbitro: Abdul Malik Bin Abdul Bashir (SIN)
Árbitros Assistentes: Goh Gek Pheng Jeffrey (SIN), Haja Maidin Bin A P Peer (SIN)
4º e 5º elemento: Abdulrahman Mohammed A M Hussain (QAT),  Mohd Sabri Bin Mat Daud (MAS)

Podem consultar a lista de todos os jogos e respectivas equipas de arbitragem “aqui”

Fonte: AFC Asian Cup

Vítor Pereira mantém vontade de fazer análises públicas


O presidente da Comissão de Arbitragem da Liga foi fortemente criticado pelos outros representantes dos organismos ligados aos árbitros - o Conselho de Arbitragem da FPF (Carlos Esteves) e a APAF (Luís Guilherme).


O presidente da Comissão de Arbitragem da Liga, Vítor Pereira, garantiu hoje, em declarações à Agência Lusa, que «vai continuar a efectuar publicamente análises periódicas sobre o trabalho das arbitragens» na Ligas principal e de Honra.
«Vou manter o rumo que está traçado», disse Vítor Pereira, quando questionado se iria prosseguir com as conferências de imprensa periódicas para analisar em público o trabalho dos árbitros que dirigem jogos das duas ligas profissionais.

Confrontado com o mal-estar que estas suas iniciativas estão a provocar entre os árbitros, Vítor Pereira refugiou-se no argumento de que se trata de um assunto que «deve ser discutido no seio da sua equipa e dos árbitros».

O presidente da Comissão de Arbitragem escusou-se a comentar a chuva de críticas que sobre ele desabou depois da terceira conferência de imprensa que concedeu na terça-feira, designadamente por parte do presidente do Conselho de Arbitragem da FPF, Carlos Esteves, e do presidente da Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF), Luís Guilherme.

O primeiro referiu que os árbitros «estavam a ser expostos» e que tais esclarecimentos públicos «não eram benéficos», tanto mais que Vítor Pereira, tendo já sido árbitro, «também não gostaria que lhe fizessem o mesmo».

Carlos Esteves foi mesmo mais longe, ao referir que a UEFA «é contra» este procedimento e que «poderá vir a tomar uma posição» face ao presidente da Comissão de Arbitragem da Liga, o qual «já desempenhou funções no comité de arbitragem da UEFA».

Já Luís Guilherme entende que «as regras devem ser claras e definidas no início da época e não quando há incidentes e que devem ser preparadas no seio da arbitragem, com os árbitros».

O presidente da APAF considera ainda que este procedimento de Vítor Pereira «não pode servir para "‘derreter’ as pessoas na praça pública» e que «não está a ser bem recebido no seio dos árbitros».

Fonte: Mais Futebol

UEFA não comparece na AG da FPF



A UEFA confirmou esta quinta-feira à agência Lusa que não enviará qualquer representante à Assembleia-Geral da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) do próximo sábado, que servirá para votar a adequação dos estatutos ao novo regime jurídico.

"Não enviaremos nenhum observador à próxima Assembleia-Geral por ser uma reunião extraordinária, mas voltaremos a indicar um representante na próxima reunião ordinária", esclareceu à Lusa fonte do organismo.

Tal como já tinha sublinhado o presidente da FPF, Gilberto Madaíl, a fonte da UEFA confirmou que a presença de um representante do organismo europeu nas reuniões magnas das federações filiadas "é muito comum".

Fonte: Record 

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Gilberto Madaíl solicitou à UEFA que não enviasse os representantes à Assembleia Geral de dia 29



Gilberto Madaíl solicitou à UEFA que não enviasse os dois representantes à Assembleia Geral de dia 29 para que tal não fosse entendido como uma forma de pressão sobre os sócios.

O Presidente da FPF acredita, por outro lado, que haverá capacidade e vontade colectiva para resolver o problema da adequação estatutária ao Regime Jurídico das Federações Desportivas.


Fonte: FPF

Opinião: As mulheres na sociedade futebolística



Bonitas, simpáticas e dedicadas, são as mulheres que a cada ano estão ganhando espaço dentro do universo da arbitragem de futebol. Elas sabem captar mais rapidamente as reais necessidades que a nobre função exige, pois são detalhistas e aplicadas e, assim ganham cada vez mais um lugar de destaque dentro da sociedade futebolística.

No entanto mesmo com o crescimento da presença feminina dentro da arbitragem o preconceito é o muro a ser derrubado. Este preconceito é observado em todos os seguimentos da sociedade futebolística, até mesmo de alguns companheiros que não vêem elas como árbitros e sim como mulheres, por serem do sexo oposto possam obter certo privilégio dentro do universo da arbitragem.

Com tudo a expectativa é o crescimento cada vez maior da presença feminina dentro desta globalização que o mundo esta vivenciando, e, não será diferente na arbitragem. Esta presença pode ser simplificada com a eleição de Dilma Roussef para presidência do Brasil, quebrando o monopólio machista que vinha deste da princesa Isabel.

A presença feminina não se resume na simpatia e beleza nos estádio de futebol, significa uma integração de pensamentos e atitudes entre homens e mulheres que resultam num ganho de diversidade no ambiente de trabalho.

O estereótipo criado historicamente de que a mulher só serve para cuidar do lar e dos filhos, vem sendo quebrado, assim possamos ter uma sociedade mais justa, com oportunidade iguais e sem descriminação, não somente no universo da arbitragem mais sim em todos os seguimentos do mundo globalizado.

Por Valter Ferreira Mariano
Escrito em Português do Brasil

O futebol também tem destes momentos especiais (Video)



A sessão de treinos de ontem do Barcelona foi muito especial para Lionel Messi. O jogador, de 23 anos, recebeu a visita de Soufian, um menino de 10 anos que tem Síndrome de Laurin-Sandrow, uma condição que levou à amputação das pernas. Com umas próteses – devidamente forradas com as cores do clube catalão –, Soufian teve a oportunidade de “treinar” com o melhor jogador do Mundo no centro de treinos do Barça e, no final, foi surpreendido pelo seu ídolo, que lhe deu a bola com que jogaram.

Vejam o video seguinte:


RefereeTip 

Nomeações 3ª jornada da 3ª Fase - Bwin Cup




Já se encontra disponível a lista dos árbitros nomeados para dirigir os jogos referentes a Árbitros nomeados para a 3ª Fase - 3ª jornada da Bwin Cup


Gil Vicente - Porto
Árbitro: Artur Soares Dias
Árbitros Assistentes: Bertino Miranda, João Silva
Observador: Soares Pinto

Beira-Mar - Nacional
Árbitro: Vasco Santos
Árbitros Assistentes: Alexandre Freitas, Paulo Vieira
Observador: António Brandão

Aves - Benfica
Árbitro: Carlos Xistra
Árbitros Assistentes: José Cardinal, Jorge Cruz
Observador: Sales Gomes

Olhanense - Marítimo
Árbitro: Bruno Esteves
Árbitros Assistentes: Valter Pereira, Rui Cidade
Observador: Amilcar Ventura

Arouca - Braga
Árbitro: Hugo Pacheco
Árbitros Assistentes: Rui Licínio, Vitor Carvalho
Observador: Humberto Gonçalvez

Paços Ferreira - V. Guimarães
Árbitro: Duarte Gomes
Árbitros Assistentes: Tiago Trigo, Pedro Garcia
Observador: Fernando Ilídio

Estoril - Sporting
Árbitro: Cosme Machado
Árbitros Assistentes: Alfredo Braga, Inácio Pereira
Observador: Natálio Silva

Penafiel - Naval
Árbitro: Diogo Santos
Árbitros Assistentes: Bruno Silva, Pedro Ribeiro
Observador: Mário Graça

Fonte: LPFP

Carlos Esteves considera que os balanços realizados por Vítor Pereira não são benéficos




Vítor Pereira, presidente da Comissão de Arbitragem da Liga Portuguesa de Futebol, voltou a fazer, esta terça-feira, um novo balanço sobre as arbitragens praticadas nas últimas jornadas da I e II Liga.


Carlos Esteves, responsável máximo pela arbitragem na FPF, presente na cerimónia de homenagem aos 69 anos de Eusébio, aproveitou para deixar um recado ao seu homólogo da Liga.


«Não gostaria muito de falar sobre isso porque é um organismo autónomo (referindo-se à Comissão de Arbitragem da Liga)mas eles sabem o que a UEFA acha dessas coisas. O presidente da Comissão de Arbitragem da Liga, que foi membro da UEFA, sabe que esse organismo não gosta desse tipo de manifestações, se não sabe, quando souber, pode tomar alguma acção», disse Carlos Esteves.


Quando os jornalistas presentes o confrontaram se a UEFA deveria intervir nas acções de Vítor Pereira, Carlos Esteves não hesitou: «Acho que não é benéfico porque os árbitros sentem-se expostos. O Sr. Vítor Pereira, que foi árbitro internacional, não gostaria que lhe fizessem o mesmo».


Podem visualizar a entrevista com mais detalhes a seguir:




Fonte: Sapo Desporto

Árbitros internacionais em cursos da UEFA


Para participar no Curso da UEFA para os Árbitros de Elite e de Primeira Categoria, a realizar do dia 31.01 a 04.02.2011, foram convocados os seguintes árbitros:
Árbitro: Olegário Manuel Bartolo Faustino Benquerença
Árbitro: Pedro Proença Oliveira Alves Garcia
Árbitro: Bruno Miguel Duarte Paixão

Para participar no Curso da UEFA para Novos Árbitros Internacionais, a realizar do dia 31.01 a 04.02.2011, foram convocados os seguintes árbitros:
Árbitro: João Carlos Santos Capela

Fonte: APAF

João Capela no primeiro jogo Internacional


Para actuar no Jogo Particular “Espanha/Dinamarca” (Sub-21), a realizar no dia 08.02.2011, foram nomeados os seguintes árbitros:

Árbitro: João Carlos Santos Capela
Árb. Ass: Ricardo Jorge Ferreira Santos
Árb. Ass: Tiago Manuel Almeida Rocha

Fonte: APAF

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Nomeações Taça de Portugal Millennium: Árbitros para quartos-de-final

O Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol divulgou, esta terça-feira, as nomeações para os três jogos que faltam completar nos quartos-de-final da Taça de Portugal Millenium.
 
26-01-2011 (quarta-feira), 20h30
Rio Ave - Benfica
Árbitro: João Ferreira (AF Setúbal)
Assistentes: Fernando António e Luís Ramos (AF Setúbal)
4º Árbitro: Joaquim Gayo (AF Braga)
Observador:  Arlindo Valdemar Ramalho Coimbra
 
27-01-2011 (quinta-feira), 20h30
Merelinense - Vitória Guimarães
Árbitro: Rui Costa (AF Porto)
Assistentes: João Santos e Serafim Nogueira (AF Porto)
4º Árbitro: José Rodrigues (AF Porto)
Observador: Joel Alcino Fernandes Amado
 
28-01-2011 (sexta-feira), 20h30
Académica - Vitória Setúbal
Árbitro: Hugo Miguel (AF Lisboa)
Assistentes: Hernâni Fernandes e Ricardo Santos (AF Lisboa)
4º Árbitro: José Laranjeira (AF Coimbra)
Observador: Carlos Alberto Pereira Oliveira

Fonte: FPF