sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Árbitros da Estónia e da Polónia no caminho de Portugal


Kristo Thover, de Estónia, e Szymon Marciniak, da Polónia, são os árbitros nomeados para dirigir os jogos de Portugal com Luxemburgo e Azerbaijão, respetivamente, relativos à fase de qualificação para o Mundial de 2014, no Brasil.

O encontro com o Luxemburgo disputa-se a 7 de setembro no Estádio Josy Barthel, ao passo que a receção ao Azerbaijão terá lugar dia 11 no Estádio Axa, em Braga.

Fonte: A Bola

Orgulho de Skomina com nomeação para Supertaça Europeia


O árbitro esloveno Damir Skomina continua a realizar um excelente progresso na arbitragem. O jogo desta sexta-feira, entre Chelsea FC, de Hilário, Paulo Ferreira e Raul Meireles, e Club Atlético de Madrid, de Sílvio e Tiago, no Stade Louis II, no Mónaco, a contar para a SuperTaça Europeia, é a inclusão mais recente num currículo prestigiante.
Skomina, os seus auxiliares Primoz Arhar e Matej Žunič, o quarto-árbitro Bojan Ul e os árbitros-auxiliares adicionais Matej Jug e Slavko Vinčič, aguardam com expectativa pelo jogo que assinala o início da época 2012/13 das competições europeias de clubes.
O árbitro de 36 anos, natural de Koper, na costa eslovena, perto da fronteira italiana, é internacional desde 2003. Foi quarto-árbitro em duas finais de jovens, a começar pelo Campeonato da Europa Sub-17 de 2003, entre Portugal e Espanha, em Viseu, seguindo-se a final Sub-19, entre Inglaterra e França, em Belfast, em 2005.
Desde então subiu gradualmente na arbitragem, contabilizando a final do Campeonato da Europa Sub-21 de 2007, vários jogos da UEFA Champions League e da UEFA Europa League, e dois jogos no UEFA EURO 2012, este Verão, entre os seus compromissos mais importantes.
Na época passada, Skomina dirigiu um jogo no "play-off" da UEFA Champions League, três da fase de grupos, um nos oitavos-de-final e a segunda mão dos quartos-de-final, entre Chelsea e SL Benfica.
Também dirigiu dois jogos da UEFA Europa League, incluindo a segunda mão das meias-finais, entre Valencia CF e Atlético. No UEFA EURO 2012, apitou dois encontros da fase de grupos, entre Holanda e Dinamarca e Suécia e Inglaterra, bem como o confronto entre Alemanha e Grécia, nos quartos-de-final.
"É um prazer e uma grande honra para mim", disse Skomina ao UEFA.com, depois do anúncio da sua nomeação para a SuperTaça Europeia. "É um dos pontos-altos na minha carreira. Estou muito orgulhoso."
Skomina começou a arbitrar em 1992, aos 16 anos. "Na altura jogava futebol, mas devido a alguns problemas de saúde os médicos disseram-me que era melhor parar. Quando tinha quase 22 anos, disseram-me que podia voltar a jogar, mas era demasiado tarde. Continuei como árbitro!"
Skomina escolheu a arbitragem para permanecer leal ao futebol e diz que não tinha objectivos concretos para ascender na carreira de árbitro, mas rapidamente se tornou evidente que, dadas as suas qualidades, o reconhecimento internacional não demoraria.
"O mais importante para mim é que estou em boa forma física", diz Skomina, à medida que se prepara para o grande jogo de sexta-feira. "Psicologicamente é muito importante para mim estar concentrado, ser capaz de estar calmo durante os 90 minutos, para que, mentalmente, possa estar preparado para tomar uma decisão. É importante para os árbitros terem o controlo do jogo a qualquer altura."
Skomina e a sua equipa vão preparar-se de forma normal antes do jogo no Mónaco. "Tentamos estar o mais relaxados possível quando estamos no balneário. Temos uma selecção musical que nos agrada." Reunir força mental através de motivação mútua mantém Skomina e os seus colegas totalmente concentrados na tarefa que se avizinha. "É essencial que as nossas mentes estejam limpas", explicou.
A SuperTaça Europeia é o mais recente passo num excelente percurso na arbitragem para Damir Skomina, mas mantém os pés bem assentes no chão e modéstia. "Devo dizer que apenas penso ano a ano. Não tenho projectos a longo prazo", disse. "Apenas tento concentrar-me no próximo jogo e não pensar muito no futuro próximo, porque nunca se sabe o que pode acontecer."

Fonte: UEFA

UEFA mantém cinco árbitros e rejeita tecnologias de baliza

O Comité Executivo da UEFA «decidiu, por unanimidade, manter os cinco árbitros nas suas competições» de futebol, anunciou esta sexta-feira o presidente do organismo, Michel Platini, recusando as tecnologias para ajuizar dúvidas na linha de baliza.
«Após 05 de julho, a instância que garante as leis do jogo autorizou o sistema de cinco árbitros às federações que o pretendam adotar», disse o dirigente, num encontro com a Imprensa hoje de manhã, em Monte Carlo, no Mónaco.
Michel Platini afirmou, ainda, que «as grandes finais europeias privilegiarão os árbitros habituados ao sistema a cinco», refutando que tal «não representa uma ameaça, mas sim um conselho, pois as federações podem fazer o que entenderem».
Quanto à chamada «tecnologia de baliza», que a FIFA usará nas suas próximas competições (Mundial 2014, Mundial de Clubes e Taça das Confederações), Michel Platini manifestou a sua oposição: «Nunca ninguém as viu funcionar, enquanto todos conhecem a arbitragem a cinco».
«Sempre me opus à utilização de tecnologias, não é aos 57 anos de idade que vou mudar de opinião», sublinhou o presidente da UEFA.
À sua posição pessoal juntou críticas ao homólogo da confederação mundial: «Não foi a FIFA que decidiu optar pelas tecnologias, mas sim o seu presidente [Joseph Blatter], que decidiu, sozinho, com o International Board, sem consultar o Comité Executivo. Ele é o patrão, é o chefe, é assim...».
Platini disse ainda ser economicamente menos custoso ter equipas de cinco árbitros do que instalar tecnologias de baliza nos campeonatos dos 53 países representados na UEFA.

Fonte: Sapo Desporto

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Curso para Observadores da FPF


O Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol organiza o primeiro curso de avaliação da época 2012/2013 destinado a Observadores de Futsal da categoria 1 (OBSC1) que irá decorrer entre os dias 31 de Agosto e 2 de Setembro, em Tomar (Hotel dos Templários).
A acção, organizada pela Secção de Classificações, pretende com este curso de avaliação “proporcionar aos observadores da primeira categoria as condições técnicas e pedagógicas que permitam uma justa avaliação da equipa de arbitragem, ofercendo, simultaneamente, uma forte componente formativa”, explicou o Vogal da Secção de Classificações do Conselho de Arbitragem com o pelouro do Futsal, Vítor Tomás.
“A entrada em vigor de novas normas de classificação, a aplicação de um relatório técnico inovador de avaliação do desempenho dos árbitros, em que se acentua os aspetos formativos, assim como a avaliação autónoma dos dois árbitros em cada jogo pelo mesmo observador, implicam um programa que vai para além do cumprimento das normas regulamentares relativas à avaliação classificativa dos observadores”, explicou Vítor Tomás que acrescentou que “o objectivo definido pelo Conselho de Arbitragem da FPF de acentuar a vertente espectáculo como factor de desenvolvimento do Futsal, implica que o programa do curso integre o conhecimento das alterações às leis do jogo, bem como as instruções e conclusões do Curso de árbitros promovidos pela secção não profissional. À semelhança do que já se verificou para os observadores OBSC1 do futebol será apresentado e assinado o ‘Compromisso do Observador’, que inclui direitos e obrigações recíprocas não incluídas, pela sua natureza, no Regulamento de Arbitragem”, concluiu.
Fonte: FPF

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Ana Paula Oliveira deixa a arbitragem...

A "bandeirinha" do futebol brasileiro fartou-se de ser boicotada pelos homens. Resolveu deixar a arbitragem aos 34 anos para ser... jornalista

Ana Paula Oliveira, de 34 anos, foi um dos recordes de venda da revista Playboy no Brasil, com 334.277 exemplares. Foi a primeira mulher a participar numa final do campeonato paulista, em 2003 - repetiu o feito mais duas vezes. É a primeira brasileira eleita árbitra revelação dos Jogos Olímpicos, em Atenas'2004. Isso sem contar Libertadores, Sul-Americana, etc... 
No entanto, a ainda árbitra auxiliar acusa de ser boicotada pelos colegas. "Para mim, chega! Aposento-me oficialmente no final do ano. Tenho 34 anos e, se demorar muito para me decidir, não vou ter tempo de me fixar noutra profissão, de amadurecer como jornalista. Fartei-me de ser boicotada".



Fonte: O Jogo

Esloveno Skomina nomeado para arbitrar a Supertaça Europeia


O esloveno Damir Skomina vai ser o árbitro da Supertaça Europeia, entre Chelsea FC e Club Atlético de Madrid, agendada para esta próxima sexta-feira, a partir das 19h45 (de Portugal Continental).

O árbitro, de 36 anos, será auxiliado por Primoz Arhar e Matej Žunič, ao passo que Bojan Ul assumirá as funções de quarto árbitro. Matej Jug e Slavko Vinčič completam a equipa como árbitros assistentes adicionais.

Skomina tornou-se internacional em 2003 e a sua carreira conta 75 jogos da UEFA. Na temporada passada da UEFA Champions League dirigiu um encontro do “play-off”, três jogos da fase de grupos, um dos oitavos-de-final e um dos quartos-de-final, entre o Chelsea e o SL Benfica. Também arbitrou dois desafios da UEFA Europa League, incluindo a meia-final entre o Valencia CF e o Atlético.

No UEFA EURO 2012, que decorreu este Verão na Polónia e na Ucrânia, também apitou o Holanda-Dinamarca e o Suécia-Inglaterra, bem como a partida dos quartos-de-final entre Alemanha e Grécia.


Fonte: UEFA

Opinião: "Adeptos da Arbitragem"

Autor: Rui Alexandre Jesus
Fonte: Record


ADEPTOS DA ARBITRAGEM

Petit, jogador várias vezes internacional pela Seleção Nacional de futebol do nosso país, regressado a Portugal após alguns anos na Bundesliga alemã, afirmou que “nós, nos países do sul, somos traídos pelos nervos”. Apesar de nunca se terem ouvido tais palavras enquanto representou clubes portugueses (quer no norte, quer no sul do país), justifica agora a atitude no futebol em relação aos árbitros com “a cultura e mentalidade”. Gostava muito de um dia ter a oportunidade de saber se os leitores concordam, ou não, com ele.

De facto, não apenas no futebol, mas também noutras modalidades em Portugal, há como que um foco apontado ao árbitro pela mente dos espectadores, desde o apito inicial. Percebo o peso histórico. Quem vai ao estádios e pavilhões deste país, basta estar atento que não encontrará um desafio em que não se aponte culpas ao trio de arbitragem, caso o resultado seja desfavorável à equipa da casa.

Claro que haverá casos em que será mesmo assim. Se na maioria das vezes são injustamente acusados, é uma estatística que está por fazer.

Quem me tem lido, sabe que tenho pautado os meus textos por um tom apaziguador, até por ir em consciência de encontro ao que os protagonistas do futebol insistem todas as épocas em dizer, quando pedem pacificação para o decurso das competições. Mas também procuro apontar o que creio ter de melhorar, seja nos espectadores, seja na arbitragem, seja no dirigismo desportivo.

Atentem nas palavras do atual presidente do Conselho de Arbitragem da FPF, Vítor Pereira, proferidas em entrevista há pouco mais de 90 dias: em resposta à pergunta “Os anticorpos que os árbitros criaram em 2011/2012, vão ressurgir na seguinte época?”, limitou-se a evidenciar que “vão ressurgir, porque são os mesmos árbitros a dirigir os mesmos jogos e os mesmos clubes. Ou as pessoas mudam de comportamento ou arriscam-se a sofrer muito porque não temos outros árbitros…”.

Mas quem é que ainda não percebeu isto? Meus caros, habituem-se…

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Opinião: Vamos ajudar os árbitros?


Artigo de Opinião de Paulo Julio Clement sobre o futebol brasileiro mas que tão bem se pode aplicar deste lado do Atlântico...



Vamos ajudar os árbitros?

Muitos jogadores, técnicos, torcedores e até jornalistas em nada colaboram para que os árbitros realizem seu trabalho com mais tranquilidade

Em geral, a arbitragem brasileira comete erros absurdos. Em desvantagem na relação contra as dezenas de câmeras que acompanham as partidas de futebol, os homens do apito veem reveladas a todo instante seus equívocos, que não são poucos. Não é novidade.  Posto isso, volto as baterias para o outro lado, ou seja: jogadores, técnicos, torcedores e até jornalistas que em nada colaboram para que os árbitros realizem seu trabalho com mais tranquilidade.
Jogadores trocam entradas desleais, simulam cinicamente faltas que não acontecem, cotoveladas inexistentes e tornam o ambiente nas quatro linhas extremamente tenso.
Jogadores e técnicos cada vez mais reclamam das marcações, seja um pênalti decisivo ou simples laterais. Aos berros, palavrões e, em geral, com gestos ostensivos eles tornam o ambiente nas quatro linhas extremamente tenso.
A violência das torcidas, com atitudes imbecis e cretinas como as cometida por parte dos simpatizantes do Cruzeiro, que atiraram objetos de toda sorte no gramado, não são demonstração de incentivo a sua equipe. São apenas atitudes incivilizadas que buscam coagir adversários e, claro, o árbitro. Movimentos assim tornam o ambiente nas quatro linhas extremamente tenso.
Raramente a imprensa fica indignada com excessos de jogadores, técnicos e vândalos travestidos de torcedores na mesma proporção que analisa os erros de arbitragem.
APENAS CHEGOU A HORA DE DIVIDIR RESPONSABILIDADES
Simples assim. Ninguém aqui está eximindo os árbitros de seus vários e, muitas vezes, decisivos erros. Apenas chegou a hora de dividir responsabilidades. Vimos no último fim de semana, jogadores de Vasco e Fluminense acima da medida nas "ponderações" com o árbitro. Vimos o "sereno" Dorival Júnior esbravejar, gesticular, questionar de forma exagerada uma marcação, diga-se de passagem, correta do árbitro do jogo contra seu Flamengo. Vimos os fãs cruzeirenses transformarem o gramado do Independência numa praça de guerra, na qual os jogadores como Leandro Guerreiro, por exemplo, esbanjaram em jogo de cena e simulações. Houve erros de arbitragens nos jogos Vasco x Flu, Fla x Botafogo e Cruzeiro x Atlético? Houve. Contudo, ninguém fez nada para colaborar com os homens do apito. Azar do futebol.

Holandês Bjorn Kuipers no Udinese - SC Braga

O holandês Bjorn Kuipers foi o árbitro nomeado pela UEFA para o encontro entre a Udinense e o SC Braga, a contar para a segunda mão do play-off de acesso à fase de grupos da Liga dos Campeões.

Esta não é a primeira vez que o árbitro internacional desde 2006 vai dirigir um encontro dos bracarenses, pois já se cruzou com eles no empate a uma bola com o Dynamo Kyiv, no ano em que os minhotos chegaram à final da Liga Europa.

O SC Braga está obrigado a marcar em Itália, uma vez que nesta altura o empate a uma bola, resultado verificado no Estádio Axa, beneficia a Udinese, devido ao golo marcado fora de casa.


Fonte: Zerozero

Iniciativa do NAF Guarda - Prova dos 9


O NAF GUARDA irá levar a cabo a 2ª edição do Concurso 'Prova dos 9'. O concurso consiste em responder a testes ao longo da época, sendo uma outra forma dos árbitros estudarem todas as semanas as Leis de Jogo. Esta época o concurso tem algumas alterações, sendo a principal, a realização de testes, preferencialmente, de escolha múltipla. Para além de tudo no final haverá prémios. Consulte aqui toda a informação e Inscreva-se no link que abaixo disponibilizamos. É uma forma diferente de nos prepararmos para as provas oficiais.


segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Video: Brilhante assistência de calcanhar... do árbitro!!!

Não deu golo por pouco e, assim sendo, é apenas um momento para descontrair. Se a bola entrasse, mesmo com a lei do seu lado, o árbitro ficaria com as orelhas a arder.

O lance caricato aconteceu na Grécia, no embate entre o OFI e o Xanthi. Anastasios Kakos esboçou um gesto técnico de grande qualidade que isolou um avançado. Este falhou e o jogo terminou com um nulo. Melhor assim.



Fonte: Mais Futebol

Árbitro suíço no Sporting - Horsens

O árbitro suíço Cyril Zimmermann foi designado pela UEFA para dirigir, nesta quinta-feira (20.30), o jogo entre o Sporting e os dinamarqueses do Horsens, relativo à segunda mão do «play-off» da Liga Europa em futebol. Zimmermann, árbitro internacional desde 2007, nunca dirigiu jogos com equipas portuguesas.

Fonte: Mais Futebol

Website da APAF com nova imagem


Depois de vários anos com o mesmo site, a Associação de Futebol de Árbitros de Futebol, surpreendeu neste fim-de-semana os seus visitantes com uma nova imagem.
A APAF tem agora um site com uma imagem mais simples, onde todos os conteúdos se encontram de forma bastante fácil. O site mudou apenas a sua imagem, agora completamente cinza, mantendo todos os conteúdos que o anterior site já dispunha.
Podem visitar o site no mesmo link de sempre: www.apaf.pt.
Fonte: NAF Guarda

Conheça o episódio que originou a "invenção" do cartão vermelho


O cartão vermelho surgiu no Mundial da Inglaterra em 1966, os jogadores da Argentina, no jogo contra a Inglaterra,  não entendiam o que o juiz falava com os jogadores ingleses.
O jogo estava muito violento e Ubaldo Rattin jogador da argentina discuti com o juiz. O juiz entendeu que o craque argentino estava reclamando e insultando-o e o expulsou de campo, o jogador argentino se recusa a sair e pede um intérprete para poder se comunicar com ele.  Quase 30 minutos depois a polícia inglesa chega ao campo e Rattin entendeu o recado. Esta cena fez com que a FIFA passasse a adotar cartões amarelo e vermelho nos jogos de futebol.

Fonte: NAF Guarda

Árbitro grego no jogo do Marítimo para Liga Europa

A UEFA nomeou o árbitro grego Anastassios Kakos para dirigir o jogo de quinta-feira do Marítimo em Tbilisi, capital da Géorgia.

Depois de vencer o Dila Gori por 1-0 na 1ª mão, no Funchal, com um golo de Fidélis, a equipa de Pedro Martins procura, na Géorgia, um resultado que lhe permita seguir para a fase de grupos da Liga Europa. 


Fonte: O Jogo

sábado, 25 de agosto de 2012

Bloco de apontamentos para 4º Árbitro

Já aqui publicámos algumas sugestões de folha/bloco de apontamentos do árbitro

Hoje, a nossa proposta vai para uma folha que poderá aqueles que desempenharem a função de 4º árbitro:


Nota: Documento desenvolvido por RefereeTip

Sabe quanto recebe um árbitro nas competições da UEFA?


A UEFA informou os árbitros sobre as mudanças significativas para os salários em toda a competição em jogos da UEFA a partir de 2012/13 da UEFA Champions League e da UEFA Europa League nas rodadas de qualificação.
O novo regime de pagamento compreende:
1. Diárias
2. Quantia para cobrir as despesas domésticas/perdas salariais
3. Prémios de jogo
Os valores de subsídio diário para € 200, é calculado a partir do dia da partida até e incluindo o dia da viagem de volta. Custos domésticos (transporte local, estacionamento, vistos, hotel perto do aeroporto antes da partida ou depois da chegada, etc) são cobertos por uma quantia de € 200 por árbitro.
Os salários dos árbitros (adicionais) assistente 'são ligados ao salário do árbitro pela razão 0,3 (funcionários quarto 0,15).

Fonte: NAF Guarda

Árbitros ingleses com novo patrocinador em 2012/2013



A Expedia, companhia de viagens online, é a nova patrocinadora dos árbitros de todas competições de futebol do Reino Unido. O acordo foi oficializado junto à Professional Game Match Officials Limited (PGMO).
Pelo acordo de uma temporada, a Expedia aparecerá nas mangas dos uniformes dos árbitros e irá substituir a Tune Group, antiga patrocinadora. Além do uniforme oficial, a companhia terá exposição também nos equipamentos de treino.
Entre as competições em que o patrocínio se destacará estão a Barclays Premier League, Npower Football League, FA Cup, entre outros campeonatos. A expectativa da empresa é estar em mais de 2500 jogos na corrente temporada.
Fonte: mkt esportivo

Armadilhas do cérebro ajudam a explicar erros de arbitragem

No lance mais polêmico da última rodada do Campeonato Brasileiro, o atacante André marcou para o Santos em um lance com três impedimentos que não foram marcados. O assistente que deixou de levantar sua bandeira, Emerson Augusto de Carvalho, foi afastado e os erros deram início a uma mudança no comando da arbitragem. O problema é que a culpa no lance pode não ser exclusiva do assistente, mas do próprio cérebro humano.
O UOL Esporte ouviu um neurologista e um psicólogo especializado no trabalho com o futebol. E os dois concordaram que, em lances como o do segundo gol do Santos na vitória por 3 a 2 sobre o Corinthians, no último domingo, é possível que profissionais experientes, como o assistente Fifa Emerson Augusto, tenha caído em algumas “armadilhas” do processo cerebral ao interpretar situações complexas.
“O cérebro tem muita capacidade de processamento, mas uma capacidade limitada de observar lances simultâneos. O cérebro não enxerga um filme. Ele enxerga fotos e vai remontando a sequência. Só que, ao observar uma situação que muda muito rapidamente, o cérebro, automaticamente, faz uma interpretação do que aconteceu anteriormente. E essa interpretação pode não ser a correta, mas a pessoa vai acreditar nesses dados”, explica David Schlesinger, neurologista do Hospital Albert Einstein, de São Paulo.
Na prática, funciona assim: o árbitro-assistente até consegue ver o passe e a linha de impedimento, mas quando acontece uma mudança brusca de velocidade do jogador que vai receber a bola, a percepção de onde esse jogador estava, no início do lance, é alterada pelo cérebro de quem está olhando.
“Imagine se o jogador estava impedido, correndo mais lentamente, mas acelerou. Você pode interpretar como se ele tivesse partido de um ponto mais atrás do que realmente partiu. E o contrário também é verdade. Se você enxerga o jogador em um ponto à frente [da linha de impedimento], mas ele estava mais lento, pode interpretar que ele estava à frente quando o lance começou, mas na verdade não estava. Isso já é um problema. Agora, se o passe e a linha [de impedimento] não estão no mesmo campo de visão, você ainda precisa colocar o tempo de virar a cabeça e focar o jogador. Isso aumenta o período de análise e a possibilidade de os atletas terem mudado suas posições. São muitas informações ao mesmo tempo. Uma boa parte dos erros que acontecem no futebol podem ser decorrentes de processos como esse”, analisa o neurologista.
Lances assim são muito comuns. Na última quarta-feira, por exemplo, o Botafogo foi beneficiado por um deles, em duelo da Sul-Americana: contra o Palmeiras, aos 20 minutos do primeiro tempo, Lucas voltava de posição de impedimento quando Andrezinho fez o passe. O lateral, então, mudou rapidamente de trajetória e recebeu o passe. O vídeo mostra que ele estava impedido, mas pela velocidade, a interpretação imediata do lance poderia ser de posição normal.
Uma semana antes, o próprio Palmeiras foi beneficiado: Barcos marcou o gol da vitória contra o Flamengo, em um rebote. No início do lance, o chute de Artur, o atacante palmeirense já estava à frente dos rivais. Quando o goleiro Felipe espalmou, o argentino já estava sozinho, dentro da pequena área.
Na vitória do Grêmio sobre o Bahia, por 3 a 1, pela 14ª rodada, aconteceu o inverso: em uma jogada de pela esquerda, Lulinha entrou na área e chutou. O goleiro Grohe espalmou para frente e Fahel completou para o gol. O meio-campista do Bahia estava em posição legal, mas seu companheiro, Zé Roberto, que não participou do lance, estava impedido.
Segundo Gustavo Korte, que trabalha a preparação psicológica dos árbitros da Federação Paulista de Futebol, explica que o volume de informação em lances como esses são muito grandes e qualquer dúvida pode gerar um erro de interpretação das informações. “Imagine um lance com quatro atacantes, dois impedidos. Você tem um a 10 metros de você, outro a 50. A jogada chega em velocidade e a concentração está na linha do defensor, mas você também tem de estar atento à hora em que a bola vai ser tocada e para quem vai esse passe. Os quatro atacantes podem correr ao mesmo tempo e você tem que saber qual deles vai tocar na bola e se esse estava impedido quando o toque foi feito. Para complicar ainda mais, imagine se a bola vem voando e você também tem de correr para se manter no lance. É tudo muito rápido”, justifica Korte.
Essa armadilha cerebral, porém, não é única dificuldade que os assistentes enfrentam em uma partida. Outra grande preocupação acontece na reprogramação cerebral necessária na mudança do primeiro para o segundo tempo. “Normalmente, os assistentes focam a concentração na linha de defesa, na maior parte na cor dos uniformes. Mas quando ele vai para o vestiário, na volta para o segundo tempo o raciocínio se inverte. E demora um pouco para se fazer essa mudança mentalmente, principalmente se, durante o intervalo, ele não teve o tempo ideal para se preparar para o segundo tempo”, fala Korte.
“Não existem estudos extensos sobre essa área, mas essa explicação é bem possível. Para simplificar situações complexas, nós adotamos alguns marcadores. E as cores são exatamente isso. Você fala em preto e branco para simplificar. E, com a virada de campo, pode demorar um pouco para se acostumar com essa mudança. No basquete você vê isso com muito mais clareza. Jogadores até fazem cestas contra porque estão focados em uma direção de bola, o lado virou, a concentração caiu e ele se viu perdido”, concorda Schlesinger.
O lance de Corinthians e Santos, que abre a matéria, é um exemplo disso: aconteceu justamente aos quatro minutos do segundo tempo. E ainda tem outros atenuantes: no primeiro impedimento, Léo cruza para a área e três santistas estão impedidos. No segundo lance, Bruno Rodrigo passa de cabeça para Durval, também à frente. Durval, então, passa para André, que segue impedido. O assistente teve de julgar três lances diferentes, de interpretação complicada em cada um, em pouco mais de três segundos.
“Especificamente sobre o Emerson, era praticamente impossível para ele cometer três erros em um mesmo lance. Ele é um craque. Mas o que pode ter acontecido é, após o primeiro lance, ele percebeu que errou. Mas passou a pensar nisso e acabou perdendo a concentração para o segundo e para o terceiro lances também”, justifica Korte.
Essa perda de concentração também foi abordada pelo neurologista David Schlesinger: “O nível de atenção de uma pessoa varia muito. Alunos, em sala de aula, sem nenhum esforço físico, ficam sentados por 45 minutos, 1h15 e passam a perder concentração. Imagina durante um jogo de futebol?”
Texto escrito em português do Brasil
Fonte: UOL

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Nomeações LIGA ZON SAGRES e SEGUNDA LIGA


A secção profissional do Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol divulgou na tarde de hoje as nomeações de árbitros dos restantes jogos da 1ª Liga e de todos os encontras da Segunda Liga.
O Portuense Jorge Sousa irá marcar presença no jogo entre no Vitória SC e, o segundo classificado da época transacta, Benfica; por outro lado, o Madeirense Marco Ferreira irá arbitrar o encontro entre o Sporting e o Rio Ave.
Na segunda liga a deslocação do primeiro classificado Belenenses ao terreno do Benfica B, será arbitrado por Rui Costa do Porto e o encontro entre o Arouca e a Oliveirense que se encontra em 2º e 3º lugares respectivamnete será arbitrado por Jorge Ferreira de Braga.

Confira o quadro completo de nomeações:
LIGA ZON SAGRES
Académica-Olhanense, Cosme Machado (Braga) | Alfredo Braga e Nuno Eiras 
Sp. Braga-Beira-Mar, Paulo Bapista (Portalegre) | José Braga e Paulo Ramos
FC Porto-Vitória Guimarães, Hugo Miguel (Lisboa) | Pedro Garcia e Hernâni Fernandes
Vitória SC - Benfica, Jorge Sousa (Porto) | Bertino Miranda e Nuno Manso
Marítimo - Gil Vicente, Bruno Paixão (Setúbal) | Nuno Roque e Rui Teixeira 
Sporting - Rio Ave, Marco Ferreira (Madeira) | Nelson Moniz e Cristóvão Moniz
Estoril - Paços de Ferreira, Manuel Mota (Braga) | Paulo Vieira e João Dias
Moreirense - Nacional, Pedro Proença (Lisboa) | Tiago Trigo e André Campos

SEGUNDA LIGA
Braga B - União, Jorge Tavares (Aveiro) | José Oliveira e Luís Cabral
Santa Clara - Tondela, Hugo Pacheco (Porto) | João Silva e Ludovico Franco
FC Porto B - Desp. Aves, Renato Gonçalves (Guarda) | Pedro Ribeiro e Miguel Aguilar 
Freamunde - Portimonense, Olegário Benquerença (Leiria) | Luis Marcelino e Pedro Neves 
Trofense - Leixões, Vasco Santos (Porto) | Alexandre Freitas e Bruno Trindade
Arouca - Oliveirense, Jorge Ferreira (Braga) | Tomás Santos e Pedro Fernandes 
Marítimo B - Vitória SC B, Bruno Esteves (Setúbal) | Venâncio Tomé e Valter Pereira 
Covilhã - Penafiel, João Capela (Lisboa) | Paulo Soares e Pedro Felisberto
Atlético - Sporting B, Nuno Almeida (Algarve) | Pais António e Nuno Vicente
Feirense - Naval, Duarte Gomes (Lisboa) | Ricardo Santos e Tiago Rocha
Benfica B - Belenenses, Rui Costa (Porto) | João Santos e Bruno Rodrigues

Texto: NAFGUARDA  

Como surgiu o Cartão Amarelo


O cartão amarelo foi introduzido pela FIFA na Copa de 1970 disputada no México, sendo o inglês Lee a receber 
o primeiro cartão. Essa introdução se fez necessário devido ao fato da dificuldade de comunicação entre o árbitro 
e os jogadores, causado pelos diferentes idiomas das seleções participantes.
No futebol é mostrado a um jogador como aviso ou advertência por ter cometido algum tipo de infração. Ao ser 
mostrado um segundo cartão amarelo ao mesmo jogador, este será imediatamente expulso de campo.
O jogador que impedir que o adversário se apodere da bola e por não poder jogá-la de outra forma, a detenha consigo, ou golpeie com punho, segure o adversário, impedindo que se apodere da bola ou ainda quando marcar um gol, usar de forma ilegal uma ou ambas as mãos, será punido com o cartão amarelo.
Todo o Jogador que persistir em infringir as regras ou perder tempo com a clara intenção de se beneficiar ou ainda se for culpado de conduta antiesportiva, também será advertido com cartão amarelo. O jogador que retardar o reinício do jogo chutando para longe a bola ou levá-la na mãos depois que o árbitro tenha apitado ou cobrar um tiro livre em lugar errado com a deliberada intenção de obrigar o árbitro a ordenar a sua repetição ou ainda se colocar em frente a bola durante a execução de um tiro livre concedido a equipe adversária, será punido com cartão amarelo.
Receberá o cartão amarelo o jogador que fingir que está contundido, retardar a saída de campo durante um processo
de substituição (caminhando de forma lenta, parando para abaixar as meias ou retirar a caneleira), abandonar 
deliberadamente o campo de jogo, entrar ou voltar a entrar no campo sem permissão do árbitro, simular a intenção 
de lançar um arremesso lateral, porém deixar de imediato a bola para um companheiro, retadar para cobrar um tiro
livre, um tiro de meta ou tiro de canto.
Todo o jogador que protestar contra a arbitragem, quer por meio verbal ou através de gestos também será advertido
com cartão amarelo.
Por mais que seja permitido que os jogadores expressem sua alegria no momento mágico do futebol, o gol, esta 
celebração não poderá ser excessiva, nem fazer gestos ofensivos, debochados ou provocantes, nem subir em alambrados ou ainda, tirar a camisa por cima de sua cabeça ou cobri-la com a mesma. O jogador que fazer qualquer uma das situações acima citada, receberá o cartão amarelo.
Texto escrito em Português do Brasil
Fonte: Escala Educacional (através do NAF Guarda)

ERA renova patrocínio à arbitragem da LPFP


A ERA Portugal patrocina a Liga Portuguesa de Futebol Profissional durante a época 2012/2013. O patrocínio da rede imobiliária dirige-se, sobretudo, aos árbitros cujo equipamento conterá o logo da ERA, nos jogos da primeira e segunda liga, assim como nos da Taça da Liga.
O patrocínio vai traduzir-se, também, na presença corporativa da marca nas transmissões televisivas da Sport TV.

Este é já o sétimo ano consecutivo que a ERA Portugal patrocina a Liga Portuguesa de Futebol Profissional. Na época passada, o mesmo patrocínio teve um retorno de mais de 11 milhões de euros, resultado de uma visibilidade da marca, em televisão de cerca de 26 horas.

Fonte: LPM

Opinião: Padronização da arbitragem passa pela padronização das atitudes dos árbitros no desempenho da função.



Padronização da arbitragem passa pela padronização das atitudes dos árbitros (regra 05) no desempenho da nobre função.

Em geral os árbitros deverão utilizar à mesma linguagem, procurando dar uma dinâmica semelhante em todas as partidas, não tratar cada jogo de uma forma diferente, não dando a devida importância para esta ou aquela (regra 07) partida, tratando um Corinthians x Palmeiras como o jogo da sua vida, e diminuindo a importância de um jogo valido pela segunda divisão, no qual sua atitude dentro do solo sagrado (campo de jogo – regra 01) demonstra o seu total descontentamento pela escala e pelo jogo em si.

Para obter uma sensível melhora da nobre função, os árbitros deverão ter em mente que todas as atitudes tomadas dentro do solo sagrado deverão ser aplicadas também na próxima partida, claro, somente as atitudes corretas e não importa o grau de dificuldade que a mesma possa ter o importante que ele, árbitro, tenha a mesma atitude, assim a padronização será alcançada e a excelência da arbitragem poderá ser obtida.

Os árbitros deverão ter um mesmo parecer, opinião, uma mesma atitude na aplicação da Carta Magna do Futebol (livro de regras). Não a necessidade ter a mesma opinião sobre política ou sobre qualquer assunto alheio a arbitragem. Eles deverão ter a mesma opinião nas questões atinente à nobre função. Dentro do universo da arbitragem de futebol não pode haver dois tipos de pensamentos ou dois pareceres, todos deverão ter o mesmo significado.

“Podemos ser feliz dentro de nossos lares, se há sempre divergência de opinião?” O mesmo se aplica na arbitragem, se os árbitros estão divergindo e não tendo a mesma atitude dentro do solo sagrado, não poderão obter uma padronização sólida, resultando no aumento das criticas sobre o desempenho a cada rodada.

Portanto, os árbitros deverão buscar a padronização das atitudes numa verdadeira comunhão com os companheiros, tratando os assuntos com a mesma visão, querendo assim elevar o grau de conhecimento e qualidade no desempenho da nobre função.