quinta-feira, 31 de julho de 2008

Sugestão: Livro "Bíblia do Árbitro de Futebol de Onze"

O Núcleo de Árbitros de Futebol da Figueira da Foz informou através do seu blog todos os interessados que, já se encontra à venda a obra de autoria do Sr. José Agostinho Rodrigues, intitulada a "Bíblia do Árbitro" pelo preço de 15,00 € para sócios e 17,50 € para não sócios.
As encomendas deverão ser feitas para o NAFFF através do seu email: nafff@sapo.pt, referindo como preferem fazer o levantamento da obra. No caso de manifestarem o desejo que lhes seja enviada por correio, acresce o valor dos portes de correio. Neste caso é necessário que o interessado envie o seu endereço correctamente a fim de que não haja extravio no envio da mesma.
Devido ao número limitado de exemplares, devem os interessados providenciar alguma prioridade na aquisição do livro.
O NAFFF e todas as Entidades que dela já tiveram conhecimento, garantem ser uma obra de elevada qualidade e aconselhável a todos os árbitros. São 444 páginas versando no I Mandamento: Leis do Jogo, II Mandamento: Normas e Regulamentos, III Mandamento 1440 Perguntas e Respostas e IV Mandamento: Recomendações úteis para antes, durante e final do jogo.

Jorge Sousa apita hoje jogo da Taça UEFA

O árbitro internacional Jorge Sousa (AF Porto), irá dirigir hoje a entre FK Milano e AC Omonia, relativo à segunda mão da primeira eliminatória da Taça UEFA. Neste jogo, far-se-á acompanhar pelos árbitros assistentes Alfredo Braga (AF Braga) e José Ramalho (AF Vila Real), enquanto Artur Soares Dias (AF Porto) desempenhará as funções de quarto árbitro.

Confederação das Associações de Juízes e Árbitros de Portugal

Juízes querem fazer ouvir a sua voz
Criação de Ordem Profissional é Objectivo
Os árbitros e juízes portugueses das várias modalidades estão unidos em confederação para fazer "ouvir a sua voz, em contraponto à visão 'guerrilheira' do Desporto (estilo Norte-Sul), numa "antecâmara" de uma futura Ordem profissional do sector.
Na tomada de posse dos órgãos sociais da Confederação das Associações de Juízes e Árbitros de Portugal (CAJAP), formalmente constituída em 12 de Maio de 2006, o seu presidente, António Sérgio, líder da Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF), classificou o evento como uma "cavalgada na História".
"Findar-se-á a Idade Média e iniciar-se-á a Idade Moderna", disse quarta-feira António Sérgio, na cerimónia que teve lugar na sede do Comité Olímpico de Portugal, em Lisboa, sublinhando a necessidade da célere publicação do despacho conjunto relativo à fiscalidade específica para os árbitros em relação ao IRS e à profissionalização dos árbitros e também da gestão do sector.
A CAJAP reúne oficiais de múltiplas modalidades, visando defender os interesses dos árbitros e juízes desportivos, e conta no seu conselho consultivo com o presidente da Comissão de Arbitragem da Liga Portuguesa de Futebol Profissional, o antigo árbitro Vítor Pereira.

Foto: Aprovação dos Estatutos da CAJAP na sede da APAF em 12 de Maio de 2006
Texto: Jornal Record

Xistra apita hoje Áustria Viena - FC Tobol Kostanay

Carlos Xistra, árbitro internacional da AF Castelo Branco, apita hoje o jogo entre o Áustria de Viena (Áustria) e o FC Tobol Kostanay (Cazaquistão) a contar para a Taça UEFA. A acompanhá-lo, terá os árbitros assistentes Bertino Miranda e João Santos. Vasco Santos será o quarto árbitro.

quarta-feira, 30 de julho de 2008

Alteração aos Quadros de Árbitros da 2ª e 3ª Cat. da FPF

A Federação Portuguesa de Futebol divulgou, através Comunicado Oficial n.º028 de 30 de Julho, mais duas alterações nos seus quadros de árbitros.
Assim, em consequência do pedido de licenciamento do ex-árbitro de 1ª categoria, João Vilas Boas(actualmente na 2ª cat.), foram chamados a completar as vagas surgidas os seguintes árbitros:
Marco Gomes (AF Leiria) ascende ao Quadro de Árbitros da 2ª Categoria Nacional
Bruno Pinto da Costa (AF Aveiro) ascende ao Quadro de Árbitros da 3ª Cat. Nacional
Felicitamos ambos os colegas, desejando-lhes boa sorte nesta nova etapa das suas carreiras.

Carlsberg Cup - Nomeações da 1ª Mão da 1ª Fase

Inicia-se já este fim de semana, dia 2 de Agosto, a 1ª Fase da Taça da Liga - Carlsberg Cup. Para a 1ª Mão desta fase foram nomeadas as seguintes equipas de arbitragem:

João Vilas Boas abandona arbitragem

O Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol deferiu o pedido de licenciamento do colega João Vilas Boas, árbitro da AF Braga. Recorde-se que João Vilas Boas foi árbitro de 1ª Categoria Nacional tendo na última época descido à 2ª Categoria.
Neste momento, que sabemos não ser fácil para quem realmente gosta de arbitrar jogos de futebol, desejamos ao João a melhor das sortes!

terça-feira, 29 de julho de 2008

Teste FPF para Árbitros de 2ª Cat. Nacional

Realizou-se no passado fim de semana o Curso de Aperfeiçoamento, Actualização e Avaliação para Árbitros da 2ª Categoria Nacional da FPF. Este foi o teste realizado pelos nossos colegas:

in: Blog ApitoBejense

UEFA lucra 250 milhões com Euro 2008

A UEFA divulgou hoje que lucrou um recorde de 250 milhões de euros com o Campeonato da Europa de 2008, aumentando em 27 milhões o lucro registado em 2004.
O valor garantido será suficiente para organizar as competições femininas e de juvenis até 2012, os programas de treino e arbitragem, os custos administrativos e dará ainda para uma distribuição monetária pelos 53 membros do organismo. A UEFA anunciou que a facturação conseguida durante as três semanas que durou o torneio da Áustria e Suíça foi de 1,3 mil milhões de euros, dos quais mais de metade proveio da venda dos direitos de transmissão do evento. Pelo menos 155 milhões de pessoas viram as 31 partidas do Euro-2008 em directo pela televisão, foi igualmente revelado. O custo da organização do torneio foi de 600 milhões de euros, quando em 2004, em Portugal, tinha sido de apenas 313.

Está a tornar-se moda...

Árbitro acusado de estar embriagado durante partida do Campeonato Russo
O episódio aconteceu no no passado fim de semana num jogo entre as equipas do Shinnik e Terek, a contar para a 15ª jornada do campeonato russo. No final do jogo, que ficou empatado 1 a 1, a direcção do clube Shinnik acusou o árbitro Ígor Zajárov, de 42 anos, de estar embriagado durante a partida, fazendo questão de que esse protesto constasse no relatório do árbitro.
No final do jogo o árbitro foi intimado a realizar o teste do balão, mas recusou-se argumentando que o equipamento não era aprovado...
Depois do recente caso do árbitro Bielorusso, mais um caso insólito na arbitragem daquelas paragens. Deve ser do frio...

Vítor Pereira quer combater jogo violento

O combate ao jogo violento e a procura de uma maior uniformização de critérios nas decisões são os principais objectivos dos árbitros para a época 2008/09, defendeu ontem Vítor Pereira.
O presidente da Comissão de Arbitragem (CA) da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), no final do curso para árbitros e assistentes que decorreu de quarta-feira até Domingo, em Melgaço, revelou os principais objectivos para o sector e aplaudiu o facto de os juízes portugueses estarem "ao melhor nível da Europa".
"Combater o jogo violento e procurar acabar com os puxões e empurrões nos lances de pontapé de canto ou livres para dentro da área são alguns dos objectivos, de forma a dar maior fluidez ao jogo", explicou.
Vítor Pereira, que recordou o encontro que teve com os treinadores das duas ligas profissionais, sublinhou a importância de se conseguir uma maior "uniformidade de critérios" e afirmou que os árbitros conseguiram provar, durante o curso, a capacidade do sector em Portugal."Estou muito satisfeito", disse Vítor Pereira, em alusão à média de 91 por cento nos testes escritos e ao máximo registado nas provas físicas.

segunda-feira, 28 de julho de 2008

João Almeida: Um português na final do Mundial de Futebol de Praia

A nossa brilhante selecção de futebol de praia ficou-se mais uma vez pelas meias-finais desta competição, sendo eliminada pelo Brasil - sem dúvida a melhor seleção do mundo nesta variante.
No entanto, e apesar do Madjer e companheiros não terem chegado à final, houve um outro português que este activamente presente nessa final.
João Almeida, o nosso árbitro de futebol de praia mais internacional, foi o cronometrista da final que consagrou o Brasil campeão do Mundo (5 a 3 contra a Itália).

Livro da Leis de Jogo 2008

Depois da recente publicação, em português, do livro das Leis de Jogo 2007, a Federação Portuguesa de Futebol disponibiliza já, no seu website, o livro das Leis de Jogo 2008.
Consulte aqui esta publicação com tradução e revisão técnica do Prof. pombo, Vitor Pereira e Antonino Silva.

Arbitragem da Liga - Curso de Melgaço foi um sucesso

Após cinco dias de concentração, 23 dos 25 árbitros portugueses de 1.ª categoria terminaram ontem a primeira acção de formação e avaliação da época de 2008/2009. Com sucesso total a nível de provas físicas, como destacou Vítor Pereira. O presidente da Comissão de Arbitragem (CA) da Liga está muito satisfeito com os resultados, que superaram os números do ano passado, no Alfeite (95%).
Neste estágio, que decorreu em Melgaço, as performances teóricas também foram boas. Ainda segundo Vítor Pereira, a média global num teste com 20 perguntas de escolha múltipla subiu para 91%, “o que apenas demonstra o alto nível de conhecimento teórico dos nossos árbitros”.
Numa acção que juntou também 52 árbitros assistentes, o líder da CA da Liga acertou também com os árbitros importantes recomendações para a próxima época. Uma das mais importantes, tal como Record já revelou, passa pela análise dos lances de empurrões e agarrões dentro da grande área. “Vamos tentar acabar com essa praga”, referiu Vítor Pereira, que não gosta, porém, de usar a palavra “implacável” para classificar a nova postura. Os árbitros viram vários lances deste tipo e têm instruções para ser severos na punição dos mesmos.
Importante neste estágio foi também o apertar da malha em relação aos jogadores que põem em risco a integridade física de outros. “Iremos tentar contribuir para fazer diminuir o jogo violento mas tal não depende apenas dos árbitros”, sublinhou Vítor Pereira. Que elegeu como objectivo para a classe que dirige “ser uma das cinco mais competitivas da Europa” e como lema “garantir a imparcialidade e a valorização do jogo”. Acrescentando, dentro dos anéis olímpicos, os seguintes propósitos: “Parceria, excelência, paixão, transparência e compromisso social.” Era o que se podia ler logo à entrada do Hotel Monte Prado, onde os nossos árbitros estagiaram num clima de boa convivência e natural competitividade.
Momento especial sobretudo para oito árbitros assistentes estreantes: Nuno Pereira, de Coimbra, 31 anos; Valter Pereira, de Setúbal, 29; Rodrigo Pereira, de Setúbal, 32; Nélson Moniz, de Ponta Delgada, 30; Tiago Rocha, de Lisboa, 31; Paulo Vieira, de Viana do Castelo, 34; João Ferreira, do Algarve, 33; e Jorge Cruz, de Castelo Branco, 33.

Ministério Público arquiva processo contra árbitro de Braga

O Ministério Público do Tribunal de Braga arquivou, por falta de provas, um inquérito a um caso de suposta tentativa de corrupção, denunciada pelo Laje Futebol Clube, de Vila Verde, contra um árbitro da divisão distrital, disse hoje à agência “Lusa” fonte judicial.
O arquivamento segue-se a uma investigação ao árbitro Vasco Vilela, da Associação de Futebol local, apontado por dirigentes do Laje, como tendo pedido 1.500 euros para "ajudar" o clube a ganhar um jogo de futebol. Vasco Vilela sempre se manifestou, no processo, "inocente" e vítima de tentativa de "difamação e vingança".
A investigação teve origem numa denúncia do presidente do Laje Futebol Clube, Manuel Vivas. O dirigente sustentou, num julgamento no Tribunal de Braga envolvendo aquele árbitro, que Vasco de Jesus Vilela lhe pediu, em 2003, 1.500 euros para favorecer o clube num jogo do Campeonato Distrital, Divisão de Honra, contra a Académica de Martim, Barcelos. O árbitro foi, entretanto, suspenso por quatro anos pelo Conselho de Disciplina, cujo presidente, Lima Leite disse hoje à “Lusa” que as decisões deste órgão "são autónomas e não esperam pelas judiciais". Após ter decidido suspender Vasco Vilela, o Conselho de Disciplina da AFB, presidido por Jaime Lima Leite, enviou o caso para o Ministério Público e este pediu à PJ que fizesse as respectivas averiguações, que agora foram arquivadas.
in: O Jogo

sexta-feira, 25 de julho de 2008

Árbitros implacáveis na grande área


Os árbitros portugueses de 1.ª categoria vão ser “implacáveis” em relação aos habituais “agarrões” dentro da grande área.

Bruno Paixão, na sua palestra de ontem, durante o 3.º dia do estágio em Melgaço, foi bem claro ao definir as novas instruções.

Quando a bola não estiver em jogo, quem agarrar um adversário dentro da área dos 16,5 metros será penalizado automaticamente com um cartão amarelo e verá um segundo se reincidir.

Com a bola em jogo, será sempre falta – ou a favor da equipa que defende ou grande penalidade.

Num dia que começou com uma aula de treino mental, no sentido de levar os árbitros a obterem uma melhor “performance”, mais uma vez os 23 árbitros de 1.ª categoria presentes (mais 52 árbitros assistentes) trabalharam no relvado.

Uma equipa de miúdos ajudou na marcação de cantos, num exercício que tinha como objectivo os árbitros evitarem a trajectória da bola.Hoje é dia de testes físicos e escritos. Por isso, a pausa de uma hora de ontem foi aproveitada para revisão da matéria dada...

quinta-feira, 24 de julho de 2008

Alteração ao Quadro de Árbitros Assistentes

É já habitual que aconteçam, por esta altura, alterações aos quadros de árbitros que a FPF recentemente divulgou.
A primeira alteração aconteceu no quadro de árbitros assistentes de 2ª Categoria Nacional. Gracindo Vieira, da AF Leiria, ascendeu a este quadro em consequência da vaga criada pelo licenciamento do árbitro assistente António Costa.
Ao Gracindo, tal como fizemos a outros, desejamos os maiores sucessos nesta nova etapa da sua carreira.
Consulte aqui o Comunicado Oficial n.º 22 da FPF, relativo a esta alteração.

quarta-feira, 23 de julho de 2008

Árbitros trabalham... com bola!

Vinte e três dos 25 árbitros de 1.ª categoria começaram ontem a trabalhar em Melgaço. Com a bola logo a saltar. Faltaram apenas João Ferreira – que está em comissão de serviço no Líbano – e Rui Silva – suspenso pelo Conselho de Disciplina da FPF. Para André Gralha, Augusto Costa, Bruno Esteves e Nuno Roque o dia foi ainda mais especial pois são os árbitros que ascenderam da 2.ª categoria. Só o primeiro não é estreante nestas andanças.
Sob a orientação de Vítor Pereira, os nossos árbitros do corpo de elite entraram quase de imediato em contacto com a bola e, depois de resolvidos alguns problemas técnicos, até proporcionaram bons momentos de...animação em jogos de futevoley, com Pedro Henriques a assumir-se como o elemento mais competitivo, liderando uma equipa que se unia sempre que vencia e que gritava a plenos pulmões "campeões, campeões, nós somos campeões".
Com a ajuda de uma dúzia de miúdos, Vítor Pereira entrou a seguir em acção para detalhar pormenores sobre o posicionamento dos árbitros no terreno, socorrendo-se de exemplos práticos. Objectivo: conseguir sempre uma visão de funil e antecipar os movimentos dos jogadores e da bola. Pedro Proença não participou nesta fase devido a um problema no joelho esquerdo.
Seguiu-se uma conferência de imprensa que serviu para Vítor Pereira apresentar os novos árbitros do quadro principal e para revelar os objectivos do estágio. Assim se ficou a saber que André Gralha tem 32 anos, vem de Santarém e trabalha numa empresa ligada à CP; que Augusto Costa é de Aveiro, tem 37 anos e é funcionário dos CTT; que Bruno Esteves tem 30 anos, é de Setúbal e tem como profissão ser gestor de stocks do ramo automóvel; e que Nuno Roque, de 29 anos, vem de Coimbra e é monitor de natação. Todos eles se manifestaram a favor da profissionalização da arbitragem.
Feitas as apresentações, Vítor Pereira falou do programa do estágio, que hoje, por exemplo, conta com uma palestra dos árbitros Carlos Xistra e Lucílio Batista sobre algumas alterações recomendadas pela UEFA e por uma aula sobre missão, valores e competência dada pelo professor universitário Pedro Matos. Que repete a lição amanhã, após o treino matinal, já com a presença dos 52 árbitros assistentes de 1.ª categoria, que entram hoje à noite em estágio. Sexta-feira será dia de testes escritos e físicos e sábado será a vez de Hermínio Loureiro falar com os árbitros, antes de um jantar minhoto. Estão previstas diversas palestras até lá. Por exemplo, o próprio Vítor Pereira falará de mãos na bola e atrasos (um tema quente), Jorge Sousa da protecção aos jogadores e Bruno Paixão de lances na grande área.

in: Record

terça-feira, 22 de julho de 2008

Romena dirige final do europeu Feminino de Sub-19

Esta romena, Christina Dorciuman, começou a carreira na arbitragem há 14 anos e está pronta para o "próximo grande passo", que é dirigir a final do Campeonato da Europa Feminino de Sub-19, entre Itália e a Noruega, em Tours.
Dorciuman recebeu as insígnias da FIFA em 2002 e foi chamada para o Campeonato da Europa Feminino de Sub-19 de 2004, disputado na Finlândia, e por isso já esta habituada à rotina diária de sessões de treino curtas, mas intensas, e à análise de jogos em vídeo. Para além dos desafios que apitou - no Vale do Loire a romena dirigiu os encontros entre Inglaterra e Suécia, e França e Espanha -, foi também quarta-árbitra em outras duas partidas. Foi um calendário exigente, mas Dorciuman está habituada a este ritmo elevado, pois costuma dirigir jogos da segunda divisão masculina da Roménia. "A arbitragem de jogos masculinos é uma boa preparação para estes encontros internacionais", explicou Dorciuman, que normalmente apita uma partida por semana e também já foi chamada a arbitrar jogos do escalão principal.

in: uefa.com

Jorge Sousa fala sobre expectativas dos árbitros para a época

Jorge Sousa, o árbitro que ficou em primeiro lugar da classificação da época 2007/2008, afirma que os juízes que estão a preparar-se para a nova temporada têm a ambição de melhorar as suas performances em relação aos anos anteriores.
A 1ª Acção de Avaliação e Aperfeiçoamento dos árbitros e árbitros assistentes teve início esta terça-feira em Melgaço, reunindo todos os juízes portugueses, com excepção de João Ferreira, que se encontra em missão militar no Líbano.
Ouvido pela RDP Internacional, o árbitro que ficou em primeiro lugar da classificação da época 2007/2008, Jorge Sousa, revela que todos os profissionais têm expectativas elevadas para a nova temporada.
"É evidente que existe toda aquela expectativa, ilusão e a esperança de que vamos fazer um grande campeonato e grandes prestações. Estamos neste momento dentro de muita tranquilidade e muita calma a fazer a nossa pré-época, a prepararmo-nos o melhor possível para estarmos bem preparados para o começo do campeonato", refere.
Jorge Sousa defende que os árbitros querem errar o menos possível e acrescenta que é sempre possível melhorar: "Estamos num sector onde a perfeição é praticamente impossível mas onde a melhoria das performances é altamente possível".

Ouça aqui as declarações de Jorge Sousa

in: rtp.pt

É altura de pedir equipamentos à FPF!

Colegas árbitros dos quadros da Federação Portuguesa de Futebol, segundo consta, os árbitros deverão, por estes dias, fazer chegar à FPF, via mail ou correio normal, os questionários relativos aos equipamentos Lacatoni que lhes serão entregues.

Questionário: Efectue aqui o download destes documentos no site da FPF.

Curso dos Árbitros inicia-se hoje em Melgaço

Os árbitros da 1ª Categoria Nacional concentram-se apartir de hoje, no Centro de Estágio de Melgaço, para a 1ª Acção de Avaliação e Aperfeiçoamento da época 2008/2009.
Durante o curso serão realizados os testes escritos e as provas físicas regulamentares, estando ainda previstas sessões de treino físico, sessões de formação técnica e outras actividades com vista à melhoria de competências dos nossos colegas que dirigem os jogos dos campeonatos da I e II Ligas.
Para os árbitros assistentes, o estágio apenas se iniciará a 24 de Julho.

Fotos do Centro de Estágios de Melgaço:

A personalidade do árbitro!





por: Valter F. Mariano*

Um bom árbitro tem que aprender, acima de tudo, a impor sua personalidade dentro do solo sagrado (campo de jogo – regra 01), independente das situações em que a partida vai ser jogada.
Também deve saber, na ponta da língua, cada ponto, cada vírgula, cada palavra e cada parágrafo que compõem a Carta Magna do futebol e ter um excelente preparo físico. Porém, nada disso será de valia se não consegue aplicá-las com destreza dentro do solo sagrado.
A personalidade é muito importante dentro da arbitragem. O árbitro tem que ser ele mesmo, manter sempre a calma e o equilíbrio, pois os jogadores, treinadores, dirigentes, imprensa e torcedores sempre saberão distinguir quando um árbitro está plagiando outro árbitro. E isso causará terríveis avarias ao seu comportamento durante a partida.
Muitos árbitros têm em mente a sensação que são os melhores do mundo, porém devem lembrar sempre que isso é apenas uma sensação. Na verdade, isso é apenas o início de uma longa e difícil caminhada até o topo da carreira. E nesta caminhada, nunca imagine que é tão bom como Pierluigi Collina (árbitro italiano considerado por muitos como um dos melhores de todos os tempos), e sim aprenda com o seu talento e com sua dinâmica de atuar, e, principalmente aplicar as regras através do espírito do jogo, ou seja: nunca beneficiar o infrator.
O que fez Collina ser um excelente árbitro foi a sua maneira pessoal de lidar com as regras do jogo, pois é um líder nato e tem uma visão extremamente positiva da vida, isso refletia quando cometeu erros, pois como todo humano, isso é concebido, em seu caso estes erros eram respeitados, pois nunca foi um ditador querendo ser o dono da verdade.
O árbitro tem que ser ambicioso com sua carreira e entender que somente com muito trabalho e sacrifícios chegará ao topo. Porém deve ter a consciência que poucos chegarão ao escudo branco, e, sendo assim dever dividir os conhecimentos e experiências vividas dentro e fora do solo sagrado com os demais colegas de profissão, isso será uma maneira de ganhar a confiança e o respeito de toda a sociedade futebolística.
Para finalizar, deixo uma frase do grande árbitro francês, Michel Vautrot, que arbitrou simplesmente duas finais de Copa do Mundo: "Deixem a vossa personalidade falar por vós ou jamais terão sucesso".

* Valter Ferreira Mariano, Brasil. Árbitro Assistente da Federação Paulista de Futebol. Colunista de arbitragem, onde escreve sobre a dinâmica de arbitrar uma partida, seus conceitos e ética, suas leis e principalmente do espírito deste desporto chamado futebol.

segunda-feira, 21 de julho de 2008

Vitor Pereira e os objectivos para a época

Menos faltas e interrupções, mais protecção aos jogadores e rigor contra jogo violento, preconiza o presidente da Comissão de Arbitragem da Liga, Vitor Pereira.
Vitor Pereira, presidente da Comissão de Arbitragem da Liga de Futebol, ouvido pela Antena 1, por ocasião da reunião com treinadores de clubes portugueses, afirmou que os grandes objectivos a alcançar serão conseguir uma maior fluidez do jogo, jogos menos faltosos, maior protecção aos "artistas", mais rigor no jogo violento.Sobre a profissionalização da arbitragem, o dirigente quer, ainda este ano, se possível, arrancar com um projecto-piloto experimental.
Oiça aqui as palavras do responsável da arbitragem da LPFP.

Vítor Pereira promete para decorrer de época projecto-piloto de profissionalização do sector

O presidente da Comissão de Arbitragem (CA) da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LFPF) prometeu para o "decorrer desta época" o arranque do "projecto-piloto" de profissionalização do sector, apenas com algumas equipas de árbitros.
Vítor Pereira, no final de um encontro de esclarecimento e auscultação de sensibilidades junto dos treinadores das duas ligas profissionais, explicou que o projecto-piloto será semelhante ao sistema de profissionalização da arbitragem e esclareceu que o método a instituir será em regime de part-time.
"Ainda no decorrer desta época, será criado o projecto-piloto, com um conjunto de trios de árbitros, ainda a decidir o número. Será em tudo semelhante a um sistema de profissionalização, com os árbitros a poderem ter uma segunda actividade, desde que a arbitragem seja prioritária", disse.
O presidente da CA da LPFP revelou que quatro, seis ou oito trios de arbitragem serão testados neste projecto-piloto, que incluirá um esquema de treinos no período da tarde.
O dirigente, após a reunião com cerca de duas horas e à qual compareceram menos de metade dos treinadores ou seus representantes dos 32 clubes envolvidos (FC Porto, Sporting, Vitória de Guimarães e Sporting de Braga foram alguns dos ausentes) revelou também que no inquérito feito no final da temporada passada o grau de satisfação dos inquiridos (equipas técnicas e direcções de clubes) foi de 67 a 70 por cento.
Apesar do grau de satisfação revelado pelo inquérito, Vítor Pereira afirmou que os treinadores lamentaram alguma falta de uniformidade nos critérios, de árbitro para árbitro, e pediu às equipas "mais fluidez de jogo e menos faltas".
"Gostaríamos que houvesse mais protecção ao artista do jogo e que haja maior rigor na análise ao jogo violento. Nós queremos grandes jogadas e grandes jogadores. A nossa intenção é proteger o artista do jogo violento", acrescentou.
Vítor Pereira recordou ainda que 10 dos 25 árbitros que vão ajuizar o futebol português este ano são inexperientes, enquanto os outros 15 praticamente já estiveram presentes em 200 jogos da Liga principal.
"São 25 árbitros, com experiências, personalidades e sensibilidades diferentes. Por isso a dificuldade em atingir total uniformidade nos critérios. Este ano, com um clima mais sereno, vamos ter três ou quatro árbitros que nunca apitaram na Liga principal e 10 desses 25 apenas fizeram menos de 10 jogos".
O início "efervescente" do campeonato, com os três grandes a defrontarem nas primeiras cinco jornadas também foi abordado por Vítor Pereira, que considerou que os árbitros estão preparados, tanto física, como teoricamente.
O presidente da Associação Nacional de Treinadores de Futebol, José Pereira, que também marcou lugar na reunião, congratulou-se com a iniciativa e salientou também que a maioria das queixas dos seus associados se prendem com a uniformidade de critérios.

Fonte: Lusa

Jogador derruba adepto e recebe advertência!

O «derby» de Moscovo entre o Lokomotiv e o Spartak deste sábado estava animado, faltava pouco mais de um quarto de hora para o final. O Spartak tinha acabado de reduzir a desvantagem para 2-1 e lançava-se para a recuperação quando entrou no relvado um adepto, que tentou atravessar todo o campo a correr. Irritado, Radoslav Kovac não se lembrou de mais nada, se não rasteirar o intruso. O que o checo do Spartak não esperava era que o árbitro lhe mostrasse cartão.

Foi uma entrada dura, que deixou o jovem adepto estatelado no chão. O árbitro sacou do cartão e Kovac nem queria acreditar. O espectador, esse, ficou por um bocado encostado aos placards, a recuperar do susto e da pancada, antes de ser levado pela polícia.

O Spartak Moscovo acabou por empatar o «derby», que contava para o campeonato russo, em cima do apito final.

Dez treinadores da LPFP reuniram com Vitor Pereira

Apenas dez treinadores dos 32 clubes da I e II Liga estiveram presentes na reunião com a Comissão de Arbitragem da Liga, que decorreu na sede desta instituição, no Porto, com a presença de Vítor Pereira.
Fernando Chalana (Benfica), Casimiro Mior (Belenenses), Domingos Paciência (Académica), Jorge Regadas (Freamunde), Vieira (Aves), Toni (Trofense), Neca (Gil Vicente), Rui Dias (Varzim), Lito Vidigal (Estrela da Amadora) e Fernando Mira (Naval 1º de Maio) foram os treinadores presentes numa reunião onde também esteve José Pereira, líder da Associação Nacional de Treinadores de Futebol.
O encontro teve por objectivo informar os treinadores das recomendações que vão ser dadas aos árbitros no curso que começa amanhã em Melgaço, com base nas leis do futebol e na sua interpretação.

In: Record

sábado, 19 de julho de 2008

Condenados 13 dos 24 arguidos do "Apito Dourado"

O Tribunal de Gondomar condenou 13 dos 24 arguidos do processo "Apito Dourado", relacionado com alegada corrupção e tráfico de influências no futebol profissional e na arbitragem.
O major Valentim Loureiro foi condenado a três anos e dois meses de prisão, com pena suspensa por igual período, por abuso de poder e prevaricação, bem como perda de mandato na presidência da Câmara de Gondomar.
O abuso de poder foi penalizado com dois meses por cada um dos crimes, sendo a pena de seis meses relacionada com o crime de prevaricação, pelo qual, de acordo com o tribunal, pode perder o mandato. Esta perda de mandato torna-se definitiva quando e se o acórdão transitar em julgado.
José Luís Oliveira, vice-presidente da autarquia gondomarense e presidente do Gondomar SC à data dos factos, foi condenado a três anos de cadeia, pena suspensa, por 25 crimes de abuso de poder e 10 crimes de corrupção desportiva activa.
Pinto de Sousa, antigo presidente do conselho de arbitragem da FPF, foi condenado em cúmulo jurídico a dois anos e três meses, pena suspensa por igual período, por 25 crimes de abuso de poder.
Francisco Tavares Costa, vice-presidente do conselho de arbitragem da FPF, foi condenado a um ano e três meses de prisão, pena suspensa pelo mesmo período.
José Luís Oliveira, Pinto de Sousa, Tavares Costa e Valentim Loureiro foram condenados pelo crime de abuso de poder, por cada nomeação de árbitros feita, num total de 25 crimes cada.
Por dois crimes de corrupção desportiva na forma activa e cumplicidade num crime de abuso de poder foi condenado Luís Nunes a 270 dias de multa à taxa de 15 euros.
A pena de multa foi igualmente aplicada aos árbitros João Macedo (210 dias à taxa de seis euros), António Eustáquio (150 dias a sete euros), Jorge Saramago (90 dias a sete euros) e ao presidente do Sousense, Américo Neves (90 dias a 12 euros).
O árbitro Licínio Santos, condenado a cinco meses de prisão, viu a sua pena ser substituída por multa.
Castro Neves, vereador da Câmara de Gondomar e director do Departamento de Futebol do Gondomar SC, foi absolvido.
O Tribunal de Gondomar absolveu ainda Barbosa da Cunha, João Soares Mesquita, Ricardo Pinto, Carlos Carvalho, Valente Mendes, José Manuel Rodrigues, Sérgio Sedas, José Agostinho Silva e Leonel Viana.
Licínio Santos, João Macedo e António Eustáquio foram ainda suspensos por três anos e Jorge Saramago encontra-se proibido durante dois anos e seis meses.
Sobre os árbitros, o Tribunal de Gondomar considerou que as ofertas de artefactos em ouro aos árbitros dos jogos do Gondomar SC não significam, por si só, que os árbitros tenham violado as leis de jogo.
Na leitura do acórdão defendeu-se ainda a impossibilidade de se definir qual o lance concreto em que o árbitro agia contra as leis de jogo, pelo que "ficará sempre a dúvida" se o erro era intencional ou não.

in: Jornal Notícias

sexta-feira, 18 de julho de 2008

António Sérgio: "Árbitros eram vítimas do sistema!"

O presidente da Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF), António Sérgio, afirmou hoje que os veredictos do processo Apito Dourado, que resultaram na condenação de 13 dos 24 arguidos, provaram que os árbitros “eram vítimas do sistema”. “Os árbitros eram mais vítimas do sistema instituído do que propriamente autores dos factos em causa. As penas são claramente mais gravosas para os dirigentes, como penas de prisão, comparadas com as penas dos árbitros, que se limitaram a ser vítimas do sistema”, disse António Sérgio em declarações à Agência Lusa.
O presidente da APAF destacou a “rapidez da justiça portuguesa” na conclusão do processo e desvalorizou o facto de cinco árbitros terem sido considerados como culpados pelo Tribunal de Gondomar. “Cinco no universo de 3.800 árbitros em Portugal não tem qualquer significado estatístico”, sustentou o antigo juiz. António Sérgio defendeu ainda que os árbitros “têm que ter um peso importante na eleição dos seus dirigentes” e lembrou que a responsabilidade dos agentes desportivos “aumentou” com o aparecimento do Apito Dourado. “Os dirigentes condenados teriam um acto de bom senso se pedissem a suspensão dos seus respectivos cargos”, acrescentou.
O secretário de Estado da Juventude e do Desporto, Laurentino Dias, e o presidente da Liga de Clubes, Hermínio Loureiro, recusaram comentar as sentenças do processo, hoje conhecidas. Contactados pela Agência Lusa, Laurentino Dias e Hermínio Loureiro não se mostraram disponíveis para falar sobre a conclusão do processo, enquanto o presidente da Federação Portuguesa de Futebol, Gilberto Madail, esteve incontactável. Valentim Loureiro foi condenado a três anos e dois meses de prisão, com pena suspensa por igual período, por abuso de poder e prevaricação, bem como perda de mandato na presidência da Câmara de Gondomar. O abuso de poder foi penalizado com dois meses por cada um dos crimes, sendo a pena de seis meses relacionada com o crime de prevaricação, pelo qual, de acordo com o tribunal, pode perder o mandato. Essa perda de mandato torna-se definitiva quando e se o acórdão transitar em julgado. Em reacção a esta condenação específica, Valentim Loureiro assegurou que irá candidatar-se novamente à presidência da autarquia Gondomarense na certeza de que irá ganhar. O major foi condenado por prevaricação pela adjudicação considerada ilegal, à empresa Globaldesign, da feitura de um boletim informativo do programa “Urban II” para o desenvolvimento sustentado da Triana, Areosa, Rio Tinto. O vice-presidente da autarquia gondomarense e presidente do Gondomar à data dos factos, José Luís Oliveira, foi condenado a três anos de cadeia, pena suspensa, por 25 crimes de abuso de poder e 10 crimes de corrupção desportiva activa. Já Pinto de Sousa, antigo presidente do Conselho de Arbitragem da FPF, foi condenado em cúmulo jurídico a dois anos e três meses, pena suspensa por igual período, por 25 crimes de abuso de poder.

in: O Jogo

Os arguidos do "Apito Dourado"

Para clarificação de quem são os acusados e quais os crimes sobre os quais serão julgados, aqui fica a listagem de todos os arguidos:
José Luís Oliveira (ex-presidente do Gondomar Sport Clube e vice-presidente da Câmara de Gondomar) - acusado de 26 crimes de corrupção activa e 21 crimes de corrupção desportiva activa. Nas alegações finais, o MP recuou no número de crimes que lhe imputava (menos três crimes). O tribunal comunicou a possibilidade de lhe ser considerada, na decisão final, a imputação do crime de abuso de poder.
Joaquim Castro Neves (vereador da Câmara de Gondomar) - co-acusado de 19 crimes de corrupção desportiva activa.
Valentim Loureiro (ex-presidente da Liga e presidente da Câmara de Gondomar) - cumplicidade em 26 crimes de corrupção activa e autoria de um crime de prevaricação. O tribunal comunicou a possibilidade de lhe ser considerada, na decisão final, a imputação do crime de abuso de poder.
José António Pinto de Sousa (antigo presidente do Conselho de Arbitragem da FPF) - 26 crimes de corrupção passiva para acto ilícito. O tribunal comunicou a possibilidade de lhe ser considerada, na decisão final, a imputação do crime de abuso de poder.
Francisco Costa (vice-presidente do Conselho de Arbitragem da FPF) - cumplicidade em 26 crimes de corrupção passiva para acto ilícito. Nas alegações finais, o MP recuou no número de crimes que lhe imputava (menos um). O tribunal comunicou a possibilidade de lhe ser considerada, na decisão final, a imputação do crime de abuso de poder.
Luís Nunes da Silva (ex-vogal do Conselho de Arbitragem da FPF) - um crime de corrupção activa, cumplicidade num crime de corrupção activa, co-autoria de três crimes de corrupção desportiva activa e cumplicidade num crime de corrupção desportiva activa. O tribunal comunicou a possibilidade de lhe ser considerada, na decisão final, a imputação do crime de abuso de poder.
Carlos Carvalho (presidente do Conselho de Arbitragem da Associação de Futebol do Porto) - cumplicidade em dois crimes de corrupção desportiva. Nas alegações finais, o MP recuou no número de crimes que lhe imputava (menos um)
Licínio da Silva Santos (árbitro) - acusado de dois crimes de corrupção desportiva passiva. - Pedro Sanhudo (árbitro) - acusado de três crimes de corrupção desportiva passiva, cumplicidade num crime de corrupção desportiva activa e autoria de um crime de corrupção desportiva activa.
Hugo Teixeira da Silva (árbitro) - acusado de dois crimes de corrupção desportiva passiva.
João Pedro Carvalho da Silva Macedo (árbitro) - acusado de quatro crimes de corrupção desportiva passiva.
Ricardo Emanuel da Fonseca Pinto (árbitro) - acusado de três crimes de corrupção desportiva passiva.
Manuel Valente Mendes (árbitro) - acusado de três crimes de corrupção desportiva passiva. Nas alegações finais, o MP retirou-lhe a acusação.
António Eustáquio (árbitro) - acusado de dois crimes de corrupção desportiva passiva. O MP entendeu que o tribunal deveria considerar o facto de ter sido o único arguido a falar em tribunal.
Jorge Saramago (árbitro) - acusado de um crime de corrupção desportiva passiva.
José Rodrigues (árbitro) - acusado de dois crimes de corrupção desportiva passiva.
Sérgio Sedas (árbitro) - acusado de um crime de corrupção desportiva passiva. Nas alegações finais, o MP retirou-lhe a acusação.
Manuel Barbosa da Cunha (observador de árbitros) - acusado de um crime de corrupção passiva para acto ilícito. O tribunal comunicou a possibilidade de lhe ser considerada, na decisão final, a imputação do crime de abuso de poder.
João Soares Mesquita (observador de árbitros) - cumplicidade num crime de corrupção activa. Nas alegações finais, o MP retirou-lhe a acusação. O tribunal comunicou a possibilidade de lhe ser considerada, na decisão final, a imputação do crime de abuso de poder.
Américo Neves (presidente do clube de futebol Sousense) - co-acusado de um crime de corrupção desportiva activa.
Agostinho Duarte da Silva (ex-chefe de departamento de futebol do Sousense) - co-acusado de um crime de corrupção desportiva activa.
Leonel Viana (antigo vereador da Câmara de Gondomar) - co-acusado de um crime de prevaricação.
António Ferreira (tenente-coronel reformado) - instigação à prática de um crime de prevaricação.
José Horta Ferreira (designer) - cumplicidade num crime de prevaricação.

Lusa/Sol

Veredicto judicial do caso Apito Dourado conhece-se hoje

O Tribunal de Gondomar decide hoje o primeiro processo "Apito Dourado", admitindo-se algumas condenações por abuso de poder, um crime que a acusação e o despacho de pronúncia nem sequer imputaram a qualquer um dos 24 arguidos.
A hipótese decorre de uma comunicação para recomposição de pormenores da acusação, feita na sessão de 27 de Maio pelo juiz-presidente Carneiro da Silva.
O documento comunicava aos arguidos Pinto de Sousa, Francisco Costa, Luís Nunes Silva, José Luís Oliveira, Valentim Loureiro, Manuel Barbosa da Cunha e João Soares Mesquita a possibilidade de lhes ser considerada, na decisão final, a imputação do crime de abuso de poder.
"Esta alteração dos factos foi um prenúncio de condenação", admitiu, nas alegações finais, o advogado Artur Marques, mandatário de José Luís Oliveira, o arguido com mais crimes imputados.
No processo "Apito Dourado" de Gondomar, Valentim Loureiro (ex-presidente da Liga de futebol e presidente da autarquia de Gondomar), José Luís Oliveira (ex-presidente do Gondomar SC e vice-presidente da Câmara de Gondomar) e Pinto de Sousa (antigo responsável pela arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol) são os principais arguidos.
Com mais 21 pessoas, são suspeitos de terem montado um esquema para induzir os árbitros a beneficiar o Gondomar SC, na época 2003/2004.
O julgamento começou a 11 de Fevereiro e compreendeu um total de 44 sessões, tendo como momento marcante, em termos mediáticos, um frente-a-frente entre o presidente do FC Porto, Pinto da Costa, e a sua ex-companheira, Carolina Salgado, a 14 de Maio.
Da acareação, que durou escassos seis minutos, nenhuma clarificação resultou quanto às declarações contraditórias que ambos tinham prestado separadamente em tribunal sobre uma alegada conversa à mesa de uma restaurante para combinar árbitros de interesse para o Gondomar SC.
Nas alegações finais do processo, que se prolongaram entre 25 de Junho e 01 de Julho, o procurador do Ministério Público (MP) Gonçalo Silva pediu a condenação de 21 dos 24 arguidos, retirando a acusação aos ex-árbitros Valente Mendes e Sérgio Sedas e ao assessor João Mesquita.
Gonçalo Silva considerou ter ficado demonstrado, pela produção de prova, que "Valentim Loureiro era o real mentor dos jogos do Gondomar SC".
O procurador referiu a relação entre Pinto de Sousa e José Luís Oliveira, considerando que "a combinação resultou na nomeação de 23 árbitros na época 2003/04".
A acusação referia que os árbitros para os jogos do Gondomar SC eram nomeados por Pinto de Sousa a pedido de José Luís Oliveira com o intuito de beneficiarem este clube em troca de contrapartidas.
Também nas alegações finais, o advogado de Valentim Loureiro, Amílcar Fernandes, pediu a absolvição do major, alegando terem sido criados artificialmente indícios de um crime que não existiu para permitir a realização de escutas telefónicas aos arguidos.
Valentim Loureiro foi pronunciado por 26 crimes dolosos de corrupção activa, sob a forma de cumplicidade, que podem ou não ser convertidos em crimes de abuso de poder, e um crime de prevaricação.
Ainda nas alegações, o advogado de José Luís Oliveira pediu a sua absolvição por considerar que a prova produzida em julgamento não é suficiente para sustentar a acusação que lhe imputa a autoria de 26 crimes de corrupção desportiva activa.
O mandatário de José Luís Oliveira considerou que o processo se desenvolveu "numa investigação claramente vocacionada contra José Luís Oliveira como alter-ego do major Valentim Loureiro", frisou.
José Luís Oliveira é o arguido mais visado na pronúncia, respondendo pela alegada prática de 26 crimes dolosos de corrupção activa, sob a forma de autoria, e 21 crimes dolosos de corrupção desportiva activa, também sob a forma de autoria.
Já João Medeiros, advogado de Pinto de Sousa, outro dos principais arguidos, afirmou que a acusação "sofre de uma doença cujo tratamento implicaria o regresso à fase de inquérito".
Pinto da Sousa está pronunciado por 26 crimes dolosos de corrupção passiva para acto ilícito, enquanto equiparado a funcionário público.
O processo "Apito Dourado", que incluiu investigações a alegados casos de corrupção e tráfico de influências no futebol profissional português, foi desencadeado a 20 de Abril de 2004, com a detenção para interrogatória de vários dirigentes e árbitros.

in: OJE/Lusa

Árbitros Internacionais discutem futuro

Oito dos nove árbitros internacional portugueses de futebol reuniram-se em Leiria para falar do futuro. Só esteve ausente, do lote dos internacionais, João Ferreira, que é militar e está a cumprir uma missão no Líbano.
Em cima da mesa estiveram questões relacionadas com o regulamento de arbitragem e também com o regulamento disciplinar, nomeadamente a discussão do artigo 155.º, que prevê para os árbitros uma suspensão de dois a dez jogos no caso de se provar que cometeram erros técnicos graves. Os internacionais não estão de acordo com este artigo...
Na reunião não esteve presente Vítor Pereira. Confirma-se, assim, o divórcio do presidente da Comissão de Arbitragem da Liga com o corpo de elite da nossa arbitragem. António Sérgio, presidente da APAF, acompanhou o encontro.
Os nossos árbitros internacionais discutiram também o tema da introdução do profissionalismo no sector. Ao contrário do que já foi divulgado, está longe de ser uma questão pacífica. Os árbitros querem saber as condições precisas desta nova etapa prevista para começar em Janeiro do próximo ano. Tudo o que foi dito é ainda muito vago e ninguém avançará para a profissionalização de não forem satisfeitas determinadas condições.
Na próxima semana, em Melgaço, realiza-se a primeira acção de formação da época. É provável que, entre testes escritos (inglês incluído...) e físicos, os nossos árbitros possam voltar a discutir estes assuntos quentes.
in: Record

Vitor Pereira reune-se com treinadores das equipas da Liga

Vítor Pereira, presidente da Comissão de Arbitragem da Liga, vai reunir no próximo dia 21 com os treinadores da 1.ª Liga. O encontro visa apresentar as novas regras a que os árbitros irão estar especialmente atentos na próxima época, nomeadamente o comportamento dos técnicos no banco.

in: Record

quinta-feira, 17 de julho de 2008

Árbitros em "guerra" com Vitor Pereira

Os árbitros da Liga Profissional do Futebol Português estão de costas voltadas para o seu presidente Vitor Pereira.
O fundamento desta noticia surgiu após graves acusações do árbitro Paulo Pereira depois do seu penúltimo lugar nas classificações dos árbitros da época transacta, e consequente despromoção à segunda divisão nacional. O árbitro vianense "abriu o livro" e atacou a comissão de arbitragem da Liga afirmando mesmo que "há um grande distanciamento entre a Comissão e os árbitros".
Ao que o Jornal Só Desporto apurou junto de alguns árbitros da Liga, os mesmos estão ao lado do seu colega Paulo Pereira, que com as suas palavras incluiu todos os árbitros da LPFP.
Paulo Pereira adiantou ao jornal O'jogo que "O presidente está frequentemente ausente no estrangeiro e, estando no futebol profissional, tem de estar, naturalmente, presente. E não há, de facto, um bom relacionamento com os árbitros, nomeadamente os internacionais, com quem há problemas, graves, de falta de diálogo."
"os árbitros portugueses querem alguém que os defenda e que lute pelos objectivos de todos, e não que tomem partido daquilo que lhes convém (profissionalização)", foram as palavras de um árbitro assistente da LPFP.
Apesar de algumas melhorias após a entrada de Vitor Pereira na arbitragem, os árbitros sentem que podiam ter mais e melhores condições de trabalho e preparação de jogos, e lamentam mesmo que muitos árbitros e árbitros assistentes tenham de treinar na estrada e ruas perto de casa.
Será a profissionalização da arbitragem um capricho ou comodismo de Vitor Pereira?
O distancionamento entre a comissão da arbitragem e os árbitros não ajuda em nada o futebol português e nomeadamente a arbitragem que é fortemente atacada todas as épocas pelas exibições dos árbitros em alguns jogos dos campeonatos profissionais. Se houvesse mais união entre todos os intervenientes da arbitragem não seria mais benéfico para o futebol?
Esta é mais uma polémica da arbitragem portuguesa e do futebol português, a juntar a muitas outras.
in: jornalsodesporto.com

quarta-feira, 16 de julho de 2008

José Pereira é o novo Vice-Presidente do Conselho de Arbitragem da FPF

José António Pereira, antigo árbitro da AF Aveiro, e até ao dia 15 de Julho vogal do Conselho de Arbitragem da Federação Portugesa de Futebol, foi eleito, em reunião desse orgão, seu Vice-Presidente. Esta eleição veio culmatar a saída por demissão do anterior vice-presidente, Francisco Costa.
O Conselho de Arbitragem ficou agora , segundo o site da FPF, composto da seguinte forma:
Presidente - Carlos Alberto Fonseca Esteves
Vice-Presidente - José António Pereira
Vogal - Dr. João Jovita Fernandes
Vogal - Juvenal Neves Silvestre
Vogal - Abílio da Silva Domingos
Vogal - Joaquim Sequeira Teles

Consulte aqui o Comunicado Oficial n.º17 da FPF relativa a este assunto.

Jorge Coroado deixa de comentar arbitragens na Rádio Antena1

Segundo notícia divulgada no blog do Núcleo de Árbitros de Futebol da Figueira da Foz, o ex-árbitro Jorge Coroado irá deixar de efectuar os comentários às arbitragens dos jogos que a Rádio Antena 1 transmite.
Uma questão da vida privada do ex-árbitro terá levado a esta situação, questão essa que não o impedirá no entanto de continuar a efectuar as suas crónicas e juízos no jornal O Jogo.

terça-feira, 15 de julho de 2008

Jogos Olímpicos: Proibido incomodar os árbitros!

O Comité Organizador dos Jogos Olímpicos de Pequim tornou público um regulamento de 26 normas para os espectadores da competição.
Entre estas regras que incluem não se poder levar instrumentos musicais, apitos ou buzinas para os estádios, nem isqueiros ou caixas de fósforos, ou cartazes com mais de dois metros quadrados e quaisquer outros objectos susceptíveis de serem usados como armas. O regulamento anuncia ainda que as «manifestações, concentrações, comportamentos alcoolizados, despir-se ou qualquer outra actividade que transtorne os Jogos ou seja ilegal à luz da Lei chinesa estão estritamente proibidos». A organização também não vai tolerar «nenhum tipo de aposta» e faz nota de que é «de mau tom» abrir guarda-chuvas ou guarda-sóis que tapem a vista de outros espectadores nos estádios.
A regra mais interessante (dizemos nós) deste regulamento é a que afirma ser «estritamente proibido molestar os árbitros, atletas ou outro pessoal».
A par deste regulamento, a que se pode aceder no telemóvel, enviando uma mensagem de texto para o número 1065800079 com a letra "A", o Comité está a promover uma campanha de sensibilização sob o lema "Bons hábitos para uns bons Jogos". Tudo em nome da importância de «manter a ordem e a segurança do evento», destaca o sub-director do departamento de voluntários do Comité, Zhang Zhenliang.
Os Jogos Olímpicos arrancam a 8 de Agosto e decorrem até 24 do mesmo mês.

segunda-feira, 14 de julho de 2008

Árbitros profissionais na Suécia

Já há algum tempo que a questão da profissionalização dos árbitros de futebol é discutida. Cada vez que em Portugal acontece um erro decisivo de um árbitro, o assunto vem à baila. O debate é polémico, mas parece ser (quase) consensual que esta medida poderia melhorar o nível da arbitragem.
Esta semana, a Suécia deu o primeiro passo para a mudança: a partir de 2009, apenas árbitros profissionais dirigirão as partidas da Allsvenskan, a primeira divisão do país.
“A Allsvenskan melhora ano após ano. Mas o desenvolvimento dos árbitros é algo que permanece estático. A partir de Janeiro de 2009, 10 homens estarão prontos e farão parte da primeira equipa de árbitros profissionais da Suécia. Esta medida vai melhorar o nosso futebol”, declarou optimista, Lars-Åke Lagrell presidente da Federação Sueca.
O financiamento para a realização deste projecto está assegurado até 2011. As receitas vindas da recente participação da selecção sueca no Europeu de Futebol serão investidas neste projecto, o restante sairá da liga de clubes que estão na elite. Cada árbitro terá um salário fixo e o restante dependerá de quantos jogos cada um deles apitar por mês. O projecto será avaliado após três anos em actividade e posteriormente um novo financiamento poderá ser solicitado à FIFA.
A decisão gera tanta discussão que, na vizinha Noruega, alguns árbitros manifestaram-se contrários a esta ideia. O árbitro e psicólogo norueguês Tom Henning Øvrebø acredita que não é necessário que a medida seja adoptada imediatamente também na Noruega, “Profissionalismo é mais atitude do que dinheiro. Todos os juízes da Tippeligaen são profissionais. Não tem nada ver com o dinheiro. A minha experiência é que faz diferença nas partidas.”, declarou Øvrebø, a um jornal.
É difícil imaginar que a profissionalização da arbitragem não tenha êxito. Porém, só a experiência o irá comprovar.

Notícia adaptada de: trivela.com

Paulo Pereira fala sobre o seu abandono da arbitragem

Falta de motivação e não só
Paulo Pereira desistiu da arbitragem "sobretudo por falta de motivação". E explica as razões principais do abandono, a nove anos de atingir o limite de idade: "Ao fim de oito anos na 1.ª categoria, regredir, e sem demérito para quem lá está, seria sempre uma situação de difícil gestão. Podia também correr o risco de as pessoas dizerem que estava desmotivado e ser até eventualmente penalizado pelos observadores por causa disso. E, em terceiro lugar, porque seria difícil continuar a conciliar a minha vida profissional pessoal com o futebol."
Presidente ausente
"Não estou contra nada nem contra ninguém" - foi desta forma que Paulo Pereira abriu o leque de motivos que o levaram a desistir da arbitragem na época em que foi despromovido. "Posso ter algumas razões de queixa, mas não foram esses os factores primordiais da minha despromoção. Há situações que não me agradaram e que também não agradam a todos os árbitros", referiu.
O árbitro de Viana do Castelo apontou exemplos: "As classificações saíram há um mês e ainda ninguém, da Comissão de Arbitragem ou da Liga, me telefonou a dizer 'Adeus, até um dia destes', a dizer qualquer coisa." Outro problema, do qual "todos os árbitros" se queixam: "Há um grande distanciamento entre a Comissão e os árbitros. Confundem o estar perto, por exemplo nos centros de treino, com o diálogo. O presidente está frequentemente ausente no estrangeiro e, estando no futebol profissional, tem de estar, naturalmente, presente. E não há, de facto, um bom relacionamento com os árbitros, nomeadamente os internacionais, com quem há problemas, graves, de falta de diálogo."
"Esta Comissão não fez nada"
Os árbitros tinham grandes expectativas em relação a Vítor Pereira. "Pela primeira vez, teríamos um presidente com o seu mediatismo", diz Paulo Pereira, sublinhando: "Foi a grande aposta de Hermínio Loureiro; pensávamos que faria uma revolução, como alterar regulamentos - por exemplo tomar uma posição forte sobre a reclamação dos clubes, factor de desestabilização - ou profissionalizar a arbitragem". A verdade é que, argumenta, "passou um ano e meio e não foi feito nada. A anterior comissão, que passou pelo Apito Dourado e por uma série de confusões, alterou algumas coisas. Esta, não fez nada, por falta de coragem ou por comodismo".
Outro ponto negativo da actual gestão: o grau de nomeação atribuído pela CA aos jogos: "Sabemos que vai de 0,25 a 0, 625 mas falta conhecer o critério. Sabemos apenas no final da época os graus que nos foram atribuídos".
in: O Jogo

Estudo conclui: árbitros tendem a favorecer quem equipa de vermelho

Os dados apresentados a seguir fazem parte de um estudo levado a cabo por pesquisadores da Universidade de Munster, na Alemanha. A conclusão é dura e ameaça ser polémica: os árbitros têm tendência a favorecer atletas que equipem de vermelho. Seja em que desporto for.
Quarenta e dois árbitros assistiram a vídeos de combates de taekwondo e atribuíram no final pontos aos lutadores. Apesar do desempenho ser muito semelhante, os juízes favoreceram em larga maioria o atleta de vermelho, em prejuízo do que equipava de azul.
Depois, os responsáveis pelo trabalho trocaram a cor das roupas aos lutadores (através de um truque de informática) e 13% dos árbitros mudou a sua intenção de voto em favor do lutador que vestira de azul na fita original. Isto, recordamos, apesar do vídeo ser exactamente o mesmo e só as roupagens terem sido manipuladas.
Este estudo vem de encontro à pesquisa efectuada pelo biólogo Russell Hill, que havia sugerido esta mesma conclusão: os atletas que envergam uniformes vermelhos costumam ter desempenhos superiores, principalmente em desportos individuais, como o taekwondo ou a luta greco-romana.
in: maisfutebol.iol.pt

sexta-feira, 11 de julho de 2008

Locais de Aquecimento dos Jogadores Suplentes

Documento útil para a reunião precedente ao jogo, com os delegados das equipas, por forma a clarificá-los de quais os locais que os jogadores suplentes deverão utilizar para efectuar os seus exercícios de aquecimento:
Solicite para refereetip@gmail.com o pdf. deste trabalho.

quinta-feira, 10 de julho de 2008

Árbitro bêbado? Parece é que lhe pregaram uma partida!

Os adeptos, garante a imprensa da Bielorrússia, adoraram. Sergei Shmolik, o melhor árbitro do país na última época, passou a segunda parte de um jogo do escalão principal no círculo central, quase sem se mexer e recusando ir ao bolso para mostrar cartões.
Estaria cansado? Os gestos denunciavam um cenário pouco usual. O encontro caminhou para o final, terminou num empate, mas a história do dia mais caricato da vida de Shmolik ainda estava a meio. Era hora de regressar aos balneários. O cérebro tentava comandar o corpo, em vão.
Com uma mão nas costas, o reputado árbitro foi auxiliado e começou a caminhar lentamente, para a frente, mas também para os lados e para trás. Dores de costas, pensou-se. Ou nem tanto. Shmolik demorou mais de dois minutos a ir do círculo central até à linha lateral.
Os adeptos, satisfeitos com o espectáculo, bateram palmas à personagem e o juíz respondeu com acenos. Abandonou o relvado e seguiu para o hospital. Afinal, as costas estavam bem, mas os testes denunciaram tanto álcool no sangue que o mais estranho, no meio disto tudo, foi Shmolik ter aguentado até ao final do jogo sem cair para o lado. Como seria difícil encharcar-se tanto durante o intervalo, acredita-se que o homem terá sido drogado por terceiros, terá bebido algo sem saber.
A Federação de Futebol da Bielorrússia, contudo, não achou tanta piada à brincadeira e suspendeu o árbitro preventivamente. Segue-se um inquérito para atribuir responsabilidade. Para a história, fica o vídeo...
in: iol.pt

Se vai arbitrar NÃO BEBA...

terça-feira, 8 de julho de 2008

Nomeação de Duarte Gomes para a Liga dos Campeões alterada pela UEFA

O árbitro Duarte Gomes e os árbitros assistentes José Trigo e Sérgio Lacroix foram nomeados pela UEFA para dirigir o encontro da Liga dos Campeões entre o Wisla de Cracóvia (Polónia) e o Beitar de Jerusálem (Israel). Hugo Miguel será o quarto árbitro da partida que se realiza no dia 5 ou 6 de Agosto.
Os árbitros lusos foram inicialmente nomeados pela UEFA para dirigir o encontro da ‘Champions’ entre o MTK Budapeste (Hungria) e o Fenerbahçe (Turquia).
in: fpf.pt

Bola Oficial das competições da LPFP

Chama-se Adidas Europass Portugal a bola que vai ser utilizada na Liga Sagres 2008-09. A Adidas criou uma bola específica para as competições organizadas pela Liga, inspirada na bandeira portuguesa e que se designa Adidas Europass Portugal.
É a primeira vez que é criada uma bola para as três competições da Liga: a Liga Sagres, Liga Vitalis e Carlsberg Cup.
A bola, com as cores verde, amarelo e vermelho, tem 12 manchas vermelhas onde são visíveis esferas armilares, idênticas à do brasão de armas de da bandeira de Portugal.
in: lpfp.pt

Normas de Classificação para Época 2008/2009

A Federação Portuguesa de Futebol emitiu, em 1 de Julho, os Comunicados Oficiais com as Normas de Classificação para a Época 2008/2009.
Consulte abaixo esses comunicados:


C.O. Nº008 Normas Classificação de Observ. Futsal
C.O. Nº007 Normas Classificação de Observ. 2ª categ
C.O. Nº006 Normas Classificação Quadro Nac. Fut. Feminino
C.O. Nº005 Normas Classificação de Árb. Assistentes 2ªcatg
C.O. Nº004 Normas Classificação de Árbitros Futsal
C.O. Nº003 Normas Classificação de Árbitros Futebol 11

segunda-feira, 7 de julho de 2008

Carlos Xistra dirige em Viena jogo da 1ª eliminatória da Taça UEFA

Carlos Xistra, árbitro internacional da AF Castelo Branco, foi nomeado para dirigir, dia 31 de Julho, o jogo entre o Áustria de Viena (Áustria) e o FC Tobol Kostanay (Cazaquistão) a contar para a Taça UEFA.
A acompanhá-lo, terá os árbitros assistentes Bertino Miranda e João Santos. Vasco Santos será o quarto árbitro.
in: fpf.pt

Duarte Gomes em jogo da pré-eliminatória da Champions na Hungria

O árbitro internacional Duarte Gomes (AF Lisboa) foi nomeado pela UEFA para dirigir a partida entre o MTK Budapeste (Hungria) e Fenerbahçe (Turquia) a contar para a pré-eliminatória da Liga dos Campeões da UEFA.
Neste jogo, a realixar em 5 ou 6 de Agosto, será auxiliado pelos árbitros assistentes Tiago Trigo e Sérgio Lacroix, sendo Hugo Miguel o quarto árbitro.
in: fpf.pt

NOTA: Notícia desactualizada em função de outra aqui publicada posteriormente.

Bruno Paixão na Grécia para jogo da pré-eliminatória da Champions

O internacional setubalense, Bruno Paixão, foi nomeado para o jogo da pré-eliminatória da Liga dos Campeões, que irá opor o Panathinaikos (Grécia) e o Dínamo Tbilisi (Geórgia) ou NSI Runavik (Ilhas Faroé).
Para esta partida, que se irá realizar dia 29 ou 30 de Julho, terá como árbitros assistentes José Cardinal e Sérgio Serrão, sendo o quarto árbitro Paulo Batista.
in: fpf.pt